Políticas de formação de professores: reflexões e tendências

Autores

  • Sonia Regina Landini Universidade Federal de São Carlos

DOI:

https://doi.org/10.20396/etd.v6i1.999

Palavras-chave:

Formação. Prática social. Formação de professores.

Resumo

No complexo social os valores e as características culturais, produzidos na prática social, expressam a direção a ser dada à formação tendo em vista os processos de reprodução do ser social. No caso do capitalismo, o elemento fundante das relações sociais é a economia, de tempo e na produção de mais-valia. No desenvolvimento cotidiano de suas atividades, os homens, ao buscarem a realização de si mesmos enquanto membros de uma sociedade reagem às formas exploratórias que retiram dos Sujeitos a plena possibilidade de realização. No caso da formação de professores, a tendência de formação de um profissional capaz de lidar com situações singulares. No entanto, a singularidade deve ser compreendida a partir de sua relação com a totalidade social. O desafio que se coloca parece se concentrar no resgate das mediações, dos mecanismos de incorporação e nos de resistência e negação, presentes no cotidiano.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Sonia Regina Landini, Universidade Federal de São Carlos

Possui graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho, mestrado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo e doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica de São Paulo.

Referências

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Parecer - CP 09 Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação de Professores da Educação Básica, em nível superior, curso de licenciatura, de graduação plena. Brasilia. Disponível em: http://www.mec.gov.br/cne/pdf/009.pdf. Acesso em: 30 maio 2001.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisa. EDUTABRASIL. Disponível em: www.inep.gov.br. Acesso em: 30 maio 2001.

CORAGGO, J.L. Propostas do banco Mundial para a educação: sentido oculto ou problemas de concepção. In: DE TOMMASI, L., WARDE, M.J., HADDAD, S. O Banco Mundial e as políticas educacionais . São Paulo: Cortez: PUC/SP: Ação educativa, 1996, 75-123.

HELLER, A. Sociologia de la vida cotidiana. 4 ed. Barcelona: Ediciones Península, 1994.

LESSA, S. O reflexo como “não-ser” na ontologia de Lukács: uma polêmica de décadas. Crítica Marxista, São Paulo, n. 4, p. 89-112, 1997.

LUKÁCS, G. Ontologia do ser social. Roma: Editori Riuniti, 1981.

LUKÁCS, G. Introdução à estética marxista. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.

MORAES, M.C.M. Recuo da teoria: dilemas na pesquisa em educação. Revista Portuguesa de Educação, Braga, v. 14, n. 1, p.7-25, 2001.

SAVIANI, D. A nova lei da educação. Campinas, SP: Autores Associados, 1997.

SILVA, JUNIOR, J.dos R.; GONZÁLEZ, J.L.C. Formação e trabalho: uma abordagem ontológica de sociabilidade. São Paulo: Xamã, 2001.

TORRES, R.M. Educación para todos: la propuesta, la respuesta (1990-1999). In: CONFERENCIA ANUAL DE LA SOCIEDAD INTERNACIONAL DE EDUCACIÓN COMPARADA, Toronto, 1999. [Anales...]. Toronto: [s.n.], 1999. Documento presentado en el Panel "Nueve Años después de Jomtien. (Mimeogr.).

Downloads

Publicado

2009-10-05

Como Citar

Landini, S. R. (2009). Políticas de formação de professores: reflexões e tendências. ETD - Educação Temática Digital, 6(1), 23–33. https://doi.org/10.20396/etd.v6i1.999