Banner Portal
A formação e o trabalho docente, as tecnologias móveis e a UNESCO
PDF

Palavras-chave

UNESCO
Formação de professores
Trabalho docente
Tecnologia móvel
Aprendizagem móvel

Como Citar

MENDES, Cláudio Lúcio; EVANGELISTA, Rui Maurício Fonseca. A formação e o trabalho docente, as tecnologias móveis e a UNESCO. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 24, n. 1, p. 151–170, 2022. DOI: 10.20396/etd.v24i1.8665923. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/8665923. Acesso em: 13 jul. 2024.

Resumo

Neste artigo, investiga-se como a formação e o trabalho docente são tratados nas proposições da UNESCO sobre tecnologias e aprendizagens móveis. Discorre-se sobre alguns documentos publicados durante a pandemia de Covid-19, porém o foco das análises se dá em documentos elaborados em 2012 e 2014. A investigação apoia-se teoricamente na noção de governamentalidade de Michel Foucault e nas discussões de Stephen Ball relacionadas a essa mesma noção no contexto do neoliberalismo contemporâneo. Analiticamente, descreve-se como a UNESCO propõe as tecnologias e as aprendizagens móveis como importantes ferramentas para transformar a educação, defendendo sua utilização na formação e no trabalho docentes, especialmente em países pobres e em desenvolvimento. A seguir, problematiza-se quem financia os documentos analisados, quais são os possíveis interesses dos financiadores e as questões de mercado as quais tal financiamento pode estar relacionado. Conclui-se apontando as proposições descritas como parte de mecanismos de controle da conduta a favor e fazendo parte de mentalidades contemporâneas pautadas no neoliberalismo de mercado.

https://doi.org/10.20396/etd.v24i1.8665923
PDF

Referências

BALL, S. J. Diretrizes políticas globais e relações políticas locais em Educação. Currículo sem Fronteiras, v. 1, n. 2, p. 99-116, jul./dez. 2001. Disponível em: https://www.curriculosemfronteiras.org/vol1iss2articles/ball.pdf. Acesso em: 21 nov. 2020.

BALL, S. J. Educação Global S. A.: novas redes de políticas e o imaginário neoliberal. Ponta Grossa: UEPG, 2014.

BANCO MUNDIAL. Estrategia sectorial de educación. Washington, D.C.: Grupo del Banco Mundial, 2000. Disponível em: https://documents1.worldbank.org/curated/en/469761468150873366/pdf/196310SPANISH0BOX0338884B.pdf. Acesso em: 06 ago. 2021.

BARDIN, L. Análise de Conteúdo. São Paulo: Edições 70, 2011.

CARVALHO, C. R. As tecnologias móveis na escola e o trabalho docente. 2017. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual Paulista, Faculdade de Ciências e Tecnologia, 2017.

CASTIONI, R.; MELO, A. A. S.; NASCIMENTO, P. M. Universidades federais na pandemia da Covid-19. Ensaio, v. 29, n. 111, abr./jun. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/s0104-40362021002903108.

COSTA, S. S G. Governamentalidade neoliberal, Teoria do Capital Humano e Empreendedorismo. Educação e Realidade, v. 34, n. 2, p. 171-186, mai./ago. 2009. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/educacaoerealidade/article/view/8299/5537. Acesso em: 06 ago. 2021.

EVANGELISTA, R. M. F. As políticas de tecnologias móveis na educação: técnicas de governamento dos outros e de si. 2017. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L.; RABINOW, P. (Orgs.). Michel Foucault: Uma trajetória filosófica. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995.

FOUCAULT, M. O nascimento da biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

FOUCAULT, M. Segurança, território, população. São Paulo: Martins Fontes. 2008a.

GENTILLI, P. Neoliberalismo e Educação: manual do usuário. In: GENTILLI, P.; SILVA, T. T. (Org.). Escola S.A. Brasília: CNTE, 1994.

HYPÓLITO, A. M. Políticas curriculares, estado e regulação. Educação e Sociedade, v. 31, n. 113, p. 1337-1354, out./dez. 2010. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302010000400015.

LIMA, G. P. C; MENDES, C. L. Currículo, avaliação e a constituição do sujeito docente. Práxis Educativa, v. 11, n. 3, set./dez. 2016, p. 714-735. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.11i3.0011.

MAINARDES, J. Abordagem do ciclo de políticas públicas: uma contribuição para a análise das políticas educacionais. Educação e Sociedade, Campinas, v. 27, n. 94, p. 47-69, jan./abr. 2006. DOI: https://doi.org/10.1590/S0101-73302006000100003.

MAUÉS O. C.; BASTOS R. S. As políticas de educação superior na esteira dos organismos internacionais. RBPAE, v. 32, n. 3, set./dez. 2016, p. 699-717. DOI: DOI: https://doi.org/10.21573/vol32.

PAPADOPOULOS, G. Education 1960-1990: the OECD perspective. Paris: OECD, 1994. Disponível em: http://hdl.voced.edu.au/10707/44807. Acesso em: 06 ago. 2021.

PEREIRA, D. O. A formação docente no contexto da universidade aberta do Brasil. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Ouro Preto, 2017.

REZENDE, M. J. Justiça escolar e justiça diferencialista nos documentos adotados por órgãos das nações unidas (pnud e unesco). Lua Nova, n. 108, 121-135, 2019. DOI: http://dx.doi.org/10.1590/0102-121135/108.

RIBEIRO, G. F. Afinal, o que a organização mundial do comércio tem a ver com a educação superior? Revista Brasileira de Política Internacional, n. 49, v. 2, 2006, p. 137-156. Disponível em: https://www.scielo.br/pdf/rbpi/v49n2/a08v49n2.pdf. Acesso em: 13 nov. 2020.

SEGATA, J. A colonização digital do isolamento. Cadernos de Campo, v. 29, n. 1, p. 163-171, 2020. DOI: https://doi.org/10.11606/issn.2316-9133.v29i1p163-171.

SHAMIR, R. The age of responsibilization: on market-embedded morality. Economy and Society, v. 37, n. 1, p. 1-19, fev. 2008. DOI: 10.1080/03085140701760833.

UNESCO. Mobile Learning for teacher: global themes. Paris: UNESCO, 2012. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002164/216452E.pdf. Acesso em: 16 nov. 2020.

UNESCO. Turning on mobile learning in latin america. Paris: UNESCO, 2012a. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0021/002160/216080E.pdf. Acesso em: 14 nov. 2020.

UNESCO. O futuro da aprendizagem móvel. Brasília: UNESCO, 2014.

UNESCO. Diretrizes de políticas para aprendizagem móvel. Brasília: UNESCO, 2014a.

UNESCO. Tecnologias para a transformação da educação. Brasília: UNESCO, 2014b.

UNESCO. Five steps to support education for all in the time of COVID-19. Paris: UNESCO, 2020. Disponível em: http://www.iiep.unesco.org/en/maintain-operational-capacities-during-school-closures. Acesso em: 16 nov. 2020.

UNESCO. Informe de seguimiento de la educación en el mundo 2020: inclusión y educación: todos e todas sin excepción. Paris: UNESCO, 2020a.

UNESCO. Supporting learning recoveryone year into COVID-19: The Global Education Coalition in action. Paris: UNESCO, 2021. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000376061. Acesso em: 20 maio 2021.

UNESCO; UNICEF; BM; WFP. Marco de ação e recomendações para a reabertura de escolas. Abr. 2020. Disponível em: https://www.unicef.org/brazil/media/8761/file/marco-de-acao-e-recomendacoes-para-a-reabertura-de-escolas.pdf. Acesso em: 15 nov. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-NoDerivatives 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 ETD - Educação Temática Digital

Downloads

Não há dados estatísticos.