Banner Portal
O curso de pedagogia no Brasil sob o escopo do programa de Educação para Todos
PDF

Palavras-chave

Formação docente
Política educacional
Educação para Todos

Como Citar

FREITAS, Maria Cleidiane Cavalcante; MENDES SEGUNDO, Maria das Dores; GONÇALVES, Ruth Maria de Paula; SANTOS, José Deribaldo Gomes dos. O curso de pedagogia no Brasil sob o escopo do programa de Educação para Todos. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 19, p. e019028, 2019. DOI: 10.20396/rho.v19i0.8653369. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8653369. Acesso em: 30 maio. 2024.

Resumo

Na atual conjuntura de crise estrutural do capital, são impostas aos países pobres políticas de ajustes socioeconômicos ao atendimento das exigências de sustentabilidade do chamado “mundo globalizado”. Nesse sentido, os organismos internacionais, sobretudo a partir de 1990, passaram a eleger a educação como principal estratégia, estabelecendo paradigmas e diretrizes através de um amplo programa de Educação para Todos (EPT), que atrela o cumprimento de metas educacionais à superação das desigualdades sociais. Assim sendo, busca-se, na presente exposição, desvelar as indicações desse programa de EPT para a profissão docente e suas implicações para o curso de pedagogia no Brasil. Pautado na perspectiva da ontologia marxiano-lukacsiana, o estudo em tela, de natureza bibliográfica e documental, parte do exame de declarações e relatórios de EPT, bem como das Diretrizes Curriculares Nacionais para o curso de pedagogia, aprovadas em 2006. Asseveramos que as reformas educacionais e, consequentemente, a formação do professor da educação básica, mormente as de cunho curricular dos cursos de pedagogia, estão condicionadas às metas de EPT, idealizadas pelo Banco Mundial via seus organismos internacionais, que atribuem importante papel à docência, tendo em vista a universalização e qualidade da educação básica nos países pobres, a exemplo do Brasil.

https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8653369
PDF

Referências

ANDERSON, P. Balanço do neoliberalismo. In: GENTILI, P.; SADER, E. (org.). Pós-neoliberalismo: as políticas sociais e o estado democrático. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1996.

BIANCHETTI, R. G. Modelo neoliberal e políticas educacionais. São Paulo: Cortez, 1996. (Questões da Nossa Época, 56).

BRASIL. Lei n° 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 26 jun. 2014a. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_ato2011-2014/2014/lei/l13005.htm. Acesso em: 10 fev. 2015.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação. Conselho Nacional de Educação. Resolução nº 2, de 1º de julho de 2015. Define as Diretrizes Curriculares Nacionais para a formação inicial em nível superior (cursos de licenciatura, cursos de formação pedagógica para graduados e cursos de segunda licenciatura) e para a formação continuada. Brasília, DF: MEC/CNE/CEB, 2015. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/index.php?option=com_docman&view=download&alias=17719-res-cne-cp-002-03072015&category_slug=julho-2015-pdf&Itemid=30192. Acesso em: 21 mar. 2019.

BRASIL. Ministério da Educação. Conselho Nacional de Educação, Conselho Pleno. Resolução CNE/CP nº 1, de 15 de maio de 2006. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/cne/arquivos/pdf/rcp01_06.pdf. Acesso em: 02 jun. 2011.

BRASIL. Ministério da Educação. Relatório Educação para Todos no Brasil, 2000-2015. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2014b. Disponível em: https://unesdoc.unesco.org/ark:/48223/pf0000232699?posInSet=6&queryId=N-EXPLORE-39a4a39d-cc58-4045-8adc-7d86410f4491. Acesso em: 20 nov. 2016.

FRANCO, M. A. S.; LIBÂNEO, J. C.; PIMENTA, S. G. Elementos para a formulação de diretrizes curriculares para cursos de pedagogia. Cadernos de Pesquisa, v. 37, n. 130, jan./abr. 2007.

HOBSBAWM, E. Era dos extremos: o breve século XX (1914-1991). São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

KEYNES, J. M. Teoria geral do emprego, do juro e do dinheiro, inflação e deflação. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Coleção: os economistas).

MARX, K. Trabalho assalariado e capital e salário, preço e lucro. São Paulo: Expressão Popular, 2010.

MENDES SEGUNDO, M. das. D. O Banco Mundial e suas implicações na política de financiamento da educação básica no Brasil: o Fundef no centro do debate. Fortaleza, 2005. 243f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal do Ceará, Fortaleza, 2005.

MENDES SEGUNDO, M. das. D. O Banco Mundial no comando da educação dos países periféricos. In: RABELO, J. et al. (org.). Trabalho, educação e a crítica marxista. Fortaleza: Imprensa Universitária, 2006.

MÉSZÁROS, I. A crise estrutural do capital. São Paulo: Boitempo, 2009.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). A Declaração de Nova Delhi sobre Educação para Todos. Nova Delhi-Índia, 1993. Disponível em: www.unesco.org.br/publica/Doc_Internacionais/declaraNdelhi. Acesso em: 10 jan. 2017.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Comunicado da quarta reunião do grupo de alto nível de educação para todos: declaração de Brasília. Brasília, DF, 2004. Disponível em: http://www.adur-rj.org.br/5com/pop-up_brasilia.pdf. Acesso em: 25 ago. 2011.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Declaração de Cochabamba sobre Educação Para Todos. Cochabamba-Bolívia, 2001a. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0012/001275/127510por.pdf. Acesso em: 15 jan. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Declaração de Incheon (Educação 2030). Rumo a uma educação de qualidade inclusiva e equitativa e à educação ao longo da vida para todos. Incheon-Coreia do Sul, 2015. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002331/233137por.pdf. Acesso em: 4 jun. 2018.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Declaração Mundial sobre Educação para Todos. Conferência de Jomtien. Jomtien-Tailândia, 1990. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0008/000862/086291por.pdf. Acesso em: 10 maio 2008.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Educação para Todos: o compromisso de Dakar. Brasília: UNESCO: CONSED, 2001b. Disponível em: Disponível em: www.unesco.org.br/publicação/doc-inernacionais/marcoDakar. Acesso em: 18 jun. 2015.

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNCIA E A CULTURA (Unesco). Relatório de monitoramento global de educação para todos 2013/14: ensinar e aprender: alcançar a qualidade para todos. [s. l.], 2014. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0022/002256/225654por.pdf. Acesso em: 10 maio 2015.

ORGANIZAÇÃO DOS ESTADOS IBERO-AMERICANOS PARA A EDUCAÇÃO, A CIÊNICIA E A CULTURA (OEI). XIII Conferência Ibero-americana de Educação: Declaração de Tarija. Tarija-Bolívia, 2003. Disponível em: https://www.oei.es/historico/xiiicie.htm. Acesso em: 15 jan. 2008.

RIBEIRO, L. T. F. et al. Os novos currículos dos cursos de pedagogia: indicadores e tendências. Cadernos de Pesquisa, São Luís, v. 25, n. 4, p. 53-69, out./dez. 2018. Disponível em: http://www.periodicoseletronicos.ufma.br/index.php/cadernosdepesquisa/article/view/10441. Acesso em: 23 mar. 2019.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas: Autores Associados, 2008. (Coleção Memória da Educação).

SCHEIBE, L. Diretrizes curriculares para o curso de pedagogia: trajetória longa e inconclusa. Cadernos de pesquisa, v. 37, n. 130, jan./abr. 2007.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.