Banner Portal
A verdade é uma só!
PDF

Palavras-chave

Leitura
Literatura infantojuvenil
Educação
Conservadorismo
Redes sociais

Como Citar

BRITTO, L. P. L.; FARIAS, F. R. A verdade é uma só! a disputa política e ideológica na literatura infantojuvenil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 19, p. e019050, 2019. DOI: 10.20396/rho.v19i0.8654927. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8654927. Acesso em: 24 fev. 2024.

Resumo

O artigo discute os efeitos da reemergência da direita conservadora no Brasil na Educação, a partir das denúncias de três livros de literatura para crianças, considerados inadequados ao público infantil e juvenil em função de sua temática. Para isso, são consideradas duas abordagens antagônicas no campo da leitura: a primeira é a que afirma, na perspectiva radical-liberal, que é o leitor que daria sentido ao texto, lendo a si mesmo e à sua história nos livros de literatura; a segunda atribui ao texto a significação da narrativa, cabendo ao leitor, a partir de suas condições objetivas e subjetivas de leitura, sua interpretação. Conclui que a tutela das leituras literárias escolares integram projeto maior de controle e de apagamento de visões de mundo divergentes às políticas conservadoras, independentemente das operações de leitura.

 

https://doi.org/10.20396/rho.v19i0.8654927
PDF

Referências

ALBUQUERQUE, M. Autor de livro atribui polêmica à falta de capacitação de professores. Gazeta Online, Vitória, 2 jun. 2017. Disponível em: https://www.gazetaonline.com.br/noticias/cidades/2017/06/autor-de-livro-atribui-polemica-a-falta-de-capacitacao-de-professores-1014062096.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

AUTRAN, P. ‘Foi como uma bigorna na cabeça’, diz Ana Maria Machado. O Globo, Rio de Janeiro, 6 set. 2018. Disponível em: https://oglobo.globo.com/cultura/foi-como-uma-bigorna-na-cabeca-diz-ana-maria-machado-23047123. Acesso em: 4 mar. 2019.

AVRITZER, L. Impasses da democracia no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2016.

BÉRTOLO, C. O banquete dos notáveis: sobre leitura e crítica. São Paulo: Livros da Matriz, 2014.

BRANT, A. C. Ana Maria Machado refuta crítica de que livro faz apologia ao suicídio. Portal UAI, Belo Horizonte, 10 set. 2018. Disponível em: https://www.uai.com.br/app/noticia/artes-e-livros/2018/09/10/noticias-artes-e-livros,233800/ana-maria-machado-refuta-critica-de-que-livro-faz-apologia-ao-suicidio.shtml. Acesso em: 4 mar. 2019.

BRANT, J. M. Enquanto o sono não vem. Rio de Janeiro: JPA, 2013.

CALVINO, I. Mundo escrito e mundo não escrito – artigos, conferências e entrevistas. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

CARVALHO, B. O agente da solidão. In: PELLANDA, L. H. (org.). As melhores entrevistas do Rascunho. Porto Alegre: Arquipélago, 2010. 1 v.

CENTRO DE ALFABETIZAÇÃO, LEITURA E ESCRITA – Ceale. Nota Técnica sobre o livro BRANT, José Mauro; ilustrações Ana Maria Moura. Enquanto o sono não vem. Rio de Janeiro: JPA, 2013.

COLASANTI, M. Múltiplas leituras, múltiplos saberes. Jornal Notícias Fundação Nacional do Livro Infantil e Juvenil, Rio de Janeiro, n. 9, p. 2-6, set. 2014. Disponível em: http://www.fnlij.org.br/site/jornal-noticias.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

CORTÁZAR, J.; GADEA, O. P. A fascinação das palavras. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2014.

DUARTE, N. Lukács e Saviani: a ontologia do ser social e a pedagogia histórico-crítica. In: SAVIANI, D.; DUARTE, N. Pedagogia histórico-crítica e luta de classes na educação escolar. Campinas, SP: Autores Associados, 2012.

ECO, U. Confissões de um jovem romancista. São Paulo: Cosac Naify, 2013.

ECO, U. Introdução. In. BONAZZI, M.; ECO, U. Mentiras que parecem verdades. São Paulo: Summus, 1980.

ECO, U. Lector in fabula. São Paulo: Perspectiva, 2004.

HAN, B. C. Psicopolítica – o neoliberalismo e as novas técnicas de poder. Belo Horizonte: Âyiné, 2018.

ISER, W. O ato da leitura: uma teoria do efeito estético. São Paulo: Ed. 34, 1996. 1 v.

MACHADO, A. M. O menino que espiava pra dentro. São Paulo: Global, 2008.

MIGUEL, L. F. A reemergência da direita brasileira. In: GALLEGO, E. S. (org.). O ódio como política: a reinvenção das direitas no Brasil. São Paulo: Boitempo, 2018.

PERRAULT, C. Contos de Perrault. Belo Horizonte; Rio de Janeiro: Villa Rica, 1994.

PIRES, B. “Meu livro é sobre a ditadura. Jamais pensei que seria censurado”, diz autor de “Meninos sem pátria”. El País, Madrid/São Paulo, 5 out. 2018. Disponível em: https://brasil.elpais.com/brasil/2018/10/04/cultura/1538677664_945391.html. Acesso em: 4 mar. 2019.

PUNTEL, L. Meninos sem pátria. São Paulo: Ática, 2002.

Revista HISTEDBR On-line utiliza a licença do Creative Commons (CC), preservando assim, a integridade dos artigos em ambiente de acesso aberto.

Downloads

Não há dados estatísticos.