Memória discursiva em manuais de leitura de meados do século XX

utilitarismo e individualismo na arte de ler

Palavras-chave: História da educação, Letramento, Discurso, Leitura.

Resumo

O artigo mostra a partir da análise de manuais de leitura da primeira metade do século XX e de livros didáticos utilizados no século XXI, o modo pelo qual se construiu uma rede de sentidos sobre leitura. O corpus foi organizado a partir de material coletado no museu Pedagógico da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia e analisado a partir das noções de discurso, sentido e memória discursiva da Análise de Discurso francesa. Mostramos um efeito de retorno do sentido individualista e utilitário de leitura que contraria o sentido polissêmico de uma “arte da leitura”. Percebemos, portanto, a consolidação deste lugar dominante nesta rede de memória discursiva.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Anderson de Carvalho Pereira, Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia

Doutorado em Ciências (Psicologia) pela Universidade de São Paulo. Professor Titular da Universidade Estadual do Sudoeste da Bahia.

Referências

ABREU, M. Três figuras de jovens leitores: alfabetização e escolarização do ponto de vista da História Cultural. In: ABREU, M. (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999. p. 33-77.

ACHARD, P. Memória e produção discursiva do sentido. In: ACHARD, P. (Org.) Papel da memória. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 11-17. (Original publicado em 1983).

ASSOLINI, F. E. P. Pedagogia da leitura parafrástica. 1999. 95 f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo, Ribeirão Preto, SP, 1999. Texto não publicado Tese de Doutorado. FFCLRP-USP.

CARVALHO, E. Primeiro livro de leitura. São Paulo, SP: Paulo de Azevedo & Cia, 1906.

CAVÉQUIA, M. P. A escola é nossa: letramento e alfabetização. 3º ano. São Paulo, SP: Scipione, 2011.

CHARTIER, R. Escutar os mortos com os olhos. Revista do Instituto de Estudos Avançados, v. 24, n. 69, p. 7-30, 2010.

CORACINI, M. J. R. F. O livro didático nos discursos da lingüística aplicada e da sala de aula. In: CORACINI, M. J. (Org.). Interpretação, autoria e legitimação do livro didático: língua materna e língua estrangeira. Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 17-26.

D’ÁVILA, A. Práticas escolares: de acordo com o programa de prática de ensino do curso normal e com a orientação do ensino primário. São Paulo, SP: Editora Saraiva, 1940. v. I.

DARNTON, R. O Grande Massacre de Gatos e outros episódios da história cultural francesa. 4. ed. Rio de Janeiro, RJ: Graal, 1986.

DARNTON, R. Poesia e polícia: redes de comunicação na Paris do século XVIII. Tradução Rubens Figueiredo. 1. ed. São Paulo, SP: Cia das Letras, 2014.

FAGUET, E. A arte de ler. Rio de Janeiro, RJ: Livraria Progresso Editora, 1958.

FOUCAULT, M. A ordem do discurso (aula inaugural do College de France). 21. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2011.

FOUCAULT, M. O sujeito e o poder. In: DREYFUS, H. L. (Org.). Michel Foucault: uma trajetória filosófica: (para além do estruturalismo e da hermenêutica). Tradução: Vera Porto Carrero. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1995. p. 231-24.

GINZBURG, C. Mitos, emblemas e sinais: morfologia e história. São Paulo, SP: Companhia das Letras, 1989.

GUILHAUMOU, J. Le corpus en analyse de discours: perspective historique. Corpus, Nice, v. 1, p. 1-18, 2002. Disponível em: http://corpus.revues.org/8. Acesso em: 26 jul. 2019.

HAROCHE, C. Da anulação à emergência do sujeito: os paradoxos da literalidade no discurso (elementos para uma história do individualismo). In: LANE, S. M. T. (Org.). Sujeito e texto. São Paulo, SP: EDU, 1988. p. 61-86.

HAROCHE, C. O comportamento de deferência: do cortesão à personalidade democrática. História: Questões & Debates, Curitiba, v. 42, n. 1, p. 115-139, 2005.

HÉBRARD, J. Três figuras de jovens leitores: alfabetização e escolarização do ponto de vista da história cultural. In: ABREU, M. (Org.). Leitura, história e história da leitura. Campinas, SP: Mercado de Letras, 1999. p. 33-77.

LOPES, A. de S. C. Letramento e alfabetização: 3. ano. São Paulo, SP: Escala Educacional, 2011.

MALDIDIER, D. Elementos para uma história da AD na França. In: ORLANDI, E. P. et al. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Tradução: Bethânia Sampaio Côrrea Mariani et al. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 1997. p. 15-28.

ORLANDI, E. P. A linguagem e seu funcionamento. Campinas, SP: Pontes, 1987.

ORLANDI, E. P. Discurso: fato, dado, exterioridade. In: CASTRO, M. F. P. (Org.). O método e o dado no estudo da linguagem. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 1996. p. 209-219.

PÊCHEUX, M. As ciências humanas e o “momento atual”. In: ORLANDI, E. P. Análise de discurso: Michel Pêcheux – textos escolhidos por E. P. Oralndi. Campinas, SP: Pontes, 2014a. p. 175-202.

PÊCHEUX, M. Discurso: estrutura ou acontecimento? Campinas, SP: Pontes, 1997a.

PÊCHEUX, M. Leitura e memória: projeto de pesquisa. In: ORLANDI, E. P. Análise de discurso: Michel Pêcheux – textos escolhidos por E. P. Orlandi. Campinas, SP: Pontes, 2014b. p. 141-150.

PÊCHEUX, M. Ler o arquivo hoje. ORLANDI, In: E. P. et al. (Org.). Gestos de leitura: da história no discurso. Tradução: Bethânia Sampaio Côrrea. Mariani et al. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 1997b. p. 55-67.

PÊCHEUX, M. Papel da memória. In: ACHARD, P. (Org.). Papel da memória. Trad. J. H. Nunes, Campinas, SP: Pontes, 1999. p. 49-56. (Original publicado em 1983).

PÊCHEUX, M. Semântica e discurso: uma crítica à afirmação do óbvio. 2. ed. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 1993.

PEREIRA, A. C. Descobrindo o ambiente: discurso e jogo de sentidos em livros didáticos para ensino de ciências. Investigações em Ensino de Ciências (Online), v. 21, p. 1-11, 2016a. Disponível em: https://www.if.ufrgs.br/cref/ojs/index.php/ienci/article/view/15. Acesso em: 26 jul. 2019

PEREIRA, A. C. Memória discursiva e arquivo em manuais de educação infantil de meados do século XX. Memorandum, Belo Horizonte, v. 30, p. 82-103, 2016b.

PFEIFFER, C. C. O saber escolarizado como espaço de institucionalização da língua. In: GUIMARÃES, E.; BRUM-DE-PAULA, M. R. (Org.). Sentido e memória. Campinas, SP: Pontes, 2005.

SCHWARCS, L. M. A longa viagem da biblioteca dos reis – do terremoto de Lisboa à Independência do Brasil. São Paulo, SP: Cia das Letras, 2012.

SERRANI, S. M. Um método para estudar a discursividade na abordagem de questões socioculturais. In: SERRANI, S. M. A linguagem na pesquisa sociocultural: um estudo da repetição na discursividade. Campinas, SP: Ed. da UNICAMP, 1997. p. 53-71.

SOLÈ, I. Disponibilidade para a aprendizagem e o sentido da aprendizagem. In: COLL, C. et al. (Org.). O construtivismo em sala de aula. São Paulo, SP: Ática, 1998. p. 29-54.

TFOUNI, L. V.; PACIFICO, S. M. R. As possibilidades de construção do(s) sentido(s): da fôrma-leitor à função-leitor. Leitura (UFAL), Alagoas, v. 30, p. 141-162, 2005.

VIANA, M. G. A arte da leitura. Porto: Editora Educação Nacional, 1949.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
Pereira, A. de C. (2019). Memória discursiva em manuais de leitura de meados do século XX. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019046. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8652665