Representações sociais sobre a feminização do magistério na imprensa pernambucana (1885-1915)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8657105

Palavras-chave:

História da educação, Feminização do magistério, Imprensa pernambucana

Resumo

Considerando a atividade docente no Brasil como sendo iniciada pelos homens e o perfil do professor brasileiro na educação básica como predominantemente feminino (INEP, 2009), faz-se necessário refletir sobre a feminização do magistério nacional e os fatores que contribuíram para tal. Desta forma, a presente pesquisa tem como objetivo compreender as representações sociais sobre a mulher e o magistério feminino na imprensa pernambucana no fim do século XIX e início do século XX, levando em consideração como tais representações podem ter influenciado o processo de feminização do magistério. Para compreender essas representações e suas influências, analisamos jornais escritos por mulheres e para mulheres, bem como jornais de sociedades acadêmicas e a Revista de Instrução Pública de Pernambuco, documento oficial do Estado. Baseamo-nos, teoricamente, nos estudos da história cultural, mais precisamente em Roger Chartier (1990). Nesta perspectiva, é importante ressaltar a importância do trabalho com jornais para a pesquisa em História da Educação, pois estes não apenas retratam a sociedade, mas participam desta. Ao analisar as representações, foi possível perceber a escassez de discursos relacionados à mulher professora. Em contrapartida, é possível perceber a importância da educação da mulher enquanto mãe dos futuros homens da nação. Concluímos que o positivismo contribuiu para feminização do magistério, pois consolida o homem no poder. A educação da mulher e da professora se relacionava com o papel de mãe e a suposta sensibilidade feminina deveria ser direcionada para não se preocupar com futilidades, proporcionando o pleno desenvolvimento de seus alunos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Édla Kerollayne Tavares da Silva, Universidade de Pernambuco

Graduação em Pedagogia pela Universidade de Pernambuco (UPE). Membro do Grupo de Estudos Étnico-racial e Ambiental – GERA da Universidade de Pernambuco (UPE).

Adlene Silva Arantes, Universidade de Pernambuco

Doutorado em Educação pela Universidade Federal da Paraíba (UFPB). Professora adjunta da Universidade de Pernambuco (UPE).

Referências

A MULHER. O Beija-Flor. Recife, ano 1, n. 2, p. 1-2, 10 de jul. de 1880. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

ALMEIDA FILHO, A. J. A pesquisa histórica: teoria, metodologia e historiografia. História da Enfermagem Revista Eletrônica, v. 7, n. 2, p. 381-382, 2016.

ARANTES, A. S. Processos de racialização em escolas primárias pernambucanas (1911-1945). 2014. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, Programa de Pós-Graduação em Educação, João Pessoa, 2014.

ARAÚJO, J. C. S. A imprensa, co-participe da educação do homem. Cadernos de História da educação, v. 1, n. 1, p. 59-62, 2002.

ARAÚJO, L. C.; CUNHA, R. C. Os homens na docência e a feminização do magistério. In: CONGRESSO NACIONAL DE EDUCAÇÃO EDUCERCE, 11., 2013, Curitiba. Anais [...]. Curitiba: PR, 2013. p. 11245-11258.

BRAGA, F. B. R. S. A feminização do magistério em Pernambuco (1872-1890). Revista de História, v. 5, n. 1-2, p. 151-177, 2013.

BURKE, P. O que é história cultural? 2. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2008.

CARREIRO, C P. Discurso. Revista de Instrucção Pública. Recife, ano 4, n.18, p. 24-31, jan. 1902a. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

CARREIRO, C. P. Escolas de professores no Estados Unidos. Revista de Instrucção Pública. Recife, ano 4, n. 18, p. 1-6, jan. 1902b. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

CATANI, D. B. História, memória e autobiografia da pesquisa educacional e na formação. In: CATANI, D. B. (Org.) Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997.

CHARTIER, R. A história cultural: entre práticas e representações. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1990.

FENELON. Pensamentos progressistas. O Grêmio dos Professores Primários. Recife, ano 1, n. 1, p. 8, 25 de março de 1883. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=827614&PagFis=1. Acesso em: 14 maio 2018.

GAMA, A. Discurso proferido na installação do recreio litterario dos normalistas pelo presidente do acto o ilmo. Sr. Dr. Ayres Gama. O Normalista. Recife, ano 1, n. 2, p. 1-2, 31 jul. 1882. 2. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=827584&pesq=4. Acesso em: 12 jun. 2018

GONDRA, J. Medicina, higiene e educação escolar. In: LOPES, E. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. Belo Horizonte: Autêntica, 2003.

INEP. Estudo exploratório sobre o professor brasileiro com base resultados do Censo Escolar da Educação Básica 2007. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira, 2009.

LOURO, G. Gênero e magistério: identidade, história representação. In: CATANI, D. B. (Org.). Docência, memória e gênero: estudos sobre formação. São Paulo: Escrituras, 1997.

LOURO, G. Mulheres na sala de aula. In: PRIORE, M. D. (Org.) História das mulheres no Brasil. São Paulo: Contexto, 2009.

MACHADO, M. C. G. O decreto de Leôncio de Carvalho e os Pareceres de Rui Barbosa em debate – A criação da escola para o povo no Brasil do século XIX. In: STEPHANOU, M.; BASTOS, H. C. (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. v. II: século XIX. Petrópolis, RJ: Vozes, 2005. p. 91-103.

NOGUEIRA, J. K.; SCHELLBAUER, A. R. Feminização do magistério no Brasil: O que relatam os pareceres do primeiro congresso da Instrução do Rio de Janeiro. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, n. 27, p. 78-94, 2007. Disponível em: http://webcache.googleusercontent.com/search?q=cache:y8iuB-LxsbsJ:www.histedbr.fe.unicamp.br/acer_histedbr/jornada/jornada7/_GT1%2520PDF/FEMINIZA%25C7%25C3O%2520DO%2520MAGIST%25C9RIO%2520NO%2520BRASIL.pdf+&cd=1&hl=pt-BR&ct=clnk&gl=br. Acesso em: 24 set. 2020.

O FRUCTO do trabalho e do estado. Mulher. Recife, ano 1, n. 7, p. 3-4, 15 de fev. 1883. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

ORTIGÃO, Ramalho. Pensamentos progressistas. O Grêmio dos Professores Primários. Recife, ano 2, n. 3, p. 8, 25 de fevereiro de 1884. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/DocReader.aspx?bib=827614&PagFis=1. Acesso em: 23 maio 2018.

P. C. M. Apelo as senhoras. A Rosa. Recife, ano 1, n. 3, p. 3, 11 nov. 1890. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

P. C. O mez de novembro. A Rosa. Recife, ano 1, n. 1, p. 1-2, 18 out. 1890. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

PADILHA, L. M. L.; NASCIMENTO M. I. M. A pesquisa histórica e a história da educação. Revista HISTEDEBR On-line, Campinas, SP, n. 66, p. 123-134, 2016. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8643706 . Acesso em: 24 set. 2020.

PEIXOTO, F. M. A escola normal oficial de Pernambuco. Dissertação (Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em Educação, Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2006.

PEREIRA, E. S. Carta aberta a D. Amelia Belaviqua. O Lyrio. Recife, ano 2, n 5, p. 8-10, 01 de mar. 1903. Arquivo Público Estadual Jordão Emerenciano-APEJE.

RABELO, A. O.; MARTINS, A. M. A mulher no magistério brasileiro: um histórico sobre a feminização do magistério. In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO, 2006, Umberlândia. Anais [...]. Uberlândia: MG, 2006. p. 6167-6176..

SILVA, A. C. A. S. O espírito de (in)tolerância na República laica: um olhar na formação da(o)s aluna(o)s-mestres da Escola Normal de Pernambuco (1890-1915). 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal de Pernambuco, Recife, 2005. Disponível em: https://repositorio.ufpe.br/bitstream/123456789/4671/1/arquivo5739_1.pdf. Acesso em: 27 set. 2020.

SILVA, A. M. P.; OLIVEIRA, R. O trabalho docente anunciado no Diário de Pernambuco entre 1851 e 1890. Revista Trabalho e Educação, v. 23, n. 1, p. 275-295, 2014.

SOUZA, R. F. Espaço da educação e da civilização: origens dos grupos escolares no Brasil. In: SAVIANI, D. et al. (org.). O legado educacional do século XIX. Campinas, SP: Autores Associados, 2006. p. 33-70.

YETIM, A. A família. O Normalista. Recife, ano 1, n. 1, p. 2, 06 jul. 1882. Disponível em: http://memoria.bn.br/DocReader/docreader.aspx?bib=827584&pesq=. Acesso em: 03 ago. 2018.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

SILVA, Édla K. T. da .; ARANTES, A. S. . Representações sociais sobre a feminização do magistério na imprensa pernambucana (1885-1915). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021012, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8657105. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8657105. Acesso em: 20 set. 2021.