Banner Portal
Jovens rurais em luta por educação e trabalho no Brasil
PDF

Palavras-chave

Juventudes rurais
Educação
Trabalho
Sucessão rural

Como Citar

FARIAS, Magno Nunes; LOPES, Roseli Esquerdo. Jovens rurais em luta por educação e trabalho no Brasil: análise documental de eventos nacionais (2007 – 2016). Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021023, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8658654. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8658654. Acesso em: 21 maio. 2024.

Resumo

As juventudes rurais enfrentam diversas barreiras para constituir seus percursos de inserção social e, na busca pela superação dessas limitações, se organizam em movimentos sociais, compondo o campo político das juventudes. O objetivo do estudo do qual resulta este artigo foi apreender como as pautas em torno da educação e do trabalho são elaboradas e colocadas pelas juventudes rurais que integram os movimentos organizados no Brasil. Para tanto, foi feita uma pesquisa documental que tomou como fontes documentos primários e secundários (atrelados a diversas entidades e organizações), que referem discussões e deliberações de eventos de nível nacional relacionados à organização política dos jovens rurais, entre os anos de 2007 e 2016. Nas reivindicações, pontua-se a centralidade da luta por políticas públicas que garantam o acesso à escola e a ao trabalho digno, como também as marcas da necessidade desses sujeitos de mais autonomia para a produção cotidiana de suas vidas. Aparece fortemente o tema da Sucessão Rural, tendo como questão nuclear a democratização da terra, juntamente com as condições financeiras e de assistência para a permanência no campo, passando, igualmente, pela democratização do trabalho decente, da educação escolar, do reconhecimento cultural e do fomento à agricultura familiar.

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8658654
PDF

Referências

ª PLENÁRIA Nacional da Juventude Rural. Propostas para o Plano de Lutas – 2ª Plenária Nacional da Juventude Rural, 2012. Disponível em: http://www.fetagrs.org.br/anexo/9f30c54fbd433ced8869.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

BARCELLOS, S. B. As políticas públicas para a juventude rural: o Pronaf Jovem em debate. Planejamento e políticas públicas, n. 48, 2017.

BARDIN, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70 Ltda, 1977.

BOURDIEU, P. A juventude é apenas uma palavra. In: BOURDIEU, P. Questões de sociologia. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1983. p. 112-121.

BRASIL. Decreto nº 8.736, de 3 de maio de 2016. Plano nacional de juventude e sucessão rural. Brasília, DF: 2016. Disponível: http://www.planalto. gov.br/ccivil_03/_Ato2015-2018/2016/Decreto/D8736.htm. Acesso: 15 jun. 2019.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Manual de operações do Programa Nacional de Crédito Fundiário. Secretária Especial da Agricultura Familiar e do Desenvolvimento Agrário – SEAD e Subsecretaria de Reordenamento Agrário – SRA - Brasília: 2018. Disponível em: http://www.agricultura.gov.br/assuntos/agricultura-familiar/credito/manuais-e-formularios/manual-de-operacoes-do-programa-nacional-de-credito-fundiario. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Cidadania. Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). 2020a. Disponível em: http://mds.gov.br/assuntos/seguranca-alimentar/programa-de-aquisicao-de-alimentos-paa. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Ministério da Educação. Instituto nacional de estudos e pesquisas educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar 2015. Brasília, DF: Inep, 2015. Disponível em: http://portal.inep.gov.br/basica-censo. Acesso em: 12 ago. 2016.

BRASIL. Ministério da Educação. Sobre o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE). 2020b. Disponível em: https://www.fnde.gov.br/index.php/programas/pnae/pnae-sobre-o-programa/pnae-sobre-o-pnae. Acesso em: 01 fev. 2020.

BRASIL. Secretaria Nacional da Juventude da Secretaria-geral da Presidência da República. Relatório Final do 1º Seminário Nacional de Juventude Rural e Políticas Públicas. 2012. Disponível em: www.juventude.gov.br. Acesso em: 14 abr. 2019.

CADERNO de Respostas do Ministério do Desenvolvimento Agrário ao 3º Festival Nacional da Juventude Rural. 3º Festival Nacional da Juventude Rural, 2015. Disponível em: http://www.fetraece.org.br/arquivos/files/Caderno%20de%20respostas%20juventude%20contag.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CALDART, R. S. Educação do Campo. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio; Expressão Popular, 2012. p. 259-267.

CALDART, R. S. Elementos para construção do projeto político e pedagógico da educação do campo. In: MOLINA, M. C.; JESUS, S. M. S. A. de (org.). Contribuições para a construção de um projeto de Educação do Campo. Brasília, DF: Articulação Nacional "Por Uma Educação do Campo, 2004. p. 10 -31.

CARTA Política da 3ª Plenária Nacional da Juventude Rural. 3ª Plenária Nacional da Juventude Rural, 2016. Disponível em: http://www.contag.org.br/imagens/ctg_file_797321959_13082018145820.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CASTRO, E. G. de. Entre Ficar e Sair: uma etnografia da construção social da categoria jovem rural. 2005. 444 f. Tese (Doutorado em Antropologia Social) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005.

CASTRO, E. G. de. Juventude do Campo. In: CALDART, R. et al. (org.). Dicionário da Educação do Campo. Rio de Janeiro: Escola Politécnica de Saúde Joaquim Venâncio, Expressão Popular, 2012. p. 439-446.

CASTRO, E. G. de. Juventude rural, do campo, das águas e das florestas: a primeira geração jovem dos movimentos sociais no Brasil e sua incidência nas políticas públicas de juventude. Revista de Ciências Sociais, v. 45, n. 1, p. 193-212, 2016a.

CASTRO, E. G. Pnra e juventude rural: 30 anos depois? Balanço e apontamentos em um contexto de ruptura institucional. Retratos de Assentamentos, v. 19, p. 98-124, 2016b.

CONTAG, Confederação Nacional dos Trabalhadores na Agricultura. Revista da Juventude Rural, 2007. Disponível em: http://www.contag.org.br/imagens/f323RevistaJuvRural.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

CORSEUIL, C. H. L.; FRANCA, M. A. P. Inserção dos jovens no mercado de trabalho brasileiro: evolução e desigualdades no período 2006-2013. Brasília: OIT, 2015.

COSTA, F.L.M. Dinâmica socioeconômica e a juventude do assentamento Florestan Fernandes. Dissertação (Mestrado em Agronomia) – Universidade Estadual de Londrina, Londrina, 2010.

COVER, M.; CERIOLI, P. R. Juventude rural e modelos de desenvolvimento agrário. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2015. p. 53-68.

DE PAULA, R. P. et al. Educação e direitos humanos: a participação do PRONERA na construção da Educação do Campo. Revista Interdisciplinar de Direitos Humanos, v. 3, p. 15-43, 2015.

FERNANDES, B. M. Educação do campo e território camponês no Brasil. In: SANTOS, C. A. dos. (Org.). Educação do campo: campo - políticas públicas – educação. Brasília: INCRA: MDA, 2008. p. 19-66. (NEAD Especial: 10).

FERREIRA, B.; ALVES, F. Juventude Rural: alguns impasses e sua importância para a agricultura familiar. In: CASTRO, J. A. de.;

AQUINO, L. M. C. de.; ANDRADE, C. C. de (Org.). Juventude e políticas sociais no Brasil. Brasília: Ipea, 2009. p. 243-258.

FETAEP. Federação dos Trabalhadores na Agricultura do Estado do Paraná. Jornal FETAEP. ed. 83, 2010. Disponível em: https://www.fetaep.org.br/jornais/2010-8.pdf. Acesso em:19 abr. 2019.

FUNDAÇÃO HEINRICH BÖLL; FUNDAÇÃO ROSA LUXEMBURGO. Altas do agronegócio: fatos e números sobre as corporações que controlam o que comemos. Rio de Janeiro: Fundação Heinrich Böll, 2018.

GODOY, A. S. Pesquisa qualitativa – tipos e fundamentos. Revista de Administração de Empresas, São Paulo, v. 35, n. 3, p. 20-29 maio/jun. 1995.

INCRA. Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária. Reforma Agrária. 2020. Disponível em: http://www.incra.gov.br/pt/reforma-agraria.html>. Acesso em:19 abr. 2019.

IPEA. Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada. Educação. Políticas Sociais: acompanhamento e análise. Brasília: Ipea, 2017.

JINKINGS, I. O golpe que tem vergonha de ser chamado de golpe. In: JINKINGS, I.; DORIA, K.; CLETO, M. (Org.). Por que gritamos golpe? Para entender. São Paulo: Boitempo, 2016. p. 12-14.

LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Juventudes no/do campo: questões para um debate. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p.17-27.

MARGULIS, M.; URRESTI, M. La juventud es más que una palabra. In: MARGULIS, M. (org.). La juventud es más que una palabra: ensayos sobre cultura y juventud. Buenos Aires: Biblos, 1996. p. 13-30.

MOLINA, M. C. Prefácio. In.: LEÃO, G..; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 13-16.

MOLINA, M. C.; ANTUNES-ROCHA, M. I. Revista Reflexão e Ação, Santa Cruz do Sul, v. 22, n. 2, p. 220-253, 2014.

PROPOSTA de Plano de Governo de Jair Bolsonaro, 2018. Disponível em: https://flaviobolsonaro.com/PLANO_DE_GOVERNO_JAIR_BOLSONARO_2018.pdf. Acesso em: 19 abr. 2019.

SAVIANI, D. Prefácio. In: NOSELLA, P. Educação no campo: origens da pedagogia da alternância no Brasil / Paolo Nosella. Vitória: EDUFES, 2012.

WEISHEIMER, N. Sobre a situação juvenil na agricultura familiar. In: LEÃO, G.; ANTUNES-ROCHA, M. I. (Org.). Juventudes do campo. 1. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p. 31-52.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Magno Farias, Roseli Lopes

Downloads

Não há dados estatísticos.