Banner Portal
Sentidos e significados atribuídos pelos professores sobre a educação escolar da pessoa com deficiência e/ou necessidades especiais na escola de tempo integral
PDF

Palavras-chave

Educação especial. Educação inclusiva. Escola em tempo integral. Sentidos e significados.

Como Citar

LEITE, M. de M.; SILVA, R. H. dos R. Sentidos e significados atribuídos pelos professores sobre a educação escolar da pessoa com deficiência e/ou necessidades especiais na escola de tempo integral. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 18, n. 3, p. 844–864, 2018. DOI: 10.20396/rho.v18i3.8653169. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653169. Acesso em: 28 fev. 2024.

Resumo

O objetivo deste artigo é problematizar os sentidos e significados atribuídos pelos professores de uma escola pública de tempo integral da região metropolitana de Goiânia/Goiás sobre o processo de escolarização das crianças e jovens com deficiência e/ou necessidades especiais na escola em que trabalham. Para tanto, foram realizadas entrevistas semiestruturadas, e no que diz respeito à apreensão dos sentidos e significados, trabalhou-se com a proposta de núcleos de significação apresentados por Wanda Maria Junqueira de Aguiar e Sérgio Ozella. As análises indicaram que, devido às condições precárias de trabalho e à própria dinâmica da organização do trabalho pedagógico na escola em análise, os professores acabam por negligenciar o público alvo da educação especial na perspectiva inclusiva, reforçando o fenômeno da inclusão-excludente e/ou inclusão alienada. Ainda, diante desta realidade, estes profissionais fizeram uma afirmação generalizada de que a escola de tempo integral não é benéfica para as pessoas com deficiência e/ou necessidades especiais.
https://doi.org/10.20396/rho.v18i3.8653169
PDF

Referências

ACTON, N. Deficiência no terceiro mundo. O correio da UNESCO, v. 9, n. 3, 1981.

ALGEBAILE, E. B. Escola pública e pobreza no Brasil: a ampliação para menos. Rio de Janeiro: Lamparina, 2009.

AGUIAR, W. M. J. Armadilhas e alternativas nos processos educacionais e na formação de professores: uma análise na perspectiva da psicologia sócio–histórica. In: JACÓ-VILELA, A. M.; SATO, L. (Org.). Diálogos em psicologia social [online]. Rio de Janeiro: Centro Edelstein de Pesquisas Sociais, 2012. p. 58-70. Disponível em: http://books.scielo.org. Acesso em: 27 jul. 2017.

AGUIAR, W. M. J.; OZELLA, S. Apreensão dos sentidos: aprimorando a proposta dos núcleos de significação. Revista Brasileira de Estudos Pedagógicos, Brasília, v. 94, n. 236, p. 299-322, jan./abr. 2013.

BARROCO, S. M. S. Sala de recursos e linguagem verbal: em defesa do desenvolvimento do humano no aluno. In: FACCI, M. G. D.; MEIRA, M. E. M.; TULESKI, S. C. (Org.). A exclusão dos “incluídos”: uma crítica da psicologia da educação à patologização e medicalização dos processos educativos. 2. ed. Maringá: Eduem, 2012. p. 277- 298.

BIANCHETTI, R. G. Modelo neoliberal e políticas educacionais. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

BOURDIEU, P. A miséria do mundo. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1997.

BRASIL. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação (PNE) e dá outras providências. – Brasília: Câmara dos Deputados, Edições Câmara, 2014.

BRASIL. Lei nº 9.394 de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação. Brasília: Ministério da Educação, 1996.

CENCI, A. A retomada da defectologia na compreensão da teoria histórico-cultural de Vygotski. In: REUNIÃO NACIONAL DA ANPED, 37., 2015, Florianópolis. Anais... Florianópolis: UFSC, 2015. Não paginado.

COSTA, M. V. Trabalho docente e profissionalismo. Porto Alegre: Sulina, 1995.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-crítica da formação do indivíduo. 3. ed. rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

GARCIA, R. M. C. Educação especial na perspectiva inclusiva: determinantes econômicos e políticos. Comunicações, Piracicaba, v. 23, edição especial, 2016.

GÓES, M. C. R. Desafios da inclusão de alunos especiais: a escolarização do aprendiz e sua constituição como pessoa. In: GÓES, M. C. R.; LAPLANE, A. L. F. (Org.). Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas: Autores Associados, 2013. p. 69-82.

GRAMSCI, A. Os intelectuais e a organização da cultura. Trad. Carlos Nelson Coutinho. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1982.

KASSAR, M. C. M. Educação especial e Pierre Bourdieu: Algumas contribuições. In: SEMINÁRIO NACIONAL DE PESQUISA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL: DIÁLOGO E PLURALIDADE, 3., 2007, Marília, SP. Anais... Marília, SP: ABPEE, 2007. p. 127-137.

KUENZER, A. Z. Da dualidade assumida à dualidade negada: o discurso da flexibilização justifica a inclusão excludente. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 100, especial, p. 1153-1178, out. 2007. Disponível em: http://www.cedes.unicamp.br. Acesso em: 07 jul. 2017.

LEONTIEV, A. O desenvolvimento do psiquismo. Lisboa: Livros Horizonte, 1978.

LIBÂNEO, J. C. O dualismo perverso da escola pública brasileira: escola do conhecimento para os ricos, escola do acolhimento social para os pobres. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 38, n. 1, p. 13-28, 2012.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Campinas: Alínea, 2010.

MARX, K. Manuscritos economía y filosofía. Madrid: Alianza, 1985.

MIRANDA, M. G.; SANTOS, S. V. Propostas de tempo integral: a que se destina a ampliação do tempo escolar? Perspectiva, Florianópolis, v. 30, n. 3, p. 1073-1098, set./dez. 2012. Disponível em: http://www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 10 set. 2016.

PICOLLO, G. M.; MENDES, E. G. Sobre formas e conteúdos: a deficiência como produção histórica. Perspectiva, Florianópolis, v. 31, n. 1, p. 283-315, jan./abr. 2013. Disponível em: http://www.perspectiva.ufsc.br. Acesso em: 12 jun. 2018.

RESENDE, A. C. A. Para a crítica da subjetividade reificada. Goiânia: Ed. da UFG, 2009.

SANTOS, I. R. dos. Bases teóricas-pedagógicas do atendimento educacional especializado das redes públicas municipais de Aparecida de Goiânia/GO e Cascavel/PR. 2016. 234 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Goiás, Goiânia, 2016.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012. (Coleção polêmicas do nosso tempo).

SILVA, R. H. dos. R. Apontamentos histórico-críticos sobre a educação especial brasileira: vicissitudes, problemas e perspectivas. In: ZANOLLA, S. R. da. S.; BAPTISTA, T. J. R. (Org.). Educação, cultura, diversidade e formação. Campinas, SP: Mercado de Letras, 2016. p. 159-191. (As dimensões da formação humana).

TRIÑANES, M. T. R.; ARRUDA, S. M. C. P. Nós sem nós: alunos com deficiência visual na escola de tempo integral. Caxambu, MG, 2010. Disponível em: http://33reuniao.anped.org.br/33encontro. Acesso em: 30 abr. 2017.

VYGOTSKI L. S. Pensamento e palavra In: VYGOTSKI L. S. A construção do pensamento e da linguagem. Trad. Paulo Bezerra. São Paulo: Martins Fontes, 2001.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.