O percurso da professora Maria da Glória Ribeiro Moss no Colégio Pedro II

“o famoso concurso de química” (1926-1939)

Palavras-chave: Colégio Pedro II, Concurso de Química, Percurso profissional, Carreira docente, Professoras no ensino secundário

Resumo

Com base nos estudos sobre a presença feminina no Colégio Pedro II, este artigo busca dar enfoque ao percurso profissional de Maria da Glória Ribeiro Moss, a primeira professora de Química que atuou a partir de 1926 no externato desta instituição. A partir de sua história individual, buscou-se compreender as estratégias por ela utilizadas para ingressar na instituição, bem como as mudanças ocorridas na sociedade e no interior do estabelecimento de ensino que viabilizaram a inserção das mulheres no corpo docente do Colégio Pedro II, bem como no ensino secundário, até então ocupado predominantemente por homens. Na perspectiva assinalada por Ginzburg (2006), as fontes foram interrogadas no sentido de sinalizar não apenas a história individual, mas também a história coletiva e da sociedade em que essa professora esteve inserida. A dinâmica gerada por esta atividade constituiu sua subjetividade e sua reflexividade. Como se trata de uma história que inclui homens e mulheres, utilizaremos o gênero como categoria de análise de caráter relacional, buscando não dicotomizar as relações existentes, mas sim situá-las culturalmente. Nesse sentido, a análise dos concursos para a Cátedra de Química, realizados em 1934 e 1939, que teve entre seus candidatos a professora Maria da Glória, a única mulher a concorrer, nos deu indícios das relações de poder estabelecidas tanto no interior do Colégio Pedro II quanto na sociedade da época.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paloma Rezende de Oliveira, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro (PUC-Rio). Estagio pós-doutoral da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). 

Nailda Marinho Costa, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora associada da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). 

Referências

º CONGRESSO Brasileiro de Farmácia. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 18 set. 1928.

ACTOS do poder executivo. Jornal do comércio, Rio de Janeiro, 18 jan. 1927.

ACTOS do poder executivo. Jornal do comércio, Rio de Janeiro, 19 abr. 1923

AINDA o fechamento do Lyceu Nilo Peçanha e a escola normal de Niteroi. Diário carioca, Rio de Janeiro, 28 jul. 1933.

AITA, N. Escorço de fonética comparada luso-italiana. Rio de Janeiro: Ed. Jornal do Commercio, 1921.

ALVES, R. L. Trajetórias femininas no Colégio Pedro II. In: SIMPÓSIO NACIONAL DE HISTÓRIA, 15., 2009, Fortaleza. Anais [...]. Fortaleza: ANPUH, 2009.

ANIVERSÁRIOS. Diário de notícias, Rio de Janeiro, 21 abr. 1937.

AS CONSEQUÊNCIAS de uma reprovação. A rua: semanário ilustrado, Rio de Janeiro, jan. 1923, p. 1.

ASSOCIAÇÃO nacional de farmacêuticos. Gazeta de Notícias, Rio de Janeiro, 08 set. 1945.

BONATO, N. M. da. C. A escola profissional para o sexo feminino através da imagem fotográfica. Tese (Doutorado) – Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Programa de Pós-Graduação em Educação, Campinas, 2003.

BONATO, N. M. da. C. A presença feminina no CPII. CONGRESSO BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2., 2002, Natal. Anais [...]. Natal, 2002.

BONATO, N. M. da. C. Imagens do ser mulher: a escola profissional. In: BARROS, R. M. M. (org.). Subjetividade e educação: conexões contemporâneas. Rio de Janeiro: Contra Capa, 2009. p. 165-178.

COISAS da política. Jornal do Brasil, Rio de Janeiro, 07 set. 1956.

COLÉGIO PEDRO II. Catálogo de teses, dissertações e monografias do CPII. Rio de Janeiro: Colégio Pedro II, 2000.

COLÉGIO PEDRO II. Livro de atas da congregação: 02/04/1925 a 30/05/1934. 250 p.

COLÉGIO PEDRO II. Livro de atas relativas aos concursos de docentes livres, catedráticos e professores: 21/09/1925 a 21/02/1975. s.p.

COLÉGIO PEDRO II. Pasta do concurso de professor catedrático de química do externato do CPII referente à candidata Maria da Glória Moss. 15 jan,1 940. 9 p.

CONGRESSO Brasileiro de Pharmacia. O Jornal, Rio de Janeiro, 22 out. 1922.

CULTOS e crenças. Revista da semana, Rio de Janeiro, seção 02, p. 6, 1935.

DIÁRIO OFICIAL DA UNIÃO, seção 2, p. 11, 22 abr. 1971.

DUBAR, C. A construção de si pela atividade de trabalho: a socialização profissional. Cadernos de pesquisa. v. 42, n. 146, p. 351-367, maio/ago. 2012.

DUBET, F.; MARTUCCELLI, D. A socialização e a formação escolar. Lua Nova, n. 40-41, 1997.

ELIAS, N. O processo civilizador: uma história dos costumes. Rio de janeiro: Zahar, 1994. v. 1.

ESCRAGNOLLE DORIA, L. G. de. Memória histórica. Edição Commemorativa do 1º Centenário do Collegio de Pedro Segundo (2 de dezembro de 1837 – 2 de dezembro de 1937). Publicação oficial sob os auspícios do Ministério da Educação. Rio de janeiro, 1939.

FALECIMENTOS. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 01 set. 1931.

GINZBURG, C. O queijo e os vermes. São Paulo: Companhia das Letras, 2006.

GOMES, A. de. C.; HANSEN, P. Intelectuais mediadores: práticas culturais e ação política. Rio de Janeiro; São Paulo: Civilização Brasileira, 2016.

IRREGULARIDADES na escola de medicina e cirurgia do Instituto hannemannianno: os acadêmicos estão de greve. Diário de Notícias, p. 16, 1930.

MARINHO, N. A engenheira militante feminista Carmem Portinho: a atuação na União Universitária Feminina. In: GASPARELLO, A. M.; VILLELA, H. de. O. S. (org.). Educação na história: intelectuais, saberes e ações instituintes. Rio de Janeiro: Mauad X, 2016. p. 215-232.

MENDONÇA, A. W. P. C. et al. De homens-mundo a especialistas: a disciplinarização do currículo da docência no Colégio Pedro II (1855-1881). In: CONGRESSO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO: MATRIZES INTERPRETATIVAS E INTERNACIONALIZAÇÃO, 3., 2015, Maringá, PR. Anais [...]. Maringá, PR: UEM, 2015.

MENDONÇA, A. W. P. C.; SILVA, F. R. dos. S.; OLIVEIRA, P. R. de. A classe de repetidores do Colégio de Pedro II: um degrau na carreira docente ou uma estratégia de formação? Rev. bras. hist. educ., Maringá-PR, v. 15, n. 3 (39), p. 201-228, set./dez. 2015.

MOSS, M. da. G. Catálise. Rio de Janeiro: TYP. América,1939.

MOSS, M. da. G. Processo catalítico de análise orgânica: catálise. Rio de Janeiro: TYP. América, 1933.

O CONCURSO de química no Colégio Pedro II. Diário de Notícias, Rio de Janeiro, 1934.

OLIVEIRA, P. R. de. Mulheres no magistério secundário: identidades e trajetórias profissionais das primeiras professoras do Colégio Pedro II. REUNIÃO CIENTÍFICA REGIONAL SUDESTE DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PÓS-GRADUAÇÃO E PESQUISA EM EDUCAÇÃO, 13., 2018, Campinas. Anais [...]. Campinas: UNICAMP, 2018.

PERROT, M. Minha história das mulheres. 2. ed. São Paulo: Contexto, 2017. p. 09-39.

PRAUN, A. G. Sexualidade, gênero e suas relações de poder. Revista HUMUS, v. 1, n. 1, 2011.

SAFFIOTI, H. I. B. A mulher na sociedade de classes: mito e realidade. São Paulo: Vozes, 2013.

SANTOS, B. B. M. dos. O Núcleo de documentação e memória do Colégio Pedro II e sua importância para a preservação do patrimônio histórico e cultural da educação brasileira. In: BONATO, N. M. da. C.; XAVIER, L. (org.). A História da educação no Rio de Janeiro: identidades locais, memória e patrimônio. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2013. p. 36-44.

SCOTT, J. História das mulheres. In: BURKE, P. (org.). A escrita da história: novas perspectivas. 4. ed. São Paulo: Ed. UNESP, 1992. p. 75.

SOARES, J. da. C. Aspectos da crise do programa institucional no Colégio Pedro II (1931-1945). Revista Brasileira de História da Educação, v. 17, n. 4 [47], 2017.

SOARES, J. da. C. Dos professores “estranhos” aos catedráticos: aspectos da construção da identidade profissional docente no Colégio Pedro II (1925-1945). Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

VECHIA, A.; LORENZ, K. M. (org.). Programa de ensino da escola secundária brasileira: 1850-1951. Curitiba: Autores, 1998.

VIDA na zona norte: acabou a greve na escola Visconde de Cairu. Tribuna da imprensa, Rio de Janeiro, 20 abr. 1951.

XAVIER, L. N. A construção social e histórica da profissão docente: uma síntese necessária. Revista Brasileira de Educação, v. 19, n. 59, out./dez. 2014.

Publicado
2019-06-04
Como Citar
Oliveira, P. R. de, & Costa, N. M. (2019). O percurso da professora Maria da Glória Ribeiro Moss no Colégio Pedro II. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019022. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654017