Educação histórica e temporalidade

campo e categoria do ensino e aprendizagem em história

Palavras-chave: Educação histórica, Ensino de história, Consciência histórica, Temporalidade.

Resumo

O presente artigo aborda a constituição da educação histórica como campo de pesquisa, bem como da temporalidade como categoria para o ensino e aprendizagem em História. A pesquisa foi desenvolvida a partir de levantamento bibliográfico a qual examinou alguns marcos que foram relevantes para sua formação e consolidação em diferentes países. Também analisou como as noções de temporalidade podem contribuir para o desenvolvimento de uma consciência histórica ou tomada de consciência que possibilite suprir uma orientação temporal e a constituição de uma identidade de alunos e professores a partir do ensino da história. De caráter exploratório, a pesquisa partiu dos estudos de Jörn Rüsen (2010b), Michael Oakeshott (2003) e Eric Hobsbawm (2010), buscou-se compreender e perceber a relevância do tempo na aula de História, bem como relacioná-lo à vida prática.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Flávio Batista dos Santos, Rede Estadual de Educação do Paraná

Doutorando em Educação pela Universidade Estadual de Londrina - PR (UEL). Professor da Rede Estadual de Educação do Paraná (SEED - PR).

Marlene Rosa Cainelli, Universidade Estadual de Londrina

Doutorado em História pela Universidade Federal do Paraná  (UFPR). Professora  da Universidade Estadual de Londrina (UEL).

Referências

ASHBY, R. Desenvolvendo um conceito de evidência histórica: as ideias dos estudantes sobre testar afirmações factuais singulares. Educar em Revista, Curitiba, número especial, 2006. Disponível em: http://www.ojs.c3sl.ufpr.br/ojs2/index.php/educar/.../4056. Acesso em: 20 jul. 2017.

ASSIS, A. A teoria da história de Jorn Rüsen: uma introdução. Goiânia: Ed. UFG, 2010.

BARCA, I. Concepções de adolescentes sobre múltiplas explicações em história. In: BARCA, I. Perspectivas em educação histórica. Actas das Primeiras Jornadas Internacionais de Educação Histórica. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia: Universidade do Minho, 2001a. p. 29-43.

BARCA, I. Educação histórica: uma nova área de investigação. Revista da Faculdade de Letras História. Porto, v. 2, série III, p. 13-21, 2001b.

BARCA, I. O papel da educação histórica no desenvolvimento social. In. CAINELLI, M.; SCHMIDT, M. A. (org.). Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijui: Ed. Unijui, 2011.

BARTON, K. Ideias das crianças acerca da mudança através dos tempos: resultados de investigação nos Estados Unidos e na Irlanda do Norte. In: BARCA, I. (org.). Perspectivas em educação histórica. Actas das Primeiras Jornadas Internacionais de educação histórica. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia, Universidade do Minho, 2001. p. 55-68.

CAINELLI, M. R.; SCHMIDT, M. A. Desafios teóricos e epistemológicos na pesquisa em educação histórica. Revista Antíteses, v. 5, n. 10, p. 509-518, jul./dez. 2012. Disponível em: http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/antiteses/article/view/14501. Acesso em: 15 jul. 2017.

CAINELLI, M. R.; SCHMIDT, M. A. Percursos das pesquisas em educação histórica: Brasil e Portugal. In.: Educação histórica: teoria e pesquisa. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

CERRI, L. F. Ensino de história e consciência histórica: implicações didáticas de uma discussão contemporânea. São Paulo: FGV, 2011.

HELLER, A. O cotidiano e a história. Trad. Carlos Nelson Coutinho e Leandro Konder. São Paulo: Paz e Terra, 2004.

HOBSBAWM, E. J. Era dos extremos: o breve século XX: 1924-1991. Trad. Marcos Santarrita. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOBSBAWM, E. J. Sobre história. Trad. Cid Knipel Moreira. São Paulo: Companhia das Letras, 2010.

LEE, P. Progressão da compreensão dos alunos em história. In. BARCA, I. (org.). Perspectivas em educação histórica. Actas das primeiras jornadas internacionais da educação histórica. Braga: Centro de Estudos em Educação e Psicologia – UMINHO, 2001.

MÉSZÁROS, I. Estrutura social e formas de consciência, volume II: a dialética da estrutura e da história. Trad. Rogério Bettoni. São Paulo: Boitempo, 2011.

OAKESHOTT, M. Sobre a história e outros ensaios. Trad. Renato Rezende. Rio de Janeiro: Topbooks, 2003.

PARANÁ, Secretaria de Estado da Educação. Diretrizes curriculares da educação básica de história. Curitiba: SEED, 2008. Disponível em: http://www.diaadiaeducacao.pr.gov.br. Acesso em: 02 jul. 2017.

RÜSEN, J. História viva: teoria da história: formas e funções do conhecimento histórico. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2010a.

RÜSEN, J. Razão histórica: teoria da história: fundamentos da ciência histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2010b.

RÜSEN, J. Reconstrução do passado: teoria da história II: os princípios da pesquisa histórica. Trad. Estevão de Rezende Martins. Brasília: Ed. UnB, 2010c.

SCHIMIDT, M. A.; CAINELLI, M. Ensinar história. São Paulo: Scipione, 2004.

Publicado
2019-07-31
Como Citar
Santos, F. B. dos, & Cainelli, M. R. (2019). Educação histórica e temporalidade. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019032. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654355