Sentidos e significados atribuídos pelos professores sobre a educação escolar da pessoa com deficiência e/ou necessidades especiais na escola de tempo integral

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8653169

Palavras-chave:

Educação especial. Educação inclusiva. Escola em tempo integral. Sentidos e significados.

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar os sentidos e significados atribuídos pelos professores de uma escola pública de tempo integral da região metropolitana de Goiânia/Goiás sobre o processo de escolarização das crianças e jovens com deficiência e/ou necessidades especiais na escola em que trabalham. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas, e no que diz respeito à apreensão dos sentidos e significados, trabalhou-se com a proposta de núcleos de significação apresentados por Wanda Maria Junqueira de Aguiar e Sérgio Ozella. As análises indicaram que, devido às condições precárias de trabalho e à própria dinâmica da organização do trabalho pedagógico na escola em análise, os professores acabam por negligenciar o público alvo da educação especial na perspectiva inclusiva, reforçando o fenômeno da inclusão-excludente e/ou inclusão alienada. Ainda, diante desta realidade, estes profissionais fizeram uma afirmação generalizada de que a escola de tempo integral não é benéfica para as pessoas com deficiência e/ou necessidades especiais.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Michele de Mendonça Leite, Universidade Federal de Goiás

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Professora de espanhol concursada na Rede Municipal de Aparecida de Goiânia, exercendo atualmente a função de Secretária Geral na escola Municipal de Educação Integral Monteiro Lobato. 

Régis Henrique dos Reis Silva, Universidade estadual de Campinas

Doutorado em Filosofia e História da Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor do Departamento de Filosofia e História pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). 

Referências

ACTON, N. Deficiência no terceiro mundo. O correio da UNESCO, v. 9, n. 3, 1981.

ALGEBAILE, E. B. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

AGUIAR, W. M. J. Armadilhas e alternativas nos processos educacionais e na formação de professores: uma análise na perspectiva da psicologia sócio–histórica. In: JACÓ-VILELA, A. M.; SATO, L. (Org.). Diálogos em psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. p. 58-70. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 27 jul. 2017.

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 94, n. 236, p. 299-322, jan./abr. 2013.

BARROCO, S. M. S. Sala de recursos e linguagem verbal: em defesa do desenvolvimento do humano no aluno. In: FACCI, M. G. D.; MEIRA, M. E. M.; TULESKI, S. C. (Org.). A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos. 2. ed. Maringá: Eduem, 2012. p. 277- 298.

BIANCHETTI, R. G. Modelo neoliberal e políticas educacionais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BOURDIEU, P. A miséria do mundo. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

CENCI, A. A retomada da defectologia na compreensão da teoria histórico-cultural de Vygotski. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2015. Não paginado.

COSTA, M. V. Trabalho docente e profissionalismo. Porto Alegre: Sulina, 1995.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

GARCIA, R. M. C. Educação especial na perspectiva inclusiva: determinantes econômicos e políticos. Comunicações, Piracicaba, v. 23, edição especial, 2016.

GÓES, M. C. R. Desafios da inclusão de alunos especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (Org.). Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas: Autores Associados, 2013. p. 69-82.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

KASSAR, M. C. M. Educação especial e Pierre Bourdieu: Algumas contribuições. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: DIÁLOGO E PLURALIDADE, 3., 2007, Marília, SP. Anais... Marília, SP: ABPEE, 2007. p. 127-137.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100, especial, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 07 jul. 2017.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Campinas: Alínea, 2010.

MARX, K. Manuscritos economía y filosofía. Madrid: Alianza, 1985.

MIRANDA, M. G.; SANTOS, S. V. Propostas de tempo integral: a que se destina a ampliação do tempo escolar? Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 3, p. 1073-1098, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 10 set. 2016.

PICOLLO, G. M.; MENDES, E. G. Sobre formas e conteúdos: a deficiência como produção histórica. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 1, p. 283-315, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 12 jun. 2018.

RESENDE, A. C. A. Para a crítica da subjetividade reificada. Goiânia: Ed. da UFG, 2009.

SANTOS, I. R. dos. Bases teóricas-pedagógicas do atendimento educacional especializado das redes públicas municipais de Aparecida de Goiânia/GO e Cascavel/PR. 2016. 234 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SILVA, R. H. dos. R. Apontamentos histórico-críticos sobre a educação especial brasileira: vicissitudes, problemas e perspectivas. In: ZANOLLA, S. R. da. S.; BAPTISTA, T. J. R. (Org.). Educação, cultura, diversidade e formação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. p. 159-191. (As dimensões da formação humana).

TRIÑANES, M. T. R.; ARRUDA, S. M. C. P. Nós sem nós: alunos com deficiência visual na escola de tempo integral. Caxambu, MG, 2010. Disponível em: http://33reuniao.anped.org.br/33encontro. Acesso em: 30 abr. 2017.

VYGOTSKI L. S. Pensamento e palavra In: VYGOTSKI L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Downloads

Publicado

2018-09-28

Como Citar

LEITE, M. de M.; SILVA, R. H. dos R. Sentidos e significados atribuídos pelos professores sobre a educação escolar da pessoa com deficiência e/ou necessidades especiais na escola de tempo integral. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 844–864, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i3.8653169. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653169. Acesso em: 20 out. 2021.

Edição

Seção

Artigos

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)

1 2 > >>