A verdade é uma só!

a disputa política e ideológica na literatura infantojuvenil

Palavras-chave: Leitura, Literatura infantojuvenil, Educação, Conservadorismo, Redes sociais

Resumo

O artigo discute os efeitos da reemergência da direita conservadora no Brasil na Educação, a partir das denúncias de três livros de literatura para crianças, considerados inadequados ao público infantil e juvenil em função de sua temática. Para isso, são consideradas duas abordagens antagônicas no campo da leitura: a primeira é a que afirma, na perspectiva radical-liberal, que é o leitor que daria sentido ao texto, lendo a si mesmo e à sua história nos livros de literatura; a segunda atribui ao texto a significação da narrativa, cabendo ao leitor, a partir de suas condições objetivas e subjetivas de leitura, sua interpretação. Conclui que a tutela das leituras literárias escolares integram projeto maior de controle e de apagamento de visões de mundo divergentes às políticas conservadoras, independentemente das operações de leitura.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Luiz Percival Leme Britto, Universidade Federal do Oeste do Pará

Professor da Universidade Federal do Oeste do Pará (UFOPA).

Fabíola Ribeiro Farias, Universidade Federal do Oeste do Pará

Professora substituta do Centro Federal de Educação Tecnológica de Minas Gerais (CEFET-MG).

Referências

ALBUQUERQUE, M. Autor de livro atribui polêmica à falta de capacitação de professores. Gazeta Online, Vitória, 2 jun. 2017. Disponível em: https://www.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2017/06/autor-de-livro-atribui-polemica-a-falta-de-capacitacao-de-professores-1014062096.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

AUTRAN, P. ‘Foi como uma bigorna na cabeça’, diz Ana Maria Machado. O Globo, Rio de Janeiro, 6 set. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/foi-como-uma-bigorna-na-cabeca-diz-ana-maria-machado-23047123. Acesso em: 4 mar. 2019.

AVRITZER, L. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BÉRTOLO, C. O banquete dos notáveis: sobre leitura e crítica. São Paulo: Livros da Matriz, 2014.

BRANT, A. C. Ana Maria Machado refuta crítica de que livro faz apologia ao suicídio. Portal UAI, Belo Horizonte, 10 set. 2018. Disponível em: https://www.uai.com.br/app/noticia/artes-e-livros/2018/09/10/noticias-artes-e-livros,233800/ana-maria-machado-refuta-critica-de-que-livro-faz-apologia-ao-suicidio.shtml. Acesso em: 4 mar. 2019.

BRANT, J. M. Enquanto o sono não vem. Rio de Janeiro: JPA, 2013.

CALVINO, I. Mundo escrito e mundo não escrito – artigos, conferências e entrevistas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CARVALHO, B. O agente da solidão. In: PELLANDA, L. H. (org.). As melhores entrevistas do Rascunho. Porto Alegre: Arquipélago, 2010. 1 v.

CENTRO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA – Ceale. Nota Técnica sobre o livro BRANT, José Mauro; ilustrações Ana Maria Moura. Enquanto o sono não vem. Rio de Janeiro: JPA, 2013.

COLASANTI, M. Múltiplas leituras, múltiplos saberes. Jornal Notícias Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Rio de Janeiro, n. 9, p. 2-6, set. 2014. Disponível em: http://www.fnlij.org.br/site/jornal-noticias.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

CORTÁZAR, J.; GADEA, O. P. A fascinação das palavras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

DUARTE, N. Lukács e Saviani: a ontologia do ser social e a pedagogia histórico-crítica. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

ECO, U. Confissões de um jovem romancista. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

ECO, U. Introdução. In. BONAZZI, M.; ECO, U. Mentiras que parecem verdades. São Paulo: Summus, 1980.

ECO, U. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 2004.

HAN, B. C. Psicopolítica – o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1996. 1 v.

MACHADO, A. M. O menino que espiava pra dentro. São Paulo: Global, 2008.

MIGUEL, L. F. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, E. S. (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

PERRAULT, C. Contos de Perrault. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Villa Rica, 1994.

PIRES, B. “Meu livro é sobre a ditadura. Jamais pensei que seria censurado”, diz autor de “Meninos sem pátria”. El País, Madrid/São Paulo, 5 out. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/04/cultura/1538677664_945391.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

PUNTEL, L. Meninos sem pátria. São Paulo: Ática, 2002.

Publicado
2019-12-13
Como Citar
Britto, L. P. L., & Farias, F. R. (2019). A verdade é uma só!. Revista HISTEDBR On-Line, 19, e019050. https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654927