Jovens rurais em luta por educação e trabalho no Brasil

análise documental de eventos nacionais (2007 – 2016)

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8658654

Palavras-chave:

Juventudes rurais, Educação, Trabalho, Sucessão rural

Resumo

As juventudes rurais enfrentam diversas barreiras para constituir seus percursos de inserção social e, na busca pela superação dessas limitações, se organizam em movimentos sociais, compondo o campo político das juventudes. O objetivo do estudo do qual resulta este artigo foi apreender como as pautas em torno da educação e do trabalho são elaboradas e colocadas pelas juventudes rurais que integram os movimentos organizados no Brasil. Para tanto, foi feita uma pesquisa documental que tomou como fontes documentos primários e secundários (atrelados a diversas entidades e organizações), que referem discussões e deliberações de eventos de nível nacional relacionados à organização política dos jovens rurais, entre os anos de 2007 e 2016. Nas reivindicações, pontua-se a centralidade da luta por políticas públicas que garantam o acesso à escola e a ao trabalho digno, como também as marcas da necessidade desses sujeitos de mais autonomia para a produção cotidiana de suas vidas. Aparece fortemente o tema da Sucessão Rural, tendo como questão nuclear a democratização da terra, juntamente com as condições financeiras e de assistência para a permanência no campo, passando, igualmente, pela democratização do trabalho decente, da educação escolar, do reconhecimento cultural e do fomento à agricultura familiar.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Magno Nunes Farias, Universidade Federal de São Carlos

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Goiás (UFG). Bolsista na Universidade Federal de São Carlos (UFSCAR). 

Roseli Esquerdo Lopes, Universidade Federal de São Carlos

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professora titular da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar). 

Referências

ª PLENÁRIA Nacional da Juventude Rural. Propostas para o Plano de Lutas – 2ª Plenária Nacional da Juventude Rural, 2012. Disponível em: http://www.fetagrs.org.br/anexo/9f30c54fbd433ced8869.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

BARCELLOS, S. B. As políticas públicas para a juventude rural: o Pronaf Jovem em debate. Planejamento e políticas públicas, n. 48, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

BOURDIEU, P. A juventude é apenas uma palavra. In: BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 112-121.

BRASIL. Decreto nº 8.736, de 3 de maio de 2016. Plano nacional de juventude e sucessão rural. Brasília, DF: 2016. Disponível: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8736.htm. Acesso: 15 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de operações do Programa Nacional de Crédito Fundiário. Secretária Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário – SEAD e Subsecretaria de Reordenamento Agrário – SRA - Brasília: 2018. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/agricultura-familiar/credito/manuais-e-formularios/manual-de-operacoes-do-programa-nacional-de-credito-fundiario. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). 2020a. Disponível em: http://mds.gov.br/assuntos/seguranca-alimentar/programa-de-aquisicao-de-alimentos-paa. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar 2015. Brasília, DF: Inep, 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo. Acesso em: 12 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Sobre o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). 2020b. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/pnae/pnae-sobre-o-programa/pnae-sobre-o-pnae. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Secretaria Nacional da Juventude da Secretaria-geral da Presidência da República. Relatório Final do 1º Seminário Nacional de Juventude Rural e Políticas Públicas. 2012. Disponível em: www.juventude.gov.br. Acesso em: 14 abr. 2019.

CADERNO de Respostas do Ministério do Desenvolvimento Agrário ao 3º Festival Nacional da Juventude Rural. 3º Festival Nacional da Juventude Rural, 2015. Disponível em: http://www.fetraece.org.br/arquivos/files/Caderno%20de%20respostas%20juventude%20contag.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CALDART, R. S. Educação do Campo. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular, 2012. p. 259-267.

CALDART, R. S. Elementos para construção do projeto político e pedagógico da educação do campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A. de (org.). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional "Por Uma Educação do Campo, 2004. p. 10 -31.

CARTA Política da 3ª Plenária Nacional da Juventude Rural. 3ª Plenária Nacional da Juventude Rural, 2016. Disponível em: http://www.contag.org.br/imagens/ctg_file_797321959_13082018145820.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CASTRO, E. G. de. Entre Ficar e Sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. 2005. 444 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

CASTRO, E. G. de. Juventude do Campo. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. p. 439-446.

CASTRO, E. G. de. Juventude rural, do campo, das águas e das florestas: a primeira geração jovem dos movimentos sociais no Brasil e sua incidência nas políticas públicas de juventude. Revista de Ciências Sociais, v. 45, n. 1, p. 193-212, 2016a.

CASTRO, E. G. Pnra e juventude rural: 30 anos depois? Balanço e apontamentos em um contexto de ruptura institucional. Retratos de Assentamentos, v. 19, p. 98-124, 2016b.

CONTAG, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura. Revista da Juventude Rural, 2007. Disponível em: http://www.contag.org.br/imagens/f323RevistaJuvRural.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CORSEUIL, C. H. L.; FRANCA, M. A. P. Inserção dos jovens no mercado de trabalho brasileiro: evolução e desigualdades no período 2006-2013. Brasília: OIT, 2015.

COSTA, F.L.M. Dinâmica socioeconômica e a juventude do assentamento Florestan Fernandes. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

COVER, M.; CERIOLI, P. R. Juventude rural e modelos de desenvolvimento agrário. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 53-68.

DE PAULA, R. P. et al. Educação e direitos humanos: a participação do PRONERA na construção da Educação do Campo. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, v. 3, p. 15-43, 2015.

FERNANDES, B. M. Educação do campo e território camponês no Brasil. In: SANTOS, C. A. dos. (Org.). Educação do campo: campo - políticas públicas – educação. Brasília: INCRA: MDA, 2008. p. 19-66. (NEAD Especial: 10).

FERREIRA, B.; ALVES, F. Juventude Rural: alguns impasses e sua importância para a agricultura familiar. In: CASTRO, J. A. de.;

AQUINO, L. M. C. de.; ANDRADE, C. C. de (Org.). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: Ipea, 2009. p. 243-258.

FETAEP. Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Paraná. Jornal FETAEP. ed. 83, 2010. Disponível em: https://www.fetaep.org.br/jornais/2010-8.pdf. Acesso em:19 abr. 2019.

FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL; FUNDAÇÃO ROSA LUXEMBURGO. Altas do agronegócio: fatos e números sobre as corporações que controlam o que comemos. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2018.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa – tipos e fundamentos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29 maio/jun. 1995.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Reforma Agrária. 2020. Disponível em: http://www.incra.gov.br/pt/reforma-agraria.html>. Acesso em:19 abr. 2019.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Educação. Políticas Sociais: acompanhamento e análise. Brasília: Ipea, 2017.

JINKINGS, I. O golpe que tem vergonha de ser chamado de golpe. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Org.). Por que gritamos golpe? Para entender. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 12-14.

LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Juventudes no/do campo: questões para um debate. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p.17-27.

MARGULIS, M.; URRESTI, M. La juventud es más que una palabra. In: MARGULIS, M. (org.). La juventud es más que una palabra: ensayos sobre cultura y juventud. Buenos Aires: Biblos, 1996. p. 13-30.

MOLINA, M. C. Prefácio. In.: LEÃO, G..; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 13-16.

MOLINA, M. C.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 220-253, 2014.

PROPOSTA de Plano de Governo de Jair Bolsonaro, 2018. Disponível em: https://flaviobolsonaro.com/PLANO_DE_GOVERNO_JAIR_BOLSONARO_2018.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

SAVIANI, D. Prefácio. In: NOSELLA, P. Educação no campo: origens da pedagogia da alternância no Brasil / Paolo Nosella. Vitória: EDUFES, 2012.

WEISHEIMER, N. Sobre a situação juvenil na agricultura familiar. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 31-52.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

FARIAS, M. N. .; LOPES, R. E. . Jovens rurais em luta por educação e trabalho no Brasil: análise documental de eventos nacionais (2007 – 2016). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021023, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8658654. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8658654. Acesso em: 20 set. 2021.