Motivação para a aprendizagem escolar e estilos criativos

Autores

  • Luciana Gurgel Guida Siqueira Pontifícia Universidade Católica de Campinas
  • Solange Muglia Wechsler Pontifícia Universidade Católica de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..938

Palavras-chave:

Motivação. Criatividade. Estilos. Aprendizagem. Cognição.

Resumo

Considerando a relevância da motivação e da criatividade sobre a aprendizagem e a escassez de estudos brasileiros sobre estes importantes fenômenos, este estudo teve por objetivo investigar a relação entre a motivação para aprender e os estilos de pensar e criar. A amostra foi composta por 190 estudantes do Ensino Médio, 125 mulheres e 65 homens, idade média de 15 anos, residindo em diferentes cidades paulistas. Os instrumentos utilizados foram as escalas “Motivação para a Aprendizagem Escolar” e “Estilos de Pensar e Criar”. A correlação de Pearson utilizada para comparar os fatores das duas escalas apontou relações significativas entre os fatores de motivação relacionados com o envolvimento e persistência nas atividades, o sentimento de competência e valorização das atividades com várias dimensões dos estilos de pensar e criar. Os resultados indicaram a proximidade dos conceitos de motivação e criatividade, demonstrando a necessidade de maior aprofundamento de estudos sobre estes complexos fenômenos de modo a oferecer informações relevantes para a educação e a aprendizagem escolar. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luciana Gurgel Guida Siqueira, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Psicóloga, mestre em Psicologia Escolar e doutora em Psicologia pela Pontifica Universidade Católica de Campinas, atualmente professora do curso de Psicologia da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Possui publicações na área de avaliação, estilos e motivação.

Solange Muglia Wechsler, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Psicóloga, mestre e doutora pela University of Georgia (EUA) e pós-doutorado na University of Buffalo e no Torrance Center of Creative Studies. Atua como professora do curso de pós-graduação da Pontifícia Universidade Católica de Campinas. Possui inúmeras publicações na área da criatividade, inteligência, estilos, avaliação psicológica e superdotação.

Referências

AMABILE, T. M. Entrepreneural creativity through motivational synergy. The Journal of Creative Behavior, Buffalo, v. 31, n. 1, p.18-26, 1997.

AMABILE, T. M. Motivation and creativity: effects of motivational orientation on creative writers. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 48, n. 2, p. 393-399, 1985.

AMABILE, T. M. et al. The work preference inventory: assessing intrinsic and extrinsic motivational orientations. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 66, p. 950-967, 1994.

BORUCHOVITCH, E.; MARTINI, M. L. As atribuições de causalidade para o sucesso e o fracasso escolar e a motivação para a aprendizagem de crianças brasileiras. Arquivos Brasileiros de Psicologia, Rio de Janeiro, v. 49, n. 3, p. 59-71, 1997.

BZUNECK, J. A. A motivação do aluno: aspectos introdutórios. In: BORUCHOVITCH, E.; BZUNECK, J. A. (Org.) Motivação do aluno. 2. ed. Petrópolis: Vozes, 2002. p.9-36.

CHIU, L. H. Development and validation of the school achievement motivation rating scale. Educational and Psychological Measurement, California, v.57, n. 2, p. 292-305, 1997.

COLLINS, M. A.; AMABILE, T. M. Motivation and creativity. In: STENBERG, R. (Ed.) Handbook of creativity. United State: Cambridge University Press, 1999. p. 297-312.

CONTI, R.; AMABILE, T. M.; POLLACK, S. The positive impact of creative activity: effects of creative task engagement and motivational focus on college student`s learning. Personality and Social Psychology Bulletin, California, v. 21, n. 10, p. 1107-1116, 1995.

CSIKSZENTMIHALYI, M. Creativity – flow and the psychology of discovery and invention. New York: Harpers Collins Publishers, 1996. 456p.

DECI, E. L. et al. Effects of performance standards on teaching styles: behavior of controlling teachers. Journal of Educational Psychology, v. 74, n. 6, p. 852-859, 1982.

DECI, E. L. et al. Motivation and education: the self determination perspective. Educational Psychologist, Philadelphia, v.26, v. 3 e 4, p. 325-346, 1991.

DECI, E. L.; RYAN, R. M. Intrinsic motivation and self determination in human behavior. New York. Plenum Press, 1985a. 371p.

DECI, E. L.; RYAN, R. M.The general causality orientations scale: self determination in personality. Journal of Research in Personality, v.19, p. 109-134, 1985b.

DUNN, R; DUNN, K.; PRICE, G. E Learning style inventory. Lawrence, KS: Price System, 1984.

EISENBERGER, R..; SELBST, M. Does reward increase or decrease creativity? Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 66, p.1116-1127, 1994.

EISENBERGER, R.; RHOADES, L. Incremental effects of reward on creativity. Journal of Personality and Social Psychology, Washington, v. 81, p. 728-741, 2001.

GARDNER, H. Mentes que criam: uma anatomia da criatividade observada através das vidas de Freud, Einstein, Picasso, Stravinsky, Eliot, Graham e Gandhi. Porto Alegre: Artes Médicas, 1996. 380p.

GARDNER, H. Os Padrões dos criadores. In: BODEN, M. (Org) Dimensões da criatividade. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999. p. 149-163.

GARRIDO, I. Motivacion, emocion y accion educativa. In: MAYOR, L.; TORTOSA, F. (Ed.) mbitos de aplicacion de la psicologia motivacional. Bilbao: Desclee de Brower, 1990. p.264-343.

GOTTFRIED, A. E. Academic intrinsic motivation in elementary and junior high school students. Journal of Educational Psychology, Washington, v.77, n. 6, p.631-645, 1985.

GOTTFRIED, A. E.; FLEMING, J.; GOTTFRIED, A. Continuity of academic intrinsic motivation from childhood through late adolescence: a longitudinal study. Journal of Educational Psychology, Washington, v. 93, n. 1, p. 3-13, 2001.

HARTER, S. A new self report scale of intrinsic versus extrinsic orientation in the classroom: motivational and informational components. Developmental Psychology, Washington, v.17, n. 3, p.300-312, 1981.

KIRTON, M. Adaptors and innovators: a description and measure. Journal of Applied Psychology, Washington, v. 61, n. 5, p. 622-629, 1976.

KIRTON, M. Have adaptors and innovators equal levels of creativity? Psychological Reports, Montana. v. 42, p.695-698, 1978.

KIRTON, M. Adaptors and innovators – styles of creativity and problem solving. New York; London: Routledge, 1994.

KOGAN, N. Stylistc variation in childhood and adolescence: creativity, metaphor and cognitive styles. In: MUSSEN, P.H (Ed.) Handbook of child psychology – Cognitive development. United States. John Wiley & Sons, 1983. (v.3).

KRUGLANSKI, A. W.; FRIEDMAN, I.; ZEEVI, G. The effects of extrinsic incentive on some qualitative aspects of task performance. Journal of Personality, New York, v. 39, p. 606-617, 1971.

LENS, W. Motivation and learning. In: HUSEN, T. ; POSTLETHWAITE, T. N. (Ed.) The international encyclopedia of education. United States: Pergamon, 1994. p. 868-871. (v.7).

LEPPER, M. R. et al. Intrinsic and extrinsic motivation: a developmental perspective. In: LUTHAR, S. S.; BURACK, J. A.; CICCHETTI, D.; WEISZ J. R. (Ed.). Developmental psychopathology – perspectives on adjustment, risk, and disorder. United States: Cambridge University Press, 1997. p. 23-50.

MARQUESI, A. O aluno com pouca motivação para aprender. In: COLL, C.; MARQUESI, A.; PALÁCIOS, J. (Org.) Desenvolvimento psicológico e educação: transtornos de desenvolvimento e necessidade educativas especiais. 2. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 2004. p.129-146. (v.3).

MARTÍNEZ, A. M. Criatividade, personalidade e educação. Campinas: Papirus, 1997. 206p.

MESSICK, S. The matter of style: manifestations of personality in cognition, learning and teaching. Educational Psychologist, v. 29, n. 2, p.121-136, 1994.

MILLON, T. Millon index of personality styles. San Antonio, CA: Psychological Corporation, 1994. 208p.

MITCHELL JR., J. V. Interrelationships and predictive efficacy for indices of intrinsic and extrinsic, and self-assessed motivation for learning. Journal of Research and Development in Education, v.25, n. 3, p.149-155, 1992.

MONREAL, C. Que és la creatividad. Madrid: Biblioteca Nueva, 2000. 294p.

MURRAY, E. J. Motivação e emoção. 5. ed. Rio de Janeiro, RJ: Guanabara-Koogan, 1986. 177p.

PFROMM NETTO, S. Psicologia da aprendizagem e do ensino. São Paulo: EPU, 1987.160p.

PINTRICH, P. R.; SCHUNK, D.H. Motivation in education: theory, research and applications. 2. ed. New Jersey: Merril Prentice Hall, 2002. 460p.

REEVE, J.; SICKENIUS, B. Development and validation of a brief measure of the three psychological needs underlying intrinsic motivation: the AFS scales. Educational and Psychological Measurement, California, v.54, p.506-515, 1994.

RYAN, R. M.; DECI, E. L. Self-Determination theory and the facilitation of intrinsic motivation, social development and well being. American Psychologist, v. 55, n. 1, p. 68-78, 2000.

SIQUEIRA, L. G. G. Motivação para a aprendizagem escolar. In: SCHELINI, P. W. Alguns domínios da avaliação psicológica. 1a. Edição.Campinas, SP: Alínea, 2007. p. 59-87.

SIQUEIRA, L. G. G. Motivação para a aprendizagem escolar: construção e validação de instrumento. 2005. 228 fl. Tese (Doutorado em Psicologia) - Faculdade de Psicologia, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2005

SIQUEIRA, L. G. G.; WECHSLER, S. M. Motivação para a aprendizagem escolar: possibilidade de medida. Avaliação Psicológica, São Paulo, v.5, p.21-31, 2006.

STERNBERG, R. J.; LUBART, T. I. An investment theory of creativity and its development. Human Development, Basel, Switzerland, v. 34, n. 1, p. 1-32, 1991.

STERNBERG, R. J.; GRIGORENKO, E .L. Are cognitive styles still in style? American Psychologist, Washington, v. 52, n. 7, 700-712, 1997.

TIEDEMANN, J. Measures of cognitive style: a critical review. Educational Psychologist, Philadelphia, v. 24, n. 2, p. 261-275, 1989.

TORRANCE, P. Hemisphericity and creative functioning. Journal of Research and Development in Education, Georgia, v. 15, n. 3, p. 72-78, 1982.

TORRANCE, P. Why fly? A philosophy of creativity. New Jersey: Ablex Publishing Corporation, 1995. 325p.

TORRANCE, P.; SAFTER, P.T. Making the creative leap beyond. Buffalo; New York: Creative Education Foundation, 1999. 277p.

VALLERAND, R. J. et al. The academic motivation scale: a measure of intrinsic, extrinsic and motivation in education. Educational and Psychological Measurement, Califórnia, 52, 1003-1017, 1992.

WECHSLER, S. M. Age and gender impact on thinking and creating styles. European Journal of Education and Psychology, Espanha, v. 2, n. 1, p. 37 - 48, 2009b.

WECHSLER, S. M. Avaliação da criatividade por figuras e palavras: testes de Torrance –Versão Brasileira. Campinas: Impressão Digital do Brasil Gráfica e Editora, 2002a. 446p.

WECHSLER, S. M. Criatividade e desempenho escolar: uma síntese necessária. Linhas Críticas, Brasília, v.8, n. 15, 179-188, 2002b.

WECHSLER, S. M. Educação criativa: possibilidades para descobertas. In: CASTANHO, S.; CASTANHO, M. E. (Org.). Temas e textos em metodologia do ensino superior. Campinas: Papirus, 2001, p.165-170

WECHSLER, S. M. Estilos de pensar e criar. Campinas: Impressão Digital do Brasil, 2006. 118p.

WECHSLER, S. M. Criatividade descobrindo e encorajando. 3. ed. São Paulo, SP: LAMP/ PUC- Campinas, 2008.

WECHSLER, S. M. Estilos de pensar e criar: implicações para liderança. In: GIGLIO, Z. G.; WECHSLER, S. M.; BRAGOTTO, D. Da criatividade à inovação. Campinas: Papirus, 2009a. p. 39-59.

Downloads

Publicado

2009-11-06

Como Citar

Siqueira, L. G. G., & Wechsler, S. M. (2009). Motivação para a aprendizagem escolar e estilos criativos. ETD - Educação Temática Digital, 10, 124–146. https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp.938