Políticas educacionais brasileiras para EJAI e a educação permanente

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8659484

Palavras-chave:

Políticas educacionais brasileiras, Educação de jovens adultos e idosos, Educação permanente

Resumo

O presente artigo tem como objetivo analisar a relação entre as políticas educacionais brasileiras para Educação de Jovens, Adultos e Idosos (EJAI) e a educação permanente, a partir da abordagem crítica e por meio da pesquisa bibliográfica e documental. Para isso, parte da premissa da educação enquanto direito humano e constitucional, considerando que o direito à formação educacional, como formação humana, não está restrito à escolarização, à Educação Básica ou a determinada faixa etária, pois todos devem ter a possibilidade de aprender ao longo de sua trajetória de vida. Logo, estabelece-se o seguinte problema de investigação: Quais as relações entre as políticas educacionais para Educação de Jovens, Adultos e Idosos e a educação permanente? Como resultado, identificam-se como pontos de convergência entre a educação permanente e as políticas educacionais para EJAI as características histórica e conceitual, pois a EJAI é parte da concepção de educação permanente e ambas possuem características comuns ao fato de não estabelecerem restrições de faixa etária para aprender e se desenvolverem em diferentes âmbitos da educação, como o não formal e o informal.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Talita Costa de Oliveira Almeida, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Mestrado em Educação pela Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG). Integrante do Grupo de Pesquisas em Políticas públicas, educação permanente e práticas educacionais de jovens, adultos e idosos na Universidade Estadual de Ponta Grossa (GEJAI/UEPG).

Rita de Cássia da Silva Oliveira, Universidade Estadual de Ponta Grossa

Doutorado em Filosofia e Ciências da Educação pela Universidade de Santiago de Compostela, revalidado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). Professora Permanente do Programa de Pós-graduação em Educação (Mestrado e Doutorado) na Universidade Estadual de Ponta Grossa (UEPG).

Referências

ARROYO, M. G. Passageiros da noite: do trabalho para a EJA. Petrópolis, RJ: Vozes, 2017.

BARCELOS, V.; DANTAS, T. R. (Org.). Políticas e práticas na educação de jovens e adultos. Petrópolis: Vozes, 2015.

BARROS, R. Educação de adultos: conceitos, processos e marcos históricos. Lisboa: Instituto Piaget, 2013.

BONETI, L. W. Políticas públicas por dentro. 3. ed. rev. Ijuí: Ed. Unijuí, 2011.

BRANDÃO, C. O que é educação. 19. ed. São Paulo: Brasiliense, 1989.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988.

BRASIL. Ministério da Saúde. Portaria Nº 198/GM. Promulgada em 13 fev. 2004. Disponível em: https://www.nescon.medicina.ufmg.br/biblioteca/imagem/1832.pdf. Acesso em: 28 maio 2018.

BRASIL. Senado Federal. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional: Lei Nº 9.394/1996. Brasília: 1996.

BRASIL. Senado Federal. Lei Nº 13.632/2018. Altera a Lei nº 9.394/1996 (Lei de Diretrizes e Bases da. Educação Nacional). Brasília: 2018.

COSTA, C. B.; MACHADO, M. M. Políticas públicas e educação de jovens e adultos no Brasil. São Paulo: Cortez, 2017.

DELORS, J. Educação: um tesouro a descobrir. 8. ed. São Paulo: Cortez; Brasília: MEC/Unesco, 2010.

FAURE, E. Aprender a ser. Lisboa: Bertrand, Difusão Européia do Livro, 1974.

FREIRE, P. A importância do ato de ler: em três artigos que se completam. São Paulo: Autores Associados/Cortez, 1982.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 30. ed. São Paulo: Paz e Terra, 1996.

FREIRE, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 17. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

FURTER, P. Educação e vida. 7. ed. Petrópolis: Vozes, 1976.

GADOTTI, M. Educação contra a educação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1992.

GADOTTI, M. Educação de adultos como direito humano. São Paulo: Editora e Livraria Instituto Paulo Freire, 2009.

GADOTTI, M. Educação popular e educação ao longo da vida. São Paulo: Instituto Paulo Freire, 2016. Disponível em: https://www.paulofreire.org/images/pdfs/Educacao_Popular_e_ELV_Gadotti.pdf. Acesso em: 03 mar. 2016.

GADOTTI, M.; ROMÃO, J. E. (Org.). Educação de jovens e adultos: teoria, prática e proposta. 12. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GOHN, M. G. Educação não-formal e cultura política: impactos sobre o associativismo do terceiro setor. 5. ed. São Paulo: Cortez, 2011.

GOMES, A. M. (Org.). Políticas públicas e gestão da educação. Campinas: Mercado das Letras, 2011.

LESSARD, C. Políticas educativas: a aplicação prática. Petrópolis: Vozes, 2016.

LIMA, L. C. Educação ao longo da vida: entre a mão esquerda e a mão direita. São Paulo: Cortez, 2007.

OLIVEIRA, R. C. S. Terceira idade: do repensar dos limites aos sonhos possíveis. Campinas: Papirus, 1999.

PAIVA, J. Os sentidos dos direitos à educação para jovens e adultos. Petrópolis: DP et Alli; Rio de Janeiro: Faperj, 2009.

PAIVA, V. P. Educação popular e educação de adultos. 2. ed. São Paulo: Loyola, 1983.

PINTO, A. V. Sete lições sobre educação de adultos. 5. ed. São Paulo: Autores Associados: Cortez, 1987.

QUEIROZ, R.B. Formação e gestão de políticas públicas. Curitiba: Intersaberes, 2012.

RANIERI, N. Direito à educação. São Paulo: Ed. da Universidade de São Paulo, 2009. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001876/187688por.pdf. Acesso em: 24 out. 2017.

REQUEJO OSORIO, A. Educação permanente e educação de adultos. Lisboa: Instituto Piaget, 2003.

ROMÃO, J. E.; GADOTTI, M. Educação de adultos: identidades, cenários e perspectivas. Brasília: Liber Livro Editora, 2007.

SAMPAIO, M. N.; ALMEIDA, R. S. (Org.). Práticas de educação de jovens e adultos: complexidades, desafios e propostas. Belo Horizonte: Autêntica, 2009.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 3. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1992.

SCORTEGAGNA, P. A. Políticas públicas e a educação para a terceira idade: contornos, controvérsias e possibilidades. 2010. 185 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Ponta Grossa, Ponta Grossa, 2010.

SHIROMA, E. O.; MORAES, M. C. M.; EVANGELISTA, O. Política educacional. 4. ed., 1 reimp. Rio de Janeiro: Lamparina, 2011.

SOARES, L. Educação de jovens e adultos. Rio de Janeiro: DP&A, 2002.

SPEZIA, C. H.; IRELAND, T. D. Educação de adultos em retrospectiva: 60 anos de Confintea. Brasília: Unesco, 2014. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0023/002305/230540por.pdf. Acesso em: 19 out. 2017.

UNESCO. Declaração de Hamburgo: agenda para o futuro. Brasília: SESI/UNESCO, 1999. Disponível em: http://www.dominiopublico.gov.br/download/texto/ue000006.pdf. Acesso em: 27 fev. 2021.

Downloads

Publicado

2021-06-01

Como Citar

ALMEIDA, T. C. de O. .; OLIVEIRA, R. de C. da S. . Políticas educacionais brasileiras para EJAI e a educação permanente. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021025, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8659484. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8659484. Acesso em: 19 set. 2021.