O mestre e o aprendiz como iguais: a potência da vontade e da inteligência humana em Rancière

  • Silvana Aparecida Bretas Universidade Federal de Sergipe
  • Crislaine Santana Cruz Universidade Federal de Sergipe
Palavras-chave: Ensino Universal. Igualdade. Mestre. Aprendiz. Explicação. Pensamento Pedagógico

Resumo

Este artigo tenciona analisar quem são aprendiz e mestre segundo a obra O Mestre Ignorante (2013) de autoria do filósofo Jacques Rancière. Procura entender que papéis esses sujeitos exercem de acordo com o Ensino Universal que é apregoado na obra, cuja ideia fundamental é defender a igualdade intelectual entre mestre e discípulos e, consequentemente, pôr em questão o mestre e suas explicações. Buscou-se verificar reflexivamente os papéis atribuídos aos dois sujeitos mais importantes no processo de ensino-aprendizagem dentro dos limites da obra em estudo, além de tomar conhecimento de conceitos histórico-filosóficos presentes na obra e contribuir para o enriquecimento da discussão sobre a educação e, mais especificamente, sobre a prática pedagógica. Trata-se de pesquisa qualitativa, de abordagem bibliográfica onde a metodologia envolveu o levantamento de comentadores relevantes em relação à obra e a seu autor, da relação vida e obra, de seu contexto sócio histórico e, finalmente, a leitura crítica. Ao defender que a igualdade entre as inteligências do professor e do aluno deve ser tomadas como ponto de partida, e não de chegada, do processo de ensino-aprendizagem, Rancière ainda defende que essa hipótese depende da ação dos homens que, individual ou coletivamente, devem criar modos de verificá-la.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Silvana Aparecida Bretas, Universidade Federal de Sergipe
Professora Dra. do Departamento de Educação e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Sergipe.
Crislaine Santana Cruz, Universidade Federal de Sergipe

Graduada em Pedagogia no Departamento de Educação da Universidade Federal de Sergipe.

Referências

BINGHAM, C. BIESTA, G.J.J. e RANCIÈRE, J. Jacques Rancière: education, truth, emancipation. Continuum, 2010. ISBN 978-1-4411-9095-6 – ISBN 978-1-4411-3216-1.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. Cap. 1, p. 15-39.

LEAL, M. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual, de Jacques Rancière. Grupo de leitura em aprendizagem automática – FEUP. 09 de Maio de 2008. Disponível em: http://www.virose.pt/download/ranciere_curto.pdf Acesso em: 03/jul./2014.

LUCINI, M. Fenomenologia hermenêutica: uma experiência metodológica. In BRETAS, S. A. e SOBRAL, M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

OLIVEIRA, Y.D. A formulação do problema de pesquisa: considerações sobre uma experiência no âmbito da história da educação. In BRETAS, S. A. e SOBRAL; M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

PIRES, M. N. s.v. "Aforismo", E-Dicionário de Termos Literários (EDTL), coord. de Carlos Ceia, ISBN: 989-20-0088-9, <http://www.edtl.com.pt>, consultado em 12-09-2013.

RANCIÈRE, J. O Mestre Ignorante: Cinco Lições sobre a Emancipação Intelectual. Tradução de Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2013 (Coleção: Experiência e Sentido). ISBN 978-85-7526-045-6.

SKLIAR, C. Jacotot-Rancière ou a dissonância inaudita de uma pedagogia (felizmente) pessimista.Educação & Sociedade [online]. 2003, vol.24, n.82, pop.cit., 229-239. ISSN 0101-7330. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a13v24n82.pdf Acesso em: 2013.

SOBRAL, M. N. Interfaces da pesquisa em educação In BRETAS, S. A. e SOBRAL, M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

VERMEREN, P.; CORNU, L.; BENVENUTO, A. Atualidade de O mestre ignorante. Educação & Sociedade. [online]. 2003, vol.24, n.82, 185-202. ISSN 0101-7330. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a09v24n82.pdf Acesso em: 2013.

Como Citar
Bretas, S. A., & Cruz, C. S. (1). O mestre e o aprendiz como iguais: a potência da vontade e da inteligência humana em Rancière. Revista HISTEDBR On-Line, 15(63), 210-232. https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641179
Seção
Artigos