Banner Portal
O mestre e o aprendiz como iguais: a potência da vontade e da inteligência humana em Rancière
PDF

Palavras-chave

Ensino Universal. Igualdade. Mestre. Aprendiz. Explicação. Pensamento Pedagógico

Como Citar

BRETAS, S. A.; CRUZ, C. S. O mestre e o aprendiz como iguais: a potência da vontade e da inteligência humana em Rancière. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 15, n. 63, p. 210–232, 2015. DOI: 10.20396/rho.v15i63.8641179. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8641179. Acesso em: 1 mar. 2024.

Resumo

Este artigo tenciona analisar quem são aprendiz e mestre segundo a obra O Mestre Ignorante (2013) de autoria do filósofo Jacques Rancière. Procura entender que papéis esses sujeitos exercem de acordo com o Ensino Universal que é apregoado na obra, cuja ideia fundamental é defender a igualdade intelectual entre mestre e discípulos e, consequentemente, pôr em questão o mestre e suas explicações. Buscou-se verificar reflexivamente os papéis atribuídos aos dois sujeitos mais importantes no processo de ensino-aprendizagem dentro dos limites da obra em estudo, além de tomar conhecimento de conceitos histórico-filosóficos presentes na obra e contribuir para o enriquecimento da discussão sobre a educação e, mais especificamente, sobre a prática pedagógica. Trata-se de pesquisa qualitativa, de abordagem bibliográfica onde a metodologia envolveu o levantamento de comentadores relevantes em relação à obra e a seu autor, da relação vida e obra, de seu contexto sócio histórico e, finalmente, a leitura crítica. Ao defender que a igualdade entre as inteligências do professor e do aluno deve ser tomadas como ponto de partida, e não de chegada, do processo de ensino-aprendizagem, Rancière ainda defende que essa hipótese depende da ação dos homens que, individual ou coletivamente, devem criar modos de verificá-la.

https://doi.org/10.20396/rho.v15i63.8641179
PDF

Referências

BINGHAM, C. BIESTA, G.J.J. e RANCIÈRE, J. Jacques Rancière: education, truth, emancipation. Continuum, 2010. ISBN 978-1-4411-9095-6 – ISBN 978-1-4411-3216-1.

GATTI, B. A. A construção da pesquisa em educação no Brasil. Brasília: Plano Editora, 2002. Cap. 1, p. 15-39.

LEAL, M. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual, de Jacques Rancière. Grupo de leitura em aprendizagem automática – FEUP. 09 de Maio de 2008. Disponível em: http://www.virose.pt/download/ranciere_curto.pdf Acesso em: 03/jul./2014.

LUCINI, M. Fenomenologia hermenêutica: uma experiência metodológica. In BRETAS, S. A. e SOBRAL, M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

OLIVEIRA, Y.D. A formulação do problema de pesquisa: considerações sobre uma experiência no âmbito da história da educação. In BRETAS, S. A. e SOBRAL; M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

PIRES, M. N. s.v. "Aforismo", E-Dicionário de Termos Literários (EDTL), coord. de Carlos Ceia, ISBN: 989-20-0088-9, <http://www.edtl.com.pt>, consultado em 12-09-2013.

RANCIÈRE, J. O Mestre Ignorante: Cinco Lições sobre a Emancipação Intelectual. Tradução de Lílian do Valle. Belo Horizonte: Autêntica, 2013 (Coleção: Experiência e Sentido). ISBN 978-85-7526-045-6.

SKLIAR, C. Jacotot-Rancière ou a dissonância inaudita de uma pedagogia (felizmente) pessimista.Educação & Sociedade [online]. 2003, vol.24, n.82, pop.cit., 229-239. ISSN 0101-7330. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a13v24n82.pdf Acesso em: 2013.

SOBRAL, M. N. Interfaces da pesquisa em educação In BRETAS, S. A. e SOBRAL, M. N. (org.) Pesquisa em educação: Interfaces, experiências e orientações. mimeo.

VERMEREN, P.; CORNU, L.; BENVENUTO, A. Atualidade de O mestre ignorante. Educação & Sociedade. [online]. 2003, vol.24, n.82, 185-202. ISSN 0101-7330. Disponível em http://www.scielo.br/pdf/es/v24n82/a09v24n82.pdf Acesso em: 2013.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.