Mundo do trabalho e as reformas na educação

a formação do trabalhador flexível e a precarização do ensino

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8655788

Palavras-chave:

Toyotismo, Educação flexível, Reformas do ensino, BNCC

Resumo

Neste artigo, analisa-se o processo de flexibilização do ensino, correlato às reformas da educação em implantação no Brasil. Iniciadas por volta da década de 1990, as mudanças propostas no século XXI, em uma perspectiva dialética, representam a continuidade das teses apresentadas por Delors (1997) no sentido de que estão em sintonia com as necessidades do processo de produção flexível. Em superação ao taylorismo/fordismo, a flexibilidade toyotista caracteriza-se pela redução de custos na produção por meio da flexibilização do processo produtivo e do enxugamento dos postos de trabalho individuais. Seguindo o princípio da produção Just in Time, o ritmo da produção se orienta pela demanda do mercado de modo a manter os estoques reduzidos. A análise desenvolvida no artigo visa apreender as mudanças no processo produtivo e o sentido da formação neo-tecnicista preconizada por meio da Base Nacional Comum Curricular - BNCC, bem como do esvaziamento das possibilidades da formação do indivíduo na perspectiva omnilateral.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Renan Araújo, Universidade Estadual do Paraná

Doutorado em Sociologia pela Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (UNESP). Professor da Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).

Karla Cristina Prudente Pereira, Universidade Estadual do Paraná

Mestrado em Ensino pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR). Professora da Faculdade de Tecnologia e Ciência do Norte do Paraná (UNIFATECIE).

Larissa Ribeiro da Silva, Universidade Estadual do Paraná

Graduação em Pedagogia pela Universidade Estadual do Paraná (UNESPAR).

Referências

ANTUNES, R. Adeus ao trabalho?: ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 4. ed. São Paulo: Cortez; Campinas, SP: Editora da Universidade Estadual de Campinas, 1997.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. 2018. Disponível em: http://basenacionalcomum.mec.gov.br/. Acesso em: 25 nov. 2019.

BRASIL. Lei Nº 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as Leis Nos 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e 11.494, de 20 de junho 2007, que regulamenta o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação, a Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943, e o Decreto-Lei no 236, de 28 de fevereiro de 1967; revoga a Lei no 11.161, de 5 de agosto de 2005; e institui a Política de Fomento à Implementação de Escolas de Ensino Médio em Tempo Integral. Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, DF, n. 35, p. 1-3, 17 fev. 2017.

DELORS, J. (org.). Educação: um tesouro a descobrir. São Paulo: Cortez, MEC-Unesco, 1997.

DUARTE, N. A individualidade para si: contribuição a uma teoria histórico-social da formação do indivíduo. Campinas: Autores Associados, 1999.

FERNANDES. C. M. S. Formação docente e educação: os limites do Ensino Tecnicista do Instituto Federal do Paraná. 2019. 151 f. Dissertação (Mestrado em Ensino) – Universidade Estadual do Paraná, Paranavaí, 2019.

GALUCH, M. T. B.; SFORNI, M. S. de F. Interfaces entre políticas educacionais, práticas pedagógicas e formação humana. Práxis Educativa, Ponta Grossa, v. 6, n. 1, p. 55-66, jan./jun. 2011. DOI: http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.6i1.0005. DOI: https://doi.org/10.5212/PraxEduc.v.6i1.0005

JESUS, A. T. O pensamento e a prática escolar de Gramsci. Campinas: Autores Associados, 2005.

KUENZER, A. Z. Pedagogia da fábrica. As relações de produção e educação do trabalhador. 4. ed. São Paulo: Cortez, 1995.

KUENZER, A. Z. Trabalho e escola: a flexibilização do ensino médio no contexto do regime de acumulação flexível. Educação & Sociedade, Campinas, v. 38, n. 139, p. 331-354, abr./jun. 2017. DOI: https://doi.org/10.1590/es0101-73302017177723

LOUREIRO, B. Escola unitária e hegemonia: a indissociabilidade entre educação e política no pensamento de Antonio Gramsci. Educação Unisinos, São Leopoldo, v. 15, n. 1, p. 13-21, jan./abr. 2011. DOI: https://doi.org/10.4013/edu.2011.151.02

MARX, K.; ENGELS, F. Textos sobre educação e ensino. 2. ed. São Paulo: Moraes, 1992.

NAVILLE, P. Teoria da orientação profissional. São Paulo: Editorial Estampa, 1975.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 4. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SILVA, F. L. G. e. A fábrica como agência educativa. Araraquara: Laboratório Editorial/FCL/UNESP; São Paulo: Cultura Acadêmica, 2004.

Downloads

Publicado

2020-04-30

Como Citar

ARAÚJO, R.; PEREIRA, K. C. P. .; SILVA, L. R. da . Mundo do trabalho e as reformas na educação: a formação do trabalhador flexível e a precarização do ensino. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020011, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8655788. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8655788. Acesso em: 10 ago. 2022.