Banner Portal
A participação docente na nova reforma do ensino médio
PDF

Palavras-chave

Administração escolar
Gestão escolar
Lei 13.415/2017
Medida Provisória 746/2016
Políticas públicas educacionais
Reforma do ensino médio

Como Citar

SILVA, Damaris Daiane Dias da; MARTINS, Marcos Francisco. A participação docente na nova reforma do ensino médio: um estudo sobre Pilar do Sul/SP. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020022, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8652032. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652032. Acesso em: 24 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo tem como tema as análise das relações que se encontram no processo de gestão escolar e educacional, e a importância que a participação de seus agentes, especialmente os professores, tem para que ela seja desenvolvida de maneira transparente, democrática e, assim, com qualidade social. É um estudo direcionado, especificamente, à nova reforma do ensino médio, formalmente encaminhada pela Medida Provisória 746/2016 e, posteriormente, transformada na Lei 13.415/2017. A pesquisa que originou este artigo teve como problema saber sobre o efetivo conhecimento e envolvimento dos professores da rede pública estadual de Pilar do Sul/SP neste processo. Metodologicamente, o enfoque foi qualitativo e contou com um estudo bibliográfico e documental acerca da referida Lei, bem como sobre políticas públicas educacionais, visando a conhecer como ocorre e como deveria ser a participação de professores no processo de formulação e de implantação. Contou, ainda, com pesquisa de campo, que se efetivou por meio da aplicação de questionários aos docentes. Os resultados alcançados mostraram que, no processo de formulação e de implantação da reforma encaminhado até o momento, os formuladores e executores distanciaram de processos administrativos democráticos e colaborativos, os quais fazem parte dos anseios de professores da educação básica e de especialistas em educação, como Paro, Veiga, Frigotto e Freitas, que foram algumas das principais referências teóricas da investigação aqui apresentada.

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8652032
PDF

Referências

ADRIÃO, T.; CAMARGO, R. B. A gestão democrática na Constituição Federal de 1988. Gestão, financiamento e direito à educação. 1. ed. São Paulo: Xamã, 2007. p. 63-71.

ARCHANGELO, A. Notório saber na educação desonera o Estado de sua responsabilidade. Carta Educação, 6 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.cartaeducacao.com.br/artigo/notorio-saber-na-educacao-desonera-o-estado-de-sua-responsabilidade/. Acesso em: 04 nov. 2017.

BRASIL. (Constituição de 1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/constituicao/constituicao.htm. Acesso em: 27 out. 2017.

BRASIL. Consulta Pública MPV 746/2016. 2016. Disponível em: https://www12.senado.leg.br/ecidadania/visualizacaomateria?id=126992. Acesso em: 27 out. 2017.

BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional 9.394/96 de 20 de dezembro de 1996. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/L9394.htm. Acesso em: 22 set. 2017.

BRASIL. Lei nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2015-2018/2017/lei/L13415.htm. Acesso em: 02 nov. 2017.

BRASIL. Medida Provisória nº 746, de 22 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1494234. Acesso em 20 set. 2017.

FREITAS, L. C. BNCC, Ensino Médio, FNE e CONAE18: eventos inaugurais? ANPED, 05 de maio de 2017. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/bncc-ensino-medio-fne-e-conae18-eventos-inaugurais-por-luiz-carlos-de-freitas-unicamp. Acesso em: 30 out. 2017.

FREITAS, L. C. Ensino Médio: Elite atrasada descarta Artes e Educação Física. Avaliação Educacional, 22 de setembro de 2016. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.wordpress.com/2016/09/22/ensino-medio-elite-atrasada-descarta-arte-e-educacao-fisica/?iframe=true&theme_preview=true. Acesso em: 30 out. 2017.

FREITAS, L. C. Ensino Médio: Modelo subserviente para um país dependente. Avaliação Educacional, 24 de setembro de 2016. Disponível em: https://avaliacaoeducacional.wordpress.com/2016/09/24/ensino-medio-modelo-subserviente-para-um-pais-dependente/?iframe=true&theme_preview=true. Acesso em: 30 out. 2017.

FRIGOTTO, G. Reforma de ensino médio do (des) governo de turno: decreta-se uma escola para os ricos e outra para os pobres. ANPED, 22 de setembro de 2016. Disponível em: http://www.anped.org.br/news/reforma-de-ensino-medio-do-des-governo-de-turno-decreta-se-uma-escola-para-os-ricos-e-outra. Acesso em: 28 out. 2017.

FRIGOTTO, G.; MOTTA, V. Por que a urgência da reforma no ensino médio? Medida provisória nº 746/2016 (Lei nº13.415/2017). Educ. Soc., Campinas, v. 38, n. 139, p. 355-372, abr./jun. 2017. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/es/v38n139/1678-4626-es-38-139-00355.pdf. Acesso em: 30 out. 2017.

MINAYO, M. C. de S. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 9. ed. São Paulo: Hucitec, 2006.

PARO, V. H. Administração escolar: introdução crítica. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

PARO, V. H. Escritos sobre educação. 1. ed. São Paulo: Xamã, 2001.

SANDER, B. História do pensamento administrativo na educação latino-americana. Gestão da educação na América Latina: construção e reconstrução do conhecimento. 1. ed. São Paulo: Autores Associados, 1995. Disponível em: http://bennosander.com/textos_detalhe.php?cod_texto=16. Acesso em: 13 mar. 2017.

VEIGA, I. P. A. Inovações e projeto político-pedagógico: uma relação regulatória ou emancipatória? Cad. Cedes, Campinas, v. 23, n. 61, p. 267-281, dez. 2003. Disponível em: http://www.scielo.br/pdf/ccedes/v23n61/a02v2361.pdf. Acesso em: 02 ago. 2017.

VIEIRA, S. L. Política(s) e gestão da educação básica: revisitando conceitos simples. RBPAE, v. 23, n. 1, p. 53-69, jan./abr. 2007. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:BYO1So7xt8QJ:www.seer.ufrgs.br/rbpae/article/download/19013/11044..+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 02 ago. 2017.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.