Avaliação da aprendizagem e motivação para aprender: tramas e entrelaços na formação de professores

Autores

  • Nadia Aparecida de Souza Universidade Estadual de Londrina
  • Evely Boruchovitch Universidade Estadual de Campinas

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp..942

Palavras-chave:

Avaliação da aprendizagem. Motivação para a aprendizagem. Estratégias de aprendizagem. Formação de professores.

Resumo

A avaliação pode processar-se sob a égide de duas distintas lógicas: a da classificação ou a da formação. A prevalência da primeira parece condenar os estudantes a desempenhos sofridos e sofríveis, conforme se constata nos resultados revelados por provas nacionais e internacionais. Afinal, apesar do discurso a propalar um exercício formativo, o que se nota, ainda, em termos de avaliação é a preocupação em separar o joio do trigo. A inquietação quanto às decorrências da avaliação classificatória, principalmente no que tange á motivação para a aprendizagem, orientou a delimitação do objetivo do presente estudo: mapear e analisar as implicações das concepções de avaliação vivenciadas ao longo de um curso de Licenciatura em Pedagogia relativamente à motivação da aprendizagem. A pesquisa quanti-qualitativa valeu-se de metodologia também hibrida, o estudo de caso. Os procedimentos de coleta utilizados foram: questionário e entrevista. Os dados foram analisados à luz da análise de conteúdo clássica. Os resultados parecem apontar relação entre avaliação classificatória, motivação extrínseca e abordagem superficial à aprendizagem, bem como entre avaliação formativa, motivação intrínseca e abordagem profunda à aprendizagem. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nadia Aparecida de Souza, Universidade Estadual de Londrina

Pedagoga pela Universidade Estadual de Londrina (UEL). Doutora pela Universidade Estadual Paulista, Marília – SP. Professora Adjunta do Departamento de Educação do Centro de Educação, Comunicação e Artes, da Universidade Estadual de Londrina (UEL). Coordenadora do Núcleo de Estudos e Pesquisas em Avaliação Educacional (NEPAE/UEL) e integrante do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia (GEPESP/UNICAMP).

Evely Boruchovitch, Universidade Estadual de Campinas

Psicóloga pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ); Ph.D em Educação pela University of Southern California, Los Angeles; Professora Livre Docente do Departamento de Psicologia Educacional da Faculdade de Educação da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP); Membro do Grupo de Estudos e Pesquisas em Psicopedagogia (GEPESP) do Programa de Pós Graduação em Educação da UNICAMP.

Referências

ALVARENGA, G. M.; SOUZA, N. A. de (Org.). Avaliação: possível e necessária. Londrina: NEPAE, 2003.

ÁLVAREZ, J. M. M. Avaliar para conhecer. Examinar para excluir. Porto Alegre: Artmed, 2002.

BALLESTER, M. et al. Avaliação como apoio à aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BARLOW, M. Avaliação escolar: mitos e realidades. Porto Alegre: Artmed, 2006.

BAUER, M. W. Análise de conteúdo clássica: uma revisão. In: BAUER, M. W.; GASKELL, G. Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes, 2002, p.189-217.

BECKER, F. Educação e construção do conhecimento. Porto Alegre: Artmed, 2001.

BECKER, F. A origem do conhecimento e a aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 2003.

BIGGS, J. B. What do inventories of students learning processes really measure? Britsh Journal of Educational Psychology, n. 63, v. 1, 1993, p.3-19.

BORUCHOVITCH, E. A auto-regulação da aprendizagem e a escolarização inicial. In: BORUCHOVITCH, E.; BZNUNECK, J. (Org.). Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. Petrópolis: Vozes, 2004. p.55-88.

BORUCHOVITCH, E.A motivação para aprender de estudantes em cursos de formação de professores. Educação, Porto Alegre, v. 31, p. 30-38, jan./abr. 2008.

CASTRO, M. H. G. O desafio da qualidade. Disponível em:

http://www.anj.org.br/jornaleeducacao/biblioteca/publicacoes/O%20Desafio%20da%20Qual

idade%20-%20Maria%20Helena%20Guiamaraes%20Castro.pdf. Acesso em: 22 jun. 2009.

DUARTE, A. M. Auto-regulação e abordagens à aprendizagem. In: SILVA, A. L.; DUARTE, A. M.; SÁ, I.; SIMÃO, A. M. V. Aprendizagem auto-regulada pelo estudante. Porto: Porto Editora, 2004. p. 39-54.

ENRICONE, D.; GRILLO, M. (Org.). Avaliação: uma discussão em aberto. 2. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003.

FERNANDES, D. Avaliar para aprender: fundamentos, práticas e políticas. São Paulo, SP: EdUNESP, 2009.

FLICK, U. Uma introdução à pesquisa qualitativa. 2. ed. Porto Alegre: Bookman, 2004.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. Petrópolis: Vozes, 1987.

FREIRE, L. G. L. Concepções e abordagens sobre a aprendizagem: a construção do conhecimento através da experiência dos alunos. Ciências & Cognição, ano 3, v. 9, 2006. Disponível em: http://cienciasecognicao.org/artigos/v09/m346112.htm. Acesso em: 10 jan. 2009.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia. Rio de Janeiro, RJ: Paz e Terra, 1998.

GADOTTI, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. São Paulo, SP: Cortez, 2003.

GRÉGOIRE, J. et al. Avaliando as aprendizagens: os aportes da psicologia cognitiva. Porto Alegre: Artmed, 2000.

GUIMARÃES, S. E. R. Motivação intrínseca, extrínseca e o uso de recompensas em sala de aula. In: BORUCHOVITCH, E; BZNUNECK, J. (Org.). Aprendizagem: processos psicológicos e o contexto social na escola. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 37-57.

GUNTHER, H. Pesquisa qualitativa versus pesquisa quantitativa: esta é a questão? Psicologia: teoria e pesquisa, v. 22, n. 2, 2006, p.201-210. Disponível em:

http://www.scielo.br/pdf/%0D/ptp/v22n2/a10v22n2.pdf. Acesso em: 10 jun.2009.

HADJI, C. A avaliação desmistificada. Porto Alegre: Artmed, 2001a.

HADJI, C. Avaliação: regras do jogo – das intenções aos instrumentos. Porto: Porto Editora, 1994.

HADJI, C. Pensar e agir a educação: da inteligência do desenvolvimento ao desenvolvimento da inteligência. Porto Alegre: Artmed, 2001b.

HOFFMANN, J. Avaliação: mito & desafio – uma perspectiva construtivista. Porto Alegre: Educação & Realidade, 1991.

HOFFMANN, J. Avaliar: respeitar primeiro, educar depois. Porto Alegre: Mediação, 2008.

HOFFMANN, J. Avaliação mediadora: uma prática em construção da pré-escola à universidade. Porto Alegre: Mediação, 1993.

HOFFMANN, J. Pontos & contrapontos: do pensar ao agir em avaliação. Porto Alegre: Mediação, 1998.

INSTITUTO DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIOTEIXEIRA – INEP. Qualidade da educação: uma leitura do desempenho de estudantes da 4a. Série do ensino fundamental. 2003. Disponível em: http://www.inep.gov.br/saeb/default.asp. Acesso em: 20 jun. 2008

INSTITUTO DE ESTUDOS E PESQUISAS EDUCACIONAIS ANÍSIOTEIXEIRA – INEP. SAEB – 2005: primeiros resultados. Brasília, fev. 2007. Disponível em: http://www.inep.gov.br/download/saeb/2005/SAEB1995_2005.pdf. Acesso em: 18 jun. 2009.

KRAUSE, G. B. Cola, sombra da escola. Rio de Janeiro, RJ: EDUERJ, 1997.

LAURILLARD, D. M. Rethinking University Teaching: a framework for the effective use of educational technology. London: Routledge, 1993.

LUCKESI, C. C. Avaliação da aprendizagem escolar. São Paulo, SP: Cortez, 1995.

MARQUES, E. O.; NASSER, L. Resultados de teste de larga escala: uma ponte de informações para a formação de professores. 2008. Disponível em:

http://www.sbemrj.com.br/spemrj6/artigos/a6.pdf. Acesso em: 18 jun. 2009.

PAIVA, M. O. A. de. Abordagens à aprendizagem e abordagens ao ensino: uma aproximação à dinâmica do aprender no secundário. 2007. 246p. Tese (Doutorado em Psicologia da Educação) – Instituto de Educação e Psicologia. Universidade do Minho, Minho.

PERRENOUD, P. Avaliação: da excelência à regulação das aprendizagens – entre duas lógicas. Porto Alegre: Artmed, 1999.

POZO, J. I. (Org.). A solução de problemas: aprender a resolver, resolver para aprender. Porto Alegre: Artmed, 1998.

ROSÁRIO, P.; ALMEIDA, L. As estratégias de aprendizagem nas diferentes abordagens ao estudo: uma investigação com alunos do ensino secundário. Revista Galego-Portuguesa de Psicoloxia e Educación, v.3, n.4, p. 273-280, 1999.

RUIZ, A. R. Avaliação da aprendizagem na era da informação. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, v. 18, n. 36, p.31-42, jan./abr. 2007.

SANTOS, J. C. F. dos. O papel do professor na promoção de uma aprendizagem significativa. 200-. p. 1-9. Disponível em: http://www.juliofurtado.com.br/papeldoprof.pdf+ Acesso em: 10 jan. 2009.

SOUZA, N. A. Avaliação da aprendizagem e atuação docente. Estudos em Avaliação Educacional, São Paulo, n. 29, p. 149-168, jan./jun.2004.

TEIXEIRA, J.; NUNES, L. Avaliação escolar: da teoria à prática. Rio de Janeiro, RJ: Wak, 2008.

TRIVIÑOS, A. N. Introdução à pesquisa em Ciências Sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo, SP: Atlas, 1987.

VIEIRA, S. L. Gestão, avaliação e sucesso escola: recortes de uma trajetória. Estudos Avançados, São Paulo, v. 21, n. 60, 2007. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40142007000200004&lng=pt&nrm=iso. Acesso em 20 jun. 2009.

VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 4. ed. São Paulo, SP: Martins Fontes, 1991.

Downloads

Publicado

2009-11-06

Como Citar

Souza, N. A. de, & Boruchovitch, E. (2009). Avaliação da aprendizagem e motivação para aprender: tramas e entrelaços na formação de professores. ETD - Educação Temática Digital, 10, 204–227. https://doi.org/10.20396/etd.v10in.esp.942