O dia que o audiovisual invadiu a aula de geografia e (des)norteou o cinema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v23i2.8661484

Palavras-chave:

Educação, Cinema, Audiovisual, Ensino de geografia, Mudança social e educação

Resumo

Nosso intuito, neste texto, é apresentar os resultados de um estudo realizado pela Rede internacional de pesquisas “Imagens, geografias e educação” acerca de como professoras/es de geografia relacionam cinema e práticas docentes. Valemo-nos de parte das respostas desse estudo para ponderar como materiais cinematográficos e audiovisuais são empregados nas ambiências escolares. Relacionamos tais ponderações com macrodiretrizes do setor audiovisual brasileiro e observações acerca do uso corriqueiro do audiovisual em nossas vidas na contemporaneidade. Nossa hipótese de trabalho é que o encontro entre geografia, cinema, audiovisual e educação acontece numa fronteira tênue, especialmente no contexto da sociedade educativa – epicentro de um modo de vida alicerçado no aprendizado vitalício, que tem nos materiais audiovisuais uma de suas grafias fulcrais. Para esquadrinhar essa hipótese, articulamos quatro peças discursivas por meio de uma análise micropolítica, e, concluímos que, a partir do referido encontro, haveria algo de paradoxal em torno do que viria a ser o sentido e o não-sentido na educação geográfica. O sentido costuma ser entabulado, na esteira das pedagogias construtivistas, à axiomática de que, para aprender, é condição sine qua non, despertar o interesse dos estudantes para algo ou alguma coisa. O não-sentido seria o oposto disso, ou seja, acontecimentos rotineiros que, ao atravessarem e modificarem as dinâmicas do tecido social, adentrariam as aulas de geografia, embaralhando as fronteiras entre o cinema e o audiovisual.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Valéria Cazetta, Universidade de São Paulo

Doutora em Geografia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professora da Escola de Artes, Ciências e Humanidades da Universidade de São Paulo (EACH-USP).

Ingrid Rodrigues Gonçalves, Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal

Mestra em Educação pela Universidade de São Paulo (USP). Professora do Centro de Estudos e Pesquisas de Administração Municipal (Etec CEPAM).  

Referências

ANCINE. Plano de diretrizes e metas para o audiovisual: o Brasil de todos os olhares para todas as telas. 1.ed. jul. 2013. Rio de Janeiro: Agência Nacional do Cinema, 2013. Disponível em: https://www.ancine.gov.br/sites/default/files/PDM%202013.pdf . Acesso em: 10 mai. 2020.

ANCINE. Notas sobre o Plano de Diretrizes e Metas para o Audiovisual 2011-2020. Disponível em: https://www.ancine.gov.br/pt-br/plano-de-diretrizes-e-metas . Acesso em: 10 mai. 2020.

BARROS, Manoel. Sobre importâncias. In: ______. Memórias inventadas: as infâncias de Manoel de Barros. São Paulo: Planeta do Brasil, 2010. p. 109.

BETIM, Felipe. Jovens têm choque de consciência sobre privilégios e injustiças do Brasil durante a pandemia. Sociedade. El País, 12 mai. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/sociedade/2020-05-12/jovens-tem-choque-de-consciencia-sobre-privilegios-e-injusticas-do-brasil-durante-a-pandemia.html . Acesso em: 12 set. 2020.

BRASIL. Lei 13.006/2014, de 26 de junho de 2014. Presidência da República. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13006.htm . Acesso em: 28 mai. 2018.

DELIGNY, Fernand. Camérer: Texte Fernand Deligny, 1977. Trafic, n°53, printemps 2005, p. 54-59. Disponível em: http://derives.tv/Camerer/ . Acesso em: 07 mai. 2019.

FANTIN, Monica; GIRARDELLO, Gilka Elvira Ponzi. Diante do abismo digital: mídia-educação e mediações culturais. Perspectiva, Florianópolis, v. 27, n. 1, p. 69-96, abr. 2010. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/perspectiva/article/view/2175-795X.2009v27n1p69/12291 . Acesso em: 12 jan. 2020.

FRESQUET, Adriana. (2015). Cinema e educação: a lei 13.006 - Reflexões, perspectivas e propostas. Belo Horizonte, MG: Universo Produção.

GOMES, Paulo César da Costa. Quadros geográficos: uma forma de ver, uma forma de pensar. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2017.

GONÇALVES, Ingrid Rodrigues. Arquivo-vida na contemporaneidade: composições de modos de viver nas fronteiras entre audiovisual, arquivos pessoais e educação. 2020. 215 f. Dissertação (Mestrado em Educação) - Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2020.

GUATTARI, Félix; ROLNIK, Suely. Micropolítica - Cartografias do Desejo. 12.ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2013.

LONGHI, Raquel Ritter. O audiovisual como gênero expressivo e sua reconfiguração no jornalismo online. Estudos em Comunicação (16):69-88. 2014. Disponível em: http://ec.ubi.pt/ec/16/pdf/EC16-2014Jun04.pdf . Acesso em 22 set. 2019.

MASSEY, Doreen. Pelo espaço: uma nova política da espacialidade. Tradução de Hilda Pareto Maciel e Rogério Haesbaert. Rio de Janeiro: Betrand Brasil, 2008.

MINTZ, Veronique. Why I’m Learning more with distance learning than i do in school. Opinion. The New York Times. 05 mai. 2020. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/05/05/opinion/coronavirus-pandemic-distance-learning.html . Acesso em: 21 jun. 2020.

NOGUERA-RAMÍREZ, Carlos Ernesto. Pedagogia e governamentalidade ou Da Modernidade como uma sociedade educativa. Belo Horizonte, MG: Autêntica, 2011.

OLIVEIRA JUNIOR, Wenceslao Machado; GIRARDI, Gisele. O cinema como diferença na linguagem do ensino de geografia: uma cartografia provisória. Revista Brasileira de Educação em Geografia, Campinas, v. 10, n. 19, p. 45-66, jan./jun., 2020

ONU News. Estudo da ONU revela que mundo tem abismo digital de gênero. 6 nov. 2019. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2019/11/1693711 . Acesso em: 12 jan. 2020.

WEBINAR – Curtas-metragens na sala de aula | Curta Kinoforum. Youtube. Museu da Imagem e do Som de São Paulo – MIS. 2020. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=BXYHAee1XOk . Acesso em: 06 set. 2020.

Downloads

Publicado

2021-05-19

Como Citar

CAZETTA, V.; GONÇALVES, I. R. O dia que o audiovisual invadiu a aula de geografia e (des)norteou o cinema. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 23, n. 2, p. 335–353, 2021. DOI: 10.20396/etd.v23i2.8661484. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8661484. Acesso em: 26 jul. 2021.