Preconceito e educação a distância: atitudes de estudantes universitários sobre os cursos de graduação na modalidade a distância

  • Stevan de Camargo Corrêa Universidade de Brasília
  • Larissa Medeiros Marinho dos Santos Universidade de Brasília
Palavras-chave: Educação a distância. Preconceito. Cursos de graduação. Universidade.

Resumo

A educação a distância constitui uma modalidade de ensino-aprendizagem ainda considerada nova e a cada dia mais atual. Hoje a educação a distância utiliza novas tecnologias da informação e se torna mais difundida a cada ano, tendo dentre seus objetivos tornar o processo educacional mais inclusivo. A nova legislação e o crescimento da oferta de cursos a distância, inclusive de graduação, faz com que sejam necessárias mais pesquisas sobre essa modalidade. Uma das maiores barreiras para a implementação de cursos de graduação na modalidade semi-presencial (a distância) é o preconceito que se diz existir contra a EaD. Com o objetivo de identificar se existem atitudes preconceituosas da população acadêmica em relação a EaD foram realizados 90 questionários, com questões abertas e fechadas, focando a cognição e afetividade, com estudantes de cursos presenciais da Universidade de Brasília. Os resultados foram analisados de forma qualitativa, sendo identificada uma atitude geral de preconceito contra a EaD dentro do ambiente acadêmico estudado, apresentada principalmente sob um ceticismo quanto a qualidade dos cursos na formação do estudante, sentimento justificado pela percepção de uma falta de formação específica dos educadores para a atuação na modalidade e a má utilização dos recursos de informática disponíveis. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Stevan de Camargo Corrêa, Universidade de Brasília

Biólogo; Especialista em Educação a Distância; MSc. em Gestão Ambiental pela Universidade de Brasília; Supervisor do Curso de Licenciatura em Biologia a Distância da Universidade de Brasília

Larissa Medeiros Marinho dos Santos, Universidade de Brasília

Doutora em Psicologia pela Universidade de Brasília; Professora Pesquisadora do Programa Universidade Aberta do Brasil/Universidade de Brasília; Coordenadora do Núcleo de Formação de Professores e Produção de Material do Núcleo UAB/UnB

Referências

ALVES, L. R. G.; NOVA, C. C.; LAGO, A. Nos bastidores do ensino online: do planejamento à avaliação. Comunicação e Educação, n.16, 2003.

ALLPORT, G. The nature of prejudice. Cambridge: Addison-Wesley, 1954.

BELLONI, M. L. Educação a distância mais aprendizagem aberta. In: REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 21., 1998, Caxambu. Anais...Caxambu: ANPED, 1998.

BORUCHOVITCH, E.; SCHALL, V. T. The use of questionnaire in health educational research; advantagens and disvantages of open-ended questions and their implications for health research methodology. Revista Ciência e Cultura, São Paulo, v. 51, n. 1, p. 12-15, 1999.

BRASIL. Decreto n. 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 19 de dezembro de 2005

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, 23 de dezembro de 1996.

BRECKLER, S. J. Empirical validation of affect, behavior, and cognition as distinct components of attitude. Journal of Personality and Social Psychology, v. 47, n. 6, p.1191- 1205, Dec. 1984.

BRETTAS, L. A. et al. Attitudes and attitude change. Annual Review of Psychology, California, v. 38, p.575-630, 1987.

CONCEIÇÃO, M. C.; VASCONCELOS, J. S. Educação a distância na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. [s.l.]: [s.n.], 2008.

CROCHÍK, J. L. Preconceito: indivíduo e cultura. São Paulo, SP: Robe Editorial, 1995.

CROCHÍK, J. L. et al. Preconceito e atitudes em relação à educação inclusiva. Psicol. Argum., Curitiba, v. 24, n. 46, p. 55-70, jul./set. 2006.

FUJITA, O. M. Do presencial tradicional ao virtual: planejamento e mudanças de postura. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE EDUCAÇÃO A DIST NCIA, 13., 2007, Curitiba. Anais... Curitiba: [s.n.], 2007.

GUERRA, P. B. Psicologia social dos estereótipos. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 7, n. 2, p. 239-240, jul./dez. 2002.

HAVICE, W. L. College students’ attitudes toward oral lectures and integrated media presentations. The Journal of Technology Studies, v. 25, n. 1, p.51-55, 1999.

INMAN, E.; KERWIN, M.; MAYES, L. Instructor and student attitudes toward distance learning. Community College Journal of Research and Practice, v.23, p.581-591, 1999.

LAVINE, H. et al. On the Primacy of Affect in the Determination of Attitudes and Behavior: The Moderating Role of Affective-Cognitive Ambivalence. Journal of Experimental Social Psychology, v. 34, p.398-421, 1998.

LOBO NETO, F. J. S. 500 Anos de Educação - Brasil Império: faltou unir o discurso e a prática. Educação Revista da Associação Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 32, n. 100, p. 12-16, 2000.

LUCENA, M. Nem toda criança gosta de computador. Disponível em http://www.sigaseusonho.com.br/cont_deta.asp?cont_id=2082&menu_id=32&submenu_id=

&tipo=D. Acesso em: jul. 2008.

MACHADO, F. B.; MIRANDA, L. L. O uso do construtivismo e da afetividade nas metodologias de ensino à distância. Rio de Janeiro: Departamento de Psicologia Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, 2006.

MARQUES, M. R. A.; VASCONCELOS, J. S. O professor pedagogo e licenciado nos projetos de educação a distância da faculdade de educação da Universidade Federal de Uberlândia – UFU. Educação e Filosofia, v.18, n. 35136, p.331-351, jan./dez. 2004.

MARTINS, L. R. R. Educação superior a distância no Brasil: uma construção consorciada e em rede. Liinc em Revista, v.2, n.1, p.86-102, mar. 2006. Disponível em: http://www.ibict.br/liinc/viewarticle.php?id=27&layout=abstract. Acesso em: ago. 2008.

MARTINS, M. M. Reflexões sobre preconceito – em busca de relações mais humanas.

InterAÇÃO, Curitiba, v. 2, p. 9-27, jan./dez. 1998.

MCGREAL, R. Comparison of the attitudes of learners taking audio graphic teleconferencing courses in secondary schools in northern Ontario. Interpersonal Computing and Technology, v.2, n.4, p.11-23, 1994.

MORAES, G., RODRIGUES, L.; GUELPELI, M. Uso de Software de Autoria como ferramenta para desenvolvimento de conteúdos digitais: Aplicação em Plataformas Educacionais-TELEDUC. In: TALLER INTERNACIONAL DE SOFTWARE EDUCATIVO –TISE 2005, 10., 2005, Santiago do Chile. Nuevas ideas en informática educativa: memorias del X Taller Internacional de Software Educativo (TISE). Santiago de Chile: [s.n.], 2005. p.139-144.

MORAN, J. M. Ensino e aprendizagem inovadores com tecnologias audiovisuais e telemáticas. In: MORAN, J. M.; MASETTO, M. T; BEHRENS, M. A. Novas tecnologias e mediação pedagógica. 14. ed. Campinas: Papirus, 2008.

PEREIRA, C.; TORRES, A. R. R.; ALMEIDA, S. T. Um estudo do preconceito na perspectiva das representações sociais: análise da influência de um discurso justificador da discriminação no preconceito racial. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.16, n.1, p. 95-107, 2003.

PETTY, R. E.,WEGENER, D. T. e FABRIGAR, L. R. Attitudes and attitude change. Annu. Rev. Psychol., v. 48, n. 609, 1997.

PEREIRA FILHO, O. Ensino de engenharia: superando o abismo de mútua incompreensão. Disponível em: http://www.educeng.ufjf.br/Pdf/eee43.pdf. Acesso em: jun. 2009.

PRIMO, A. F. T et al. Televisão interativa: um meio de comunicação democrático. Sociedade em Debate, Pelotas, v.1, n.1, p.5-15, nov. 1995.

RICCIO, N. C. R. Educação a distância: uma alternativa para a UFBA? Disponível em:

http://www.proged.ufba.br/ead/EAD%20125-132.pdf. Acesso em: jun. 2008.

SALGADO, M. U. C. Educação a Distância na universidade do século XXI: PGM 3 – Texto 1 – Orientação acadêmica e tutoria nos cursos de graduação a distância. 2003. Disponível em: http://www.tvebrasil.com.br/salto/boletins2003/edu/tetxt3.htm. Acesso em: jun. 2009.

SANTAROSA, L. M. C. Inclusão digital: espaço possível para pessoas com necessidades educativas especiais. Cadernos, n. 20, 2002.

SCHOENHERR, O. A. T. Cursos on-line no ensino/aprendizagem da língua estrangeira. 2001. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de pós- graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2001.

SILVA, E. L. Os fluxos informacionais na EaD: contribuições de um estudo de caso baiano. 2003. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal de Santa Catarina, Programa de Pós-Graduação em Engenharia de Produção, Florianópolis, 2003.

SILVINO, A. M. D.; ABRAHÃO, J. I. Navegabilidade e Inclusão Digital: Usabilidade e Competência. RAE-eletrônica, v.2, n.2, jul-dez. 2003.

STEIL, A. V.; PILLON, A. E.; KERN, V. M. Atitudes com relação à educação a distância em uma universidade. Psicologia em Estudo, Maringá, v. 10, n. 2, p. 253-262, mai./ago. 2005.

TAYLOR, J. C. Fifth generation distance education. In: ICDE WORLD CONFERENCE, 20., 2001, Düsseldorf. Proceedings... Düsseldorf: [s.n.], 2001.

VASCONCELOS, J. S. A educação a distância na Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Uberlândia: [s.n.], 2002.

VASCONCELOS, T. C. et al. Preconceito e intenção em manter contato social: evidências acerca dos valores humanos. Psico-USF, Bragança Paulista, v. 9, n. 2, p. 147-154, jul./dez. 2004

VERGARA, S. Projetos e relatórios de pesquisa em Administração. 4. ed. São Paulo, SP: Atlas, 2003.

Publicado
2009-12-23
Como Citar
Corrêa, S. de C., & Santos, L. M. M. dos. (2009). Preconceito e educação a distância: atitudes de estudantes universitários sobre os cursos de graduação na modalidade a distância. ETD - Educação Temática Digital, 11(1), 273-297. https://doi.org/10.20396/etd.v11i1.926