Avaliação da autoeficácia acadêmica em alunos da educação de jovens e adultos

Autores

  • Susana Gakyia Caliatto Universidade Estadual de Campinas
  • Selma de Cássia Martinelli Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..941

Palavras-chave:

Avaliação. Autoeficácia. Estudantes.

Resumo

O presente trabalho teve como objetivo verificar a autoeficácia de alunos da Educação de Jovens e Adultos do segundo ciclo do Ensino Fundamental e do Ensino Médio. Participaram 50 alunos de ambos os sexos, que cursavam o Telecurso 2000, de uma cidade do Estado de São Paulo. O instrumento utilizado para coleta de dados foi uma escala especificamente construída para esse fim e que avalia a percepção do estudante quanto ao próprio desempenho acadêmico e o quanto se sente capaz de realizar tarefas escolares. O teste de Mann-Whitney U revelou não existirem diferenças significativas entre a autoeficácia declarada dos estudantes, dos dois níveis de ensino para o estudo, para o desempenho e para a autoeficácia geral. Com relação ao sexo, independente do nível de ensino cursado, o teste revelou que as diferenças também não foram significativas para nenhuma das medidas de autoeficácia. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Susana Gakyia Caliatto, Universidade Estadual de Campinas

Psicóloga, Mestre em EducaçãoDoutoranda do Curso de Educação da Universidade Estadual de Campinas. Professora da Prefeitura Municipal de Amparo.

Selma de Cássia Martinelli, Universidade Estadual de Campinas

Pedagoga, Doutora em Psicologia Educacional pela Faculdade de Educação da Unicamp, Professora da graduação e do Programa Pós-graduação Stricto Sensu em Educação da Universidade Estadual de Campinas, Coordenadora do Grupo de Estudos e Pesquisa em Psicopedagogia.

Referências

BAESSLER, J.; SCHWARCER, R. Evaluación de la autoeficacia: adaptación española de la escala de autoeficacia general. Ansiedad y Estrés, v. 2, p. 1-8, 1996.

BAESSLER, J. Perceived self- efficacy in cognitive development and functioning. Educational Psychologist, v. 28. n. 2, p. 117-148, 1993.

BANDURA, A. Self-efficacy: the exercise of control. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall, 1997.

BANDURA, A. Self-efficacy: toward a unifying theory of behavioral change. Psychological Review, v. 84, p. 191-215, 1977b.

BANDURA, A. Self-efficacy in changing societies. New York: Cambridge University Press, 1995.

BANDURA, A. Social cognitive theory: an Agentic perspective. Annual review of psychology, Palo Alto, v. 52, p. 1-26, 2001.

BANDURA, A. Social foundations of thought and action: a social cognitive theory. Englewood Cliffs, NJ: Prentice Hall; Barcelona: Martínez Roca, 1986. (Pensamiento y acción - Fundamentos socials).

BANDURA, A. Social learning theory. Englewood Cliffs. New Jersey: Prentice- Hall, 1977(a).

BANDURA, A.; SCHUNK, D. Cultivating competence, self-efficacy, and intrinsic interest through proximal self motivation. Journal of Personality and Social Psychology, v. 41, p. 587-598, 1981.

BAPTISTA, M. N.; SANTOS, K. M., DIAS, R. R. Auto-eficácia, lócus de controle e depressão em mulheres com câncer de mama. Psicologia Argumento, v. 24, n. 44, p. 27, 2006.

BONG, M. Tests of the internal/external frames of reference model with subject-specific academic self-efficacy and frame-specific academic self-concepts. Journal of Educational Psychology, v. 90, n. 1, p. 102-110, 1998.

BZUNECK, J. A. O esforço nas aprendizagens escolares: mais do que um problema motivacional no aluno. Revista Educação e Ensino, v.6, n.1. 07-18. jan./jun. 2001.

CALIATTO, S. G.; MARTINELLI, S. C. Avaliação da escrita em jovens e adultos. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, v. 89, p. 273-294, 2008.

CHEN, G.; GULLY, S. M.; EDEN, D. Validation of a new general self-efficacy scale. Organizational Research Methods, v. 4, p. 62-83, 2001.

COSTA, A. F. Alfabetização de jovens e adultos e mudança social: uma abordagem discursiva para o fenômeno do analfabetismo. In: MAGALHÃES, I.; LEAL, M.C. (Org.). Discurso, gênero e educação. Brasília: Plano Editora, 2003. p.99-136.

CUPANI, M., PÉREZ, E. R. Metas de elección de carrera: contribución de los interesses vocacionales: la autoeficacia y los rasgos de personalidad. Interdisciplinaria, v. 23, n. 1, p. 81-100, 2006.

DIAS, G. F.; AZEVEDO, M. Componentes motivacionais no adiamento do estudo e desempenho acadêmico. In: IV SEMINÁRIO DE INVESTIGAÇÃO E INTERVENÇÃO PSICOLÓGICA NO ENSINO SUPERIOR, 2001, Algarve. Anais... Algarve: Universidade Nova de Lisboa, 2001.

FREIRE, P. A importância do ato de ler em três artigos que se completam. 31. ed. São Paulo, SP: Cortez, 1995.

FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 22. ed. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1996.

GADOTTI, M.; ROMÃO J. E. (Org.) Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 2. ed. São Paulo; SP: Cortez; Instituto Paulo Freire, 2000. (Guia da Escola Cidadã, v. 5).

INSTITUTO PAULO MONTE NEGRO; AÇÃO EDUCATIVA. III INAF-Indicador nacional de alfabetismo funcional: um diagnóstico para a inclusão social pela educação (Avaliação de leitura e escrita). São Paulo, SP: [s. n.], 2003. 16p. Disponível em: http://www. acaoeducativa.org.br. Acesso em: 10/10/2009.

KLEIMAN, A. B. Os significados do letramento: uma nova perspectiva sobre a prática social da escrita. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

LEITE, J. C. C.; DRACHLER, M. L.; CENTENO, M. O.; PINHEIRO, C. A. T.; SILVEIRA, V. L. Desenvolvimento de uma escala de auto-eficácia para adesão ao tratamento anti-retroviral. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 15, n. 1, p. 121-133, 2002.

LENT, R. W.; BROWN, S. D. On conceptualizing and assessing social cognitive constructs in career research: a measurement guide. Journal of Career Assesment, v. 14, n.1, p. 12-35. 2006.

LUSZCZYNSKA, A.; SCHOLZ, U.; SCHWARZER, R. The general self-sfficacy scale: multicultural validation studies. The Journal of Psychology, v.139, n. 5, p. 439-457, 2005.

MARTINELLI, S. C. et al. Children ́s self-efficacy scale: initial psychometric studies. Journal of Psychoeducational Assessment, v. 27, p. 145-156, 2009.

MEDEIROS, P. C. et al. Autoeficácia e os aspectos comportamentais de crianças com dificuldade de aprendizagem. Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 13, n. 3, p. 327-336, 2000.

MEDEIROS, P. C. et al. O senso de autoeficácia e o comportamento orientado para aprendizagem em crianças com queixa de dificuldades de aprendizagem. Estudos de Psicologia , v. 8 , n. 1, p. 93-105, 2003.

MELO, B. O. R. A apropriação dos gêneros textuais: concepções, diretrizes e expectativas na alfabetização de jovens e adultos. 2003. Disponível em: http://www.cereja.org.br/. Acesso em: 10/10/2009.

NEVES, S. P.; FARIA, L. Auto-eficácia acadêmica e atribuições causais em português e matemática. Análise Psicológica, v. 4, n.25, p. 635-652, 2007.

NORONHA, A. P. P. ; AMBIEL, R. A. M. Fontes de eficácia e interesses profissionais: relações entre pais e filhos. Evaluar, v. 8, p. 32-45, 2008

PAJARES, F. Relación de la auto-eficacia con constructos de motivación y rendimientos escolares: current directions in self-efficacy research. In: MAEHR, M. PINTRICH P. R. (Org.). Trad. Eduardo Mejía Carbonel. Advances in Motivation and Achievement. Greenwich, CT: JAI Press, 1996. p.1-49. (v.10)

PÉREZ, E.; CUPANI, M.; AYLLÓN, S. Predictores de rendimiento académico en la escuela media: habilidades, autoeficácia y rasgos de personalidad. Avaliação Psicológica, v. 4, n. 1, p. 1-11, 2005.

RABELO D. F.; CARDOSO, C. M. Auto-eficácia, doenças crônicas e incapacidade funcional na velhice. Psico - USF, v. 12, n. 1, p. 75-81, jan./jun., 2007.

ROSÁRIO, P.; MOURÃO, R.; SOARES, S. Trabalho de casa, tarefas escolares, auto- regulação e envolvimento parental. Psicologia em Estudo, Maringá: v.10, n.3, p. 343-351, set./dez., 2005.

SCHUNK, D. H. Inherent details of self-regulated learning include student perceptions. Educational Psychologist, v.30, n. 4, p.213-216, 1995.

STAINBACK, S. Reflexões sobre a diversidade na educação: as raízes do movimento de inclusão. Revista Pátio, Porto Alegre, ano 5, n. 20, p. 15-17, 2002.

SUAREZ, P. S., GARCÍA, A. M. P., MORENO, J. B. Escala de autoeficacia general: dados psicométricos de la adaptación para población española. Psicothema. v. 12, n. 2, p. 509-513, 2000.

YASSUDA, M. S.; LASCA, V. B.; NERI, A. L. Meta-memória e auto-eficácia: um estudo de validação de instrumentos de pesquisa sobre memória e envelhecimento. Psicologia: Reflexão e Crítica, v.18, n.1, p. 78-90, 2005.

Downloads

Publicado

2009-11-06

Como Citar

Caliatto, S. G., & Martinelli, S. de C. (2009). Avaliação da autoeficácia acadêmica em alunos da educação de jovens e adultos. ETD - Educação Temática Digital, 10, 187–203. https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp.941