A educação profissional no Brasil

história e política dos Institutos Federais

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i2.8656863

Palavras-chave:

Política educacional, Educação profissional, Ensino médio integrado

Resumo

Historicamente a educação profissional foi destinada às camadas mais pobres da população que visavam, por meio do ensino técnico, obter uma ocupação para ingresso no mercado de trabalho (CUNHA, 2005). Todavia, a trajetória das escolas federais (BANDERA, 2016) e, posteriormente, os Institutos Federais indica a presença majoritária de estudantes pertencentes à classe média. É nesse contexto que o presente artigo se desenvolve abordando articuladamente, de um lado, a política educacional dos Institutos Federais que logra a democratização do acesso ao ensino técnico; e, de outro, por meio dos resultados de pesquisa quantitativa, o perfil socioeconômico dos ingressantes no ensino médio integrado em um campus do Instituto Federal de São Paulo. Constata-se que o público-alvo prioritário da política não é contemplado e, portanto, segue caminho diverso ao traçado nos primórdios da educação profissional no Brasil.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cintia Magno Brazorotto, Universidade Estadual de Campina

Doutoranda em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Pedagoga do Instituto Federal de São Paulo - IFSP, Câmpus Araraquara.

Selma Borghi Venco, Universidade Estadual de Campinas

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Doutorado-sanduíche pela Université Paris X, Nanterre. Docente da Faculdade de Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Pesquisadora associada do Centre de Recherches Sociologiques et Politiques de Paris (CRESPPA).

Referências

ANS. Agência Nacional de Saúde Suplementar. Disponível em: http://www.ans.gov.br/perfil-do-setor/dados-e-indicadores-do-setor. Acesso em: 16 abr. 2016.

BRAZOROTTO, Cintia Magno. Ensino médio integrado: os desafios para a implantação da política educacional. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Ciências Humanas, Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2014.

BRAZOROTTO, Cintia Magno. Origem e destino: o ensino médio profissionalizante no Brasil e na Alemanha. Tese (Doutorado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2020.

BANDERA, Nicolau Dela. A escolha da tradição: o campo de possíveis para os estudantes do IFSP. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 41, n. 3, p. 809-832, jul./set. 2016. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/2175-623651136

BELTRÃO, Tatiana. Reforma tornou ensino profissional obrigatório em 1971. Senado Notícias, Brasília, DF: Agência Senado, 3 mar. 2017. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/noticias/materias/2017/03/03/reforma-do-ensino-medio-fracassou-na-ditadura. Acesso em: 20 abr. 2020.

BRASIL. Censo Escolar 2017: notas estatísticas. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2018. Disponível em: http://bit.ly/2mn2Pjr. Acesso em: 4 jun. 2018.

BRASIL. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia. Um novo modelo em educação profissional e tecnológica: concepção e diretrizes. Brasília, DF: PDE, 2010.

BRASIL. Lei n. 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Brasília, DF, 2008. Disponível em: http://bit.ly/2kH374x. Acesso em: 18 set. 2019.

BRASIL. Casa Civil. Subchefia para Assuntos Jurídicos. Decreto n. 5.154 de 23 de julho de 2004. Regulamenta o §2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2004-2006/2004/decreto/d5154.htm. Acesso em: 22 abr. 2020.

BRASIL. Lei n. 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1° e 2º graus, e dá outras providências. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/1970-1979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

BRASIL. Decreto n. 7.566, de 23 de setembro de 1909. Cria nas capitais dos Estados as Escolas de Aprendizes Artífices, para o ensino profissional primário e gratuito. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/setec/arquivos/pdf3/decreto_7566_1909.pdf. Acesso em: 4 jun. 2018.

BRYAN, Newton Antonio Paciulli. Educação, processo de trabalho, desenvolvimento econômico: contribuição ao estudo das origens e desenvolvimento da formação profissional no Brasil. Campinas, SP: Alínea, 2008.

CAMARGO, Edson Carpes. Quem disse que não é coisa de menina: provocações acerca das relações de gênero no ensino técnico em agropecuária do IFRS - Campus Bento Gonçalves. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Vale dos Sinos, São Leopoldo, 2014.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino de ofícios nos primórdios da industrialização. 2. ed. São Paulo/Brasília, DF: Ed. UNESP/FLACSO, 2000a.

CUNHA, Luiz Antônio. O ensino industrial-manufatureiro no Brasil. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, n. 14, p. 89-107, maio/ago. 2000b. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-24782000000200006&lng=en&nrm=iso. Acesso em: 11 abr. 2020.

CURY, Carlos Roberto Jamil et al. A profissionalização do ensino na Lei n. 5.692/1971. Brasília, DF: INEP/MEC, 1982. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/me002257.pdf. Acesso em: 11 abr.2020.

DEITOS, Roberto Antônio; LARA, Ângela Mara Barros. Educação profissional no Brasil: motivos socioeconômicos e ideológicos de política educacional. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 21, n. 64, p. 165-188, jan. /mar. 2016.

FERRETTI, Celso João. Formação profissional e reforma do ensino técnico no Brasil: anos 90. Revista Educação e Sociedade, v. 18, n. 59, p. 225-269, ago. 1997.

HARVEY, David. Condição pós-moderna. São Paulo: Loyola, 1992.

HIRATA, Helena. Tecnologia, formação profissional e relações de gênero no trabalho. Educação e Tecnologia – Periódico Técnico Científico dos Programas de Pós-Graduação em Tecnologia CEFETs, Curitiba, n. 6, p. 144-156, 2003.

IBGE. Instituto Nacional de Geografia e Estatística. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua, Séries Históricas: Taxa de desocupação 2012-2020. Disponível em: https://www.ibge.gov.br/estatisticas/sociais/trabalho/9173-pesquisa-nacional-por-amostra-de-domicilios-continua-trimestral.html?=&t=series-historicas&utm_source=landing&utm_medium=explica&utm_campaign=desemprego . Acesso em: 21 abr. 2020.

IBGE. Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílio Contínua: Educação 2018. Brasília, DF: IBGE, 2019. Disponível em: http://bit.ly/2m57LtF. Acesso em: 25 set. 2019.

IBGE. Acesso à internet e à televisão e posse de telefone móvel celular para uso pessoal: 2017. Rio de Janeiro, RJ: IBGE, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3avgubE . Acesso em: 21 abr. 2020.

IBGE Cidades: Araraquara. Brasília, DF: IBGE, 2017. Disponível em: https://cidades.ibge.gov.br/brasil/sp/araraquara/panorama . Acesso em: 5 abr. 2020.

INEP. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo da Educação Básica 2019: notas estatísticas. Brasília, DF, 2020.

INEP. Censo Escolar 2017: notas estatísticas. Ministério da Educação. Brasília: DF, 2018. Disponível em: http://bit.ly/2mn2Pjr . Acesso em: 4 jun. 2018.

INEP. Plano Nacional de Educação – PNE 2014-2024: linha de base. [online]. Brasília: DF, 2015. Disponível em: http://bit.ly/2kW51OG . Acesso em: 9 dez. 2019.

KUENZER, Acácia Zeneida. Ensino médio e profissional: as políticas do estado neoliberal. São Paulo: Cortez, 2007.

MANACORDA, Mario Alighiero. Marx e a pedagogia moderna. Trad. Newton Ramos de Oliveira. Rev. téc. Paolo Nosella. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

MANFREDI, Silvia Maria. Educação profissional no Brasil: atores e cenários ao longo da história. Jundiaí: Paco, 2016.

MARQUES, Vera Regina Beltrão. Construindo corpos hígidos: as escolas paulistas do SENAI (1942-1955). In: CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 6., 2011, Espírito Santo. Anais... Espírito Santo, 2011. Disponível em: http://www.sbhe.org.br/novo/congressos/cbhe5/pdf/447.pdf . Acesso em: 21 abr.2020.

MARX, Karl. O capital. São Paulo: Difel, 1982. Livro 1. v. 1.

MARX, Karl; ENGELS, Friedrich. Textos sobre educação e ensino. São Paulo: Moraes, 1983.

MELO, Ticiane Gonçalves Sousa; MOURA, Dante. Henrique. PNE (2001-2010), PNE (2014-2024): orientações para a Educação Profissional no Brasil. Holos, Natal, v. 3, p. 3-15, 2017. Disponível em: https://www.redalyc.org/pdf/4815/481554848002.pdf . Acesso em: 30 maio 2019.

MOTTA, Rodrigo Patto Sá; REIS, Daniel Aarão; RIDENTI, Marcelo (Org.). A ditadura que mudou o Brasil: 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.

OLIVEIRA, Ramon. Ensino médio e a inserção juvenil no mercado de trabalho. In: ENCONTRO NACIONAL DA ABET, 16., 2017. Anais... Disponível em: https://drive.google.com/file/d/0BzewPTlXjDnnMm1RdzBFOF9vakE/view. Acesso em: 21 abr.2020.

PACHECO, Eliezer. Os institutos federais: uma revolução na educação profissional e tecnológica. Natal: IFRN, 2010.

PLATAFORMA NILO PEÇANHA. PNP 2019: ano base 2018. Disponível em: http://plataformanilopecanha.mec.gov.br/2019.html. Acesso em: 5 abr. 2020.

SENAI. Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial. Informativo, São Paulo, n. 12, out. 1946.

WRIGHT MILLS, Charles. A nova classe média. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.

Publicado

2021-05-19

Como Citar

BRAZOROTTO, C. M.; VENCO, S. B. A educação profissional no Brasil: história e política dos Institutos Federais. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 487–505, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i2.8656863. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8656863. Acesso em: 26 jul. 2021.