Banner Portal
A educação profissional no Brasil
PDF
PDF (English)

Palavras-chave

Política educacional
Educação profissional
Ensino médio integrado

Como Citar

BRAZOROTTO, Cintia Magno; VENCO, Selma Borghi. A educação profissional no Brasil: história e política dos Institutos Federais. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 487–505, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i2.8656863. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656863. Acesso em: 20 maio. 2024.

Resumo

Historicamente a educação profissional foi destinada às camadas mais pobres da população que visavam, por meio do ensino técnico, obter uma ocupação para ingresso no mercado de trabalho (CUNHA, 2005). Todavia, a trajetória das escolas federais (BANDERA, 2016) e, posteriormente, os Institutos Federais indica a presença majoritária de estudantes pertencentes à classe média. É nesse contexto que o presente artigo se desenvolve abordando articuladamente, de um lado, a política educacional dos Institutos Federais que logra a democratização do acesso ao ensino técnico; e, de outro, por meio dos resultados de pesquisa quantitativa, o perfil socioeconômico dos ingressantes no ensino médio integrado em um campus do Instituto Federal de São Paulo. Constata-se que o público-alvo prioritário da política não é contemplado e, portanto, segue caminho diverso ao traçado nos primórdios da educação profissional no Brasil.

https://doi.org/10.20396/etd.v23i2.8656863
PDF
PDF (English)

Referências

ANS. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Disponível em: http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor. Acesso em: 16 abr. 2016.

BRAZOROTTO, Cintia Magno. Ensino médio integrado: os desafios para a implantação da política educacional. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2014.

BRAZOROTTO, Cintia Magno. Origem e destino: o ensino médio profissionalizante no Brasil e na Alemanha. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2020.

BANDERA, Nicolau Dela. A escolha da tradição: o campo de possíveis para os estudantes do IFSP. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 809-832, jul./set. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623651136

BELTRÃO, Tatiana. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971. Senado Notícias, Brasília, DF: Agência Senado, 3 mar. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/03/03/reforma-do-ensino-medio-fracassou-na-ditadura. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Censo Escolar 2017: notas estatísticas. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2018. Disponível em: http://bit.ly/2mn2Pjr. Acesso em: 4 jun. 2018.

BRASIL. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Um novo modelo em educação profissional e tecnológica: concepção e diretrizes. Brasília, DF: PDE, 2010.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://bit.ly/2kH374x. Acesso em: 18 set. 2019.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o §2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 4 jun. 2018.

BRYAN, Newton Antonio Paciulli. Educação, processo de trabalho, desenvolvimento econômico: contribuição ao estudo das origens e desenvolvimento da formação profissional no Brasil. Campinas, SP: Alínea, 2008.

CAMARGO, Edson Carpes. Quem disse que não é coisa de menina: provocações acerca das relações de gênero no ensino técnico em agropecuária do IFRS - Campus Bento Gonçalves. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Vale dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. 2. ed. São Paulo/Brasília, DF: Ed. UNESP/FLACSO, 2000a.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 89-107, maio/ago. 2000b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 abr. 2020.

CURY, Carlos Roberto Jamil et al. A profissionalização do ensino na Lei n. 5.692/1971. Brasília, DF: INEP/MEC, 1982. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002257.pdf. Acesso em: 11 abr.2020.

DEITOS, Roberto Antônio; LARA, Ângela Mara Barros. Educação profissional no Brasil: motivos socioeconômicos e ideológicos de política educacional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 64, p. 165-188, jan. /mar. 2016.

FERRETTI, Celso João. Formação profissional e reforma do ensino técnico no Brasil: anos 90. Revista Educação e Sociedade, v. 18, n. 59, p. 225-269, ago. 1997.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

HIRATA, Helena. Tecnologia, formação profissional e relações de gênero no trabalho. Educação e Tecnologia – Periódico Técnico Científico dos Programas de Pós-Graduação em Tecnologia CEFETs, Curitiba, n. 6, p. 144-156, 2003.

IBGE. Instituto Nacional de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua, Séries Históricas: Taxa de desocupação 2012-2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9173-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-trimestral.html?=&t=series-historicas&utm_source=landing&utm_medium=explica&utm_campaign=desemprego . Acesso em: 21 abr. 2020.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua: Educação 2018. Brasília, DF: IBGE, 2019. Disponível em: http://bit.ly/2m57LtF. Acesso em: 25 set. 2019.

IBGE. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2017. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3avgubE . Acesso em: 21 abr. 2020.

IBGE Cidades: Araraquara. Brasília, DF: IBGE, 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/araraquara/panorama . Acesso em: 5 abr. 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Básica 2019: notas estatísticas. Brasília, DF, 2020.

INEP. Censo Escolar 2017: notas estatísticas. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2018. Disponível em: http://bit.ly/2mn2Pjr . Acesso em: 4 jun. 2018.

INEP. Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024: linha de base. [online]. Brasília: DF, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2kW51OG . Acesso em: 9 dez. 2019.

KUENZER, Acácia Zeneida. Ensino médio e profissional: as políticas do estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 2007.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. Trad. Newton Ramos de Oliveira. Rev. téc. Paolo Nosella. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação profissional no Brasil: atores e cenários ao longo da história. Jundiaí: Paco, 2016.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. Construindo corpos hígidos: as escolas paulistas do SENAI (1942-1955). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6., 2011, Espírito Santo. Anais... Espírito Santo, 2011. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/447.pdf . Acesso em: 21 abr.2020.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Difel, 1982. Livro 1. v. 1.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Moraes, 1983.

MELO, Ticiane Gonçalves Sousa; MOURA, Dante. Henrique. PNE (2001-2010), PNE (2014-2024): orientações para a Educação Profissional no Brasil. Holos, Natal, v. 3, p. 3-15, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4815/481554848002.pdf . Acesso em: 30 maio 2019.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá; REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo (Org.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

OLIVEIRA, Ramon. Ensino médio e a inserção juvenil no mercado de trabalho. In: ENCONTRO NACIONAL DA ABET, 16., 2017. Anais... Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0BzewPTlXjDnnMm1RdzBFOF9vakE/view. Acesso em: 21 abr.2020.

PACHECO, Eliezer. Os institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Natal: IFRN, 2010.

PLATAFORMA NILO PEÇANHA. PNP 2019: ano base 2018. Disponível em: http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2019.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

SENAI. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Informativo, São Paulo, n. 12, out. 1946.

WRIGHT MILLS, Charles. A nova classe média. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Cintia Magno Brazorotto, Selma Borghi Venco

Downloads

Não há dados estatísticos.