Educação bilíngue para surdos: um olhar a partir da trajetória de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais

Autores

  • Diléia Aparecida Martins Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Vera Lúcia de Carvalho Machado Pontifícia Universidade Católica de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v11i1.924

Palavras-chave:

Intérprete de Língua Brasileira de Sinais. Educação bilíngüe para surdos. Inclusão. Educação superior.

Resumo

O presente trabalho reflete à educação bilíngüe para estudantes surdos na educação superior, especialmente a trajetória de formação do intérprete de Língua Brasileira de Sinais. Recupera o histórico da educação da pessoa surda e apresenta os dados de pesquisa realizada com intérpretes de Libras que atuam no ensino superior, referentes à formação desses profissionais. A partir da resposta dos sujeitos observa-se, que os profissionais amparam-se em conhecimentos apropriados no decorrer de sua formação humana, a partir de sua disposição social e de seu acesso às produções simbólicas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Diléia Aparecida Martins, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Professora de Sala de Recursos para alunos Surdos Prefeitura Municipal de Campinas; Docente de curso graduação e especialização em Libras e Educação de Surdos Atualize/Faculdades Integradas Unibem e Instituto de Educação Superior de Campinas; Pedagoga da Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Vera Lúcia de Carvalho Machado, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Coordenadora e Docente do Programa de Pós-graduação em Educação; Docente da Faculdade de Educação da PUC Campinas.

Referências

BOURDIEU, P. O capital social: notas provisórias. In: BOURDIEU, P. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

BRASIL. Decreto 5.626, de dezembro de 2005. Regulamenta a Lei no 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe sobre a Língua Brasileira de Sinais - Libras, e o art. 18 da Lei no 10.098, de 19 de dezembro de 2000.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 20 de dez. 1996.

BRASIL. Secretaria de Educação Especial. Números da Educação Especial no Brasil. Brasília: SEESP, 2006.

BRITO, L. F. (Org.) Língua Brasileira de Sinais. Brasília: SEESP, 1997. (Série Atualidades Pedagógicas, n. 4, v. 3).

CERETTA, L.; FERNANDES, S. Ingresso e permanência dos estudantes surdos nas IES. In: SEMINÁRIO SOBRE INCLUSÃO NO ENSINO SUPERIOR: TRAJETÓRIA DO ESTUDANTE SURDO, 1., 2008, Londrina. Seminário sobre inclusão no ensino superior: trajetória do estudante surdo. Londrina: Universidade Estadual de Londrina, 2008. Disponível em: http://www.uel.br/eventos/seminariosurdez/pages/arquivos/palestra_mesa_02_01.pdf. Acesso em: 13 de maio de 2008.

CERETTA, L. Reflexões sobre o perfil e expectativas dos participantes do Prolibras no Estado do Paraná. Revista Educação Especial, Santa Maria, n. 30, 2008. Disponível em: http://coralx.ufsm.br/revce/ceesp/2007/02/r6.htm. Acesso em: 10 de fev. 2009.

CHAUÍ, M. Cidadania Cultural o direito à cultura. São Paulo, SP: Fundação Perseu Abramo, 2006.

CHAUÍ, M. Convite à Filosofia. São Paulo, SP: Ática, 2000.

CHAUÍ, M. Escritos sobre a universidade. São Paulo, SP: UNESP, 2001.

DELISLE, J. ; WOODSWORTH, J. Tradutores na História. São Paulo, sp: Ática, 1998.

FRANCO, M.; ROCHA, M. Surdez e educação superior: que espaço é esse? In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED:, 31., 2008, Caxambú. Constituição brasileira, direitos humanos e educação. Caxambú: ANPED, 2008. Disponível em http://www.anped.org.br/reunioes/31ra/1trabalho/GT15-4625--Int.pdf. Acesso em 20 de outubro de 2008.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. São Paulo, SP: Atlas, 1999.

LACERDA, C. B. F. A inclusão escolar de alunos surdos: o que dizem alunos, professores e intérpretes sobre esta experiência. Caderno CEDES, São Paulo, v. 1, n.1; Campinas, n. 69, v. 26, p.163-184, maio/ago. 2006.

LACERDA, C. B. F. A prática pedagógica mediada (também) pela língua de sinais: trabalhando com sujeitos surdos. Cadernos CEDES, Campinas, n. 50, p. 70-83, 2000.

LACERDA, C. B. F. O intérprete educacional de língua de sinais no Ensino Fundamental: refletindo sobre limites e possibilidades. In: LODI, A. C. B et al. (Org.). Letramento e minorias. Porto Alegre: Mediação, 2002.

LEITE, E. M. C. Os papéis do intérprete de Libras na sala de aula inclusiva. 2004. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Letras, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2004.

LIMA, E. Discurso e identidade: um olhar crítico sobre a atuação do(a) intérprete de Libras na Educação Superior. 2006. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Lingüística do Departamento de Lingüística, Línguas Clássicas e Vernácula, da Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

PEREIRA, M. C. C. Leitura, escrita e surdez. São Paulo, SP: Governo do Estado de São Paulo, 2006.

PEREIRA, M. C. C. Aquisição de Língua Portuguesa por aprendizes surdos. In: SEMINÁRIO SURDEZ: DESAFIOS PARA O PRÓXIMO MILÊNIO, 2000, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: INES, 2000. p. 95-100.

PEREIRA, M. C. C. Bilinguismo e aquisição da línguagem por crianças surdas. In: MENDES, E. G.; ALMEIDA, M. A.; WILLIAMS, L. C. A. (Org.). Temas em educação especial: avanços recentes. São Carlos: EdUFSCar, 2004. p. 43-48.

QUADROS, R. M. O tradutor e intérprete de Língua Brasileira de Sinais e Língua Portuguesa. Brasília: SEESP/MEC, 2004.

QUADROS, R. M. Políticas lingüísticas e educação de surdos em Santa Catarina: espaço de negociações. Caderno CEDES, São Paulo, v. 1, n. 1 São Paulo; Campinas, n. 69, v. 26, p.141-161, maio/ago. 2006.

QUADROS, R. M.; HEBERLE, V. Curso de letras/licenciatura com habilitação em língua brasileira de sinais: inclusão nas universidades públicas brasileiras In: MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO. Desafios da educação a distância na formação de professores. Brasília: Ministério da Educação; Governo Federal, 2006. p. 87-92. (v.1).

RAMOS, C. Língua de sinais e literatura: uma proposta de trabalho de tradução cultural para surdos. 2001. Tese (Doutorado em Letras) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2001.

ROCHA, S. M. Histórico do Instituto Nacional de Educação de Surdos. Rio de Janeiro: Instituto Nacional de Educação de surdos, 2006. (Informativo Técnico Científico).

ROSA, A. Entre a visibilidade da tradução da língua de sinais e a invisibilidade da tarefa do intérprete. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

ROSSI, C. R. O impacto da atuação do intérprete de LBS no contexto de uma escola pública para ouvintes. 2005. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2005.

SANTOS, S. A. dos S. A constituição da identidade do profissional intérprete de língua de sinais no ensino superior. 2004. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Santa Catarina, 2004.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO – UNESCO. Declaração de Salamanca e enquadramento da ação: necessidades educativas especiais. Salamanca: [s.n.], 1994.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO – UNESCO. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendizagem. Jointiem: [s.n], 1990.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. Trad. Luís José Cipolla Neto. 5. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1994.

VYGOTSKY, L. S. Obras escogidas V: fundamentos de defectología. Madrid: Visor, 1983.

Downloads

Publicado

2009-12-23

Como Citar

MARTINS, D. A.; MACHADO, V. L. de C. Educação bilíngue para surdos: um olhar a partir da trajetória de intérpretes de Língua Brasileira de Sinais. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 11, n. 1, p. 234–254, 2009. DOI: 10.20396/etd.v11i1.924. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/924. Acesso em: 8 maio. 2021.