Educação do campo: marcos normativos. Quais indivíduos as políticas públicas pretendem formar?

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8652125

Palavras-chave:

Educação do campo. Marcos normativos. Emancipação popular.

Resumo

A educação do campo é resultado de lutas reivindicatórias de movimentos populares por uma educação voltada para as necessidades, anseios e problemáticas vividas pela população campesina. Seus objetivos residem na formação de indivíduos aptos a compreenderem as relações sociais que colocam a população rural em situação de desigualdade e capacitá-los a transformarem suas realidades. As políticas educacionais que regulamentam o processo educativo em espaços rurais podem não corresponder com a perspectiva teórica da educação do campo, já que tiveram de passar pelo crivo do Estado, cuja base ideológica é o neoliberalismo. Este trabalho tem como objetivo analisar o documento oficial “Educação do campo: marcos normativos”, publicado pela Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão, com o intuito de identificar pressupostos ideológicos que influenciam a formação do indivíduo do campo na perspectiva das políticas públicas, já que este documento é composto por uma coletânea de textos considerados como significativos para a educação do campo, na visão dos órgãos oficiais. Compreender as intencionalidades das perspectivas oficiais para a formação dos indivíduos é essencial para analisar criticamente as medidas políticas impostas ao sistema educacional, nunca isentas da intencionalidade da reprodução das condições de produção da sociedade capitalista.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Henrique de Vasconcelos, Universidade Estadual Paulista

Mestrado em andamaneto em Educação para a Ciência na Universidade Estadual Paulista (UNESP). Membro do Grupo de Pesquisa Formação e Ação de Professores de Ciências e Educadores Ambientais.

Referências

ALTHUSSER, L. Ideologia e aparelhos ideológicos de Estado: notas para uma investigação. Tradução de Joaquim José de Moura Ramos. Lisboa: Presença, 1980.

APPLE, M. W.; AU, W.; GANDIN, L. A. O mapeamento da educação crítica. In: APPLE, M. W.; AU, W.; GANDIN, L. A.(Org.). Educação crítica: análise internacional. São Paulo: Penso, 2010. p. 14-32.

BAUER, C. Educação, terra e liberdade: princípios educacionais do MST em perspectiva histórica. São Paulo: Pulsar; Xamã, 2008.

BEZERRA NETO, L.; BEZERRA, M. C. S. Educação do campo: referenciais teóricos em discussão. In: BEZERRA NETO, L.; BEZERRA, M. C. S. (Org.). Educação para o campo em discussão: subsídios para o Programa Escola Ativa. São José: Premier, 2011. p. 101-120.

BRASIL. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Continuada, Alfabetização, Diversidade e Inclusão. Educação do campo: marcos normativos. Brasília: SECADI, 2012. Disponível em: http://pronacampo.mec.gov.br/images/pdf/bib_educ_campo.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

CALDART, R. S. A escola do campo em movimento. Currículo sem Fronteiras, v. 3, n. 1, p. 60-81, 2003. Disponível em: http://www.curriculosemfronteiras.org/vol3iss1articles/roseli2.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7, n. 1, p. 35-64, 2009. Disponível em: https://doi.org/10.1590/s1981-77462009000100003. Acesso em: 23 mar. 2018.

DUARTE, N. As apropriações das teorias psicológicas pela prática educativa contemporânea: a incorporação de Piaget e de Vigotski ao ideário pedagógico. In: FACCI, M. G. D.; TULESKI, S. C.; BARROCO, S. M. S. (Org.). Escola de Vigotski: contribuições para a psicologia e a educação. Maringá: Eduem, 2009. p. 63-86.

DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da teoria vigotskiana. Campinas: Autores Associados, 2004.

FONTE, S. S. D. Fundamentos teóricos da pedagogia histórico-crítica. In: MARSIGLIA, A. C. G. (Org.). Pedagogia histórico-crítica: 30 anos. Campinas: Autores Associados, 2011. p. 23-42.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GHEDINI, C. M.; ONÇAY, S. T. V.; DEBORTOLI, S. F. B. Educação do campo e prática pedagógica desde um viés freireano: possibilidade de construção da consciência e da realidade. In: MOLINA, M. C. (Org.). Licenciaturas em educação do campo e o ensino de ciências naturais: desafios à promoção do trabalho docente interdisciplinar. Brasília: MDA, 2014. p. 83-109. Disponível em: http://www.mda.gov.br/sitemda/sites/sitemda/files/user_img_248/Livro%20LEDOC%20CIEMA%20WEB.pdf. Acesso em: 23 mar. 2018.

GUHUR, D. M. P.; SILVA, I. M. S. Educação do campo: primeiras aproximações. Roteiro, Joaçaba, v. 34, n. 2, p. 129-144, 2009. Disponível em: http://editora.unoesc.edu.br/index.php/roteiro/article/view/302/55. Acesso em: 23 mar. 2018.

LAVOURA, T. N. Por que é necessário o trabalho educativo fundamentado na pedagogia histórico-crítica nas escolas do campo e do MST? Germinal: Marxismo e Educação em Debate, Salvador, v. 7, n. 1, p. 121-131, 2015. Disponível em: https://portalseer.ufba.br/index.php/revistagerminal/article/view/9509/9508. Acesso em: 23 mar. 2018.

LÖWY, M. Ideologia e ciência social: elementos para uma análise marxista. São Paulo: Cortez, 1991.

MOLINA, M. C.; FREITAS, H. C. A. Avanços e desafios na construção da educação do campo. Em Aberto, Brasília, v. 24, n. 85, p. 17-31, 2011. Disponível em: http://emaberto.inep.gov.br/index.php/emaberto/article/view/2483/2440. Acesso em: 23 mar. 2018.

MOREIRA, A. F. B. Currículo e estudos culturais: tensões e desafios em torno das identidades. In: PARAÍSO, M. A. (Org.). Antonio Flavio Barbosa Moreira: pesquisador em currículo. Belo Horizonte: Autêntica, 2010. p. 199-216.

NASCIMENTO, C. G. Educação e cultura: as escolas do campo em movimento. Fragmentos de Cultura, Goiânia, v. 16, n. 11/12, p. 867-883, 2006. Disponível em: http://revistas.pucgoias.edu.br/index.php/fragmentos/article/view/184/147. Acesso em: 23 mar. 2018.

SOUZA, M. A.; MARCOCCIA, P. C. P. Educação do campo, escolas, ruralidades e o projeto do PNE. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 20, n. 36, p. 191-204, 2011. Disponível em: http://dx.doi.org/10.21879/faeeba2358-0194.v20.n36.310. Acesso em: 23 mar. 2018.

ŽIŽEK, S. Multiculturalism, or, the cultural logic of multinational capitalism. New Left Review, v. 1, n. 225, p. 28-51, 1997. Disponível em: https://newleftreview.org/I/225/slavoj-zizek-multiculturalism-or-the-cultural-logic-of-multinational-capitalism. Acesso em: 23 mar. 2018.

Downloads

Publicado

2018-09-28

Como Citar

VASCONCELOS, P. H. de. Educação do campo: marcos normativos. Quais indivíduos as políticas públicas pretendem formar?. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 865–883, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i3.8652125. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8652125. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos