Brincar de inventar brinquedos e brincadeiras

oficinas de criação para a educação infantil

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8657777

Palavras-chave:

Educação, Brinquedo, Brincadeira

Resumo

A proposta deste texto é apresentar e discutir os dados obtidos com uma pesquisa que fez experiências de criação de brinquedos e brincadeiras com crianças de cinco a seis anos em um espaço escolar. A investigação consistiu na elaboração e aplicação das “Oficinas de Brincar”, com o objetivo de promover encontros presenciais que levassem as crianças a construir brinquedos com materiais reciclados e caracterizá-los por meio de respostas a fichas de observação previamente elaboradas. Após a análise, os dados levantados foram discutidos, levando em conta se os brinquedos teriam resultado da reprodução de objetos previamente existentes no universo dos brinquedos infantis, ou se transpassariam para o universo da invenção, segundo leituras de Benjamin (1984), Kishimoto (1992) e Leite (2013). Observamos, contudo, mesmo nos casos de semelhanças com objetos já existentes, o processo criativo e construtivo da criança permanece atuante e significativo quando os brinquedos criados são nomeados e utilizados em novas brincadeiras. Deste modo, a brincadeira pode ser concebida como uma forma de expressão da criança frente a suas fantasias, realidades e desejos, e o brinquedo como um facilitador do processo inventivo e significativo das crianças.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Vitória Cordasso Santoro , Universidade Federal de São Carlos

Graduação em Pedagogia pela Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). Participante do Grupo de Pesquisa Educação Infantil e Pequena Infância em Contexto (EDIPIC – UFSCar).

Alan Victor Pimenta de Almeida Pales Costa, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor Associado na Universidade Federal de São Carlos (UFSCar).

Referências

ABRAMOWICZ, A. Infâncias em Educação Infantil. Pro-Posições, v. 20, p. 1-15, 2009. Impresso.

ABRAMOWICZ, A.; MORUZZI, A. B. Infância na contemporaneidade: questões para os estudos sociológicos da infância. Crítica Educativa, v. 2, p. 25, 2016.

AGAMBEN, G. Infância e história: destruição da experiência e origem da história. Belo Horizonte, MG: Editora UFMG, 2005.

BENJAMIN, W. Magia e técnica, arte e política. São Paulo: Brasiliense, 1985. (Obras Escolhidas, v. 1).

BENJAMIN, W. Reflexões sobre a criança, o brinquedo e o brincar, a educação. São Paulo: Duas Cidades, 2002.

BENJAMIN, W. Reflexões: a criança, o brinquedo, a educação. São Paulo: Summus, 1984.

BORBA, A. M. O brincar como... In: Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Ensino fundamental de 9 anos. 2. ed. Brasília, 2007. p. 33-45.

BUARQUE DE HOLLANDA, C. João e Maria. In: CANÇADO, B. (Org.). Aquarela brasileira. Brasília: Corte, 1995.

CAMPOS, J. G. C. Métodos de análise de conteúdo: ferramenta para a análise de dados qualitativos no campo da saúde. Rev. Bras. Enferm, Brasília, DF, v. 57, n. 5, p. 611-614, set./out. 2004.

KISHIMOTO, O jogo e a educação infantil. Perspectiva, Florianópolis, n. 22, p. 105-128, jul. 1992.

LEITE, C. D. P. Infância, brinquedo e linguagem: entre recortes e montagens. Revista Sul-Americana de Filosofia e Educação, n. 20, p. 45-63, maio/out. 2013.

LEITE, C. et al. Linguagens e imagens: educação e políticas de subjetivação. Rio de Janeiro: De Petrus et Alii, 2014.

MIGLIORIN, C. Inevitavelmente Cinema: educação, política e mafuá. RJ: Beco do Azougue, 2015.

MONTEIRO LOBATO, J. B. R. Reinações de Narizinho. 51. ed. São Paulo: Brasiliense, 1994.

SCHLESENER, A. H. Arte e educação: observações acerca de a obra de arte na época de sua reprodutibilidade técnica. InCantare, Curitiba, v. 6, p. 7-28, 2014.

TRIPP, D. Pesquisa-ação: uma introdução metodológica. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 31, n. 3, p. 443-466, set./dez. 2005.

WAJSKOP, G. O brincar na educação infantil. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 92, p. 62-69, 1995. (Fundação Carlos Chagas. Impresso).

WINNICOTT, D. W. O Brincar e a realidade. Tradução: José Octavio de Aguiar Abreu, Vanede Nobre. Rio de Janeiro: Imago, 1975.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

SANTORO , T. V. C. .; COSTA, A. V. P. de A. P. . Brincar de inventar brinquedos e brincadeiras: oficinas de criação para a educação infantil. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021017, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8657777. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8657777. Acesso em: 19 set. 2021.