Banner Portal
Avaliação da autoeficácia acadêmica em alunos da educação de jovens e adultos
PDF

Palavras-chave

Avaliação. Autoeficácia. Estudantes.

Como Citar

CALIATTO, Susana Gakyia; MARTINELLI, Selma de Cássia. Avaliação da autoeficácia acadêmica em alunos da educação de jovens e adultos. ETD - Educação Temática Digital, Campinas, SP, v. 10, p. 187–203, 2009. DOI: 10.20396/etd.v10in.esp.941. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/etd/article/view/941. Acesso em: 19 abr. 2024.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo verificar a autoeficácia de alunos da Educação de Jovens e Adultos do segundo ciclo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Participaram 50 alunos de ambos os sexos, que cursavam o Telecurso 2000, de uma cidade do Estado de São Paulo. O instrumento utilizado para coleta de dados foi uma escala especificamente construída para esse fim e que avalia a percepção do estudante quanto ao próprio desempenho acadêmico e o quanto se sente capaz de realizar tarefas escolares. O teste de Mann-Whitney U revelou não existirem diferenças significativas entre a autoeficácia declarada dos estudantes, dos dois níveis de ensino para o estudo, para o desempenho e para a autoeficácia geral. Com relação ao sexo, independente do nível de ensino cursado, o teste revelou que as diferenças também não foram significativas para nenhuma das medidas de autoeficácia. 

https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..941
PDF

Referências

BAESSLER, J.; SCHWARCER, R. Evaluación de la autoeficacia: adaptación española de la escala de autoeficacia general. Ansiedad y Estrés, v. 2, p. 1-8, 1996.

BAESSLER, J. Perceived self- efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, v. 28. n. 2, p. 117-148, 1993.

BANDURA, A. Self-efficacy: the exercise of control. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1997.

BANDURA, A. Self-efficacy: toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, v. 84, p. 191-215, 1977b.

BANDURA, A. Self-efficacy in changing societies. New York: Cambridge University Press, 1995.

BANDURA, A. Social cognitive theory: an Agentic perspective. Annual review of psychology, Palo Alto, v. 52, p. 1-26, 2001.

BANDURA, A. Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall; Barcelona: Martínez Roca, 1986. (Pensamiento y acción - Fundamentos socials).

BANDURA, A. Social learning theory. Englewood Cliffs. New Jersey: Prentice- Hall, 1977(a).

BANDURA, A.; SCHUNK, D. Cultivating competence, self-efficacy, and intrinsic interest through proximal self motivation. Journal of Personality and Social Psychology, v. 41, p. 587-598, 1981.

BAPTISTA, M. N.; SANTOS, K. M., DIAS, R. R. Auto-eficácia, lócus de controle e depressão em mulheres com câncer de mama. Psicologia Argumento, v. 24, n. 44, p. 27, 2006.

BONG, M. Tests of the internal/external frames of reference model with subject-specific academic self-efficacy and frame-specific academic self-concepts. Journal of Educational Psychology, v. 90, n. 1, p. 102-110, 1998.

BZUNECK, J. A. O esforço nas aprendizagens escolares: mais do que um problema motivacional no aluno. Revista Educação e Ensino, v.6, n.1. 07-18. jan./jun. 2001.

CALIATTO, S. G.; MARTINELLI, S. C. Avaliação da escrita em jovens e adultos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 89, p. 273-294, 2008.

CHEN, G.; GULLY, S. M.; EDEN, D. Validation of a new general self-efficacy scale. Organizational Research Methods, v. 4, p. 62-83, 2001.

COSTA, A. F. Alfabetização de jovens e adultos e mudança social: uma abordagem discursiva para o fenômeno do analfabetismo. In: MAGALHÃES, I.; LEAL, M.C. (Org.). Discurso, gênero e educação. Brasília: Plano Editora, 2003. p.99-136.

CUPANI, M., PÉREZ, E. R. Metas de elección de carrera: contribución de los interesses vocacionales: la autoeficacia y los rasgos de personalidad. Interdisciplinaria, v. 23, n. 1, p. 81-100, 2006.

DIAS, G. F.; AZEVEDO, M. Componentes motivacionais no adiamento do estudo e desempenho acadêmico. In: IV SEMINÁRIO DE INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO ENSINO SUPERIOR, 2001, Algarve. Anais... Algarve: Universidade Nova de Lisboa, 2001.

FREIRE, P. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. 31. ed. São Paulo, SP: Cortez, 1995.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 22. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, M.; ROMÃO J. E. (Org.) Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 2. ed. São Paulo; SP: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000. (Guia da Escola Cidadã, v. 5).

INSTITUTO PAULO MONTE NEGRO; AÇÃO EDUCATIVA. III INAF-Indicador nacional de alfabetismo funcional: um diagnóstico para a inclusão social pela educação (Avaliação de leitura e escrita). São Paulo, SP: [s. n.], 2003. 16p. Disponível em: http://www. acaoeducativa.org.br. Acesso em: 10/10/2009.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LEITE, J. C. C.; DRACHLER, M. L.; CENTENO, M. O.; PINHEIRO, C. A. T.; SILVEIRA, V. L. Desenvolvimento de uma escala de auto-eficácia para adesão ao tratamento anti-retroviral. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 1, p. 121-133, 2002.

LENT, R. W.; BROWN, S. D. On conceptualizing and assessing social cognitive constructs in career research: a measurement guide. Journal of Career Assesment, v. 14, n.1, p. 12-35. 2006.

LUSZCZYNSKA, A.; SCHOLZ, U.; SCHWARZER, R. The general self-sfficacy scale: multicultural validation studies. The Journal of Psychology, v.139, n. 5, p. 439-457, 2005.

MARTINELLI, S. C. et al. Children ́s self-efficacy scale: initial psychometric studies. Journal of Psychoeducational Assessment, v. 27, p. 145-156, 2009.

MEDEIROS, P. C. et al. Autoeficácia e os aspectos comportamentais de crianças com dificuldade de aprendizagem. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 13, n. 3, p. 327-336, 2000.

MEDEIROS, P. C. et al. O senso de autoeficácia e o comportamento orientado para aprendizagem em crianças com queixa de dificuldades de aprendizagem. Estudos de Psicologia , v. 8 , n. 1, p. 93-105, 2003.

MELO, B. O. R. A apropriação dos gêneros textuais: concepções, diretrizes e expectativas na alfabetização de jovens e adultos. 2003. Disponível em: http://www.cereja.org.br/. Acesso em: 10/10/2009.

NEVES, S. P.; FARIA, L. Auto-eficácia acadêmica e atribuições causais em português e matemática. Análise Psicológica, v. 4, n.25, p. 635-652, 2007.

NORONHA, A. P. P. ; AMBIEL, R. A. M. Fontes de eficácia e interesses profissionais: relações entre pais e filhos. Evaluar, v. 8, p. 32-45, 2008

PAJARES, F. Relación de la auto-eficacia con constructos de motivación y rendimientos escolares: current directions in self-efficacy research. In: MAEHR, M. PINTRICH P. R. (Org.). Trad. Eduardo Mejía Carbonel. Advances in Motivation and Achievement. Greenwich, CT: JAI Press, 1996. p.1-49. (v.10)

PÉREZ, E.; CUPANI, M.; AYLLÓN, S. Predictores de rendimiento académico en la escuela media: habilidades, autoeficácia y rasgos de personalidad. Avaliação Psicológica, v. 4, n. 1, p. 1-11, 2005.

RABELO D. F.; CARDOSO, C. M. Auto-eficácia, doenças crônicas e incapacidade funcional na velhice. Psico - USF, v. 12, n. 1, p. 75-81, jan./jun., 2007.

ROSÁRIO, P.; MOURÃO, R.; SOARES, S. Trabalho de casa, tarefas escolares, auto- regulação e envolvimento parental. Psicologia em Estudo, Maringá: v.10, n.3, p. 343-351, set./dez., 2005.

SCHUNK, D. H. Inherent details of self-regulated learning include student perceptions. Educational Psychologist, v.30, n. 4, p.213-216, 1995.

STAINBACK, S. Reflexões sobre a diversidade na educação: as raízes do movimento de inclusão. Revista Pátio, Porto Alegre, ano 5, n. 20, p. 15-17, 2002.

SUAREZ, P. S., GARCÍA, A. M. P., MORENO, J. B. Escala de autoeficacia general: dados psicométricos de la adaptación para población española. Psicothema. v. 12, n. 2, p. 509-513, 2000.

YASSUDA, M. S.; LASCA, V. B.; NERI, A. L. Meta-memória e auto-eficácia: um estudo de validação de instrumentos de pesquisa sobre memória e envelhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.18, n.1, p. 78-90, 2005.

A ETD - Educação Temática Digital utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.