Banner Portal
O papel do CONSED no processo de formulação de políticas educacionais, no contexto do capital-imperialismo
PDF

Palavras-chave

Educação
CONSED
Estado
Capital-imperialismo

Como Citar

CRUZ, Danilo Bandeira dos Santos. O papel do CONSED no processo de formulação de políticas educacionais, no contexto do capital-imperialismo. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021043, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8659629. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8659629. Acesso em: 18 maio. 2024.

Resumo

O objetivo do presente texto é o de apresentar, de modo panorâmico, algumas reflexões acerca das estratégias de dominação burguesas no contexto do capital-imperialismo ou imperialismo monopolista, bem como do processo de socialização da política diante do movimento de redemocratização do Brasil, cujos desdobramentos refletiram no redesenho do Estado, ampliando-o e alterando o seu funcionamento. Destarte, se perceberá, com base no conceitual gramsciano, que a relação indissociável entre sociedades política e civil passou por alterações qualitativas, em razão da incorporação de novas determinações de cunho econômico, político, social e ideológico, sobretudo nos últimos anos da década de 1990. Nessa direção, foram criadas novas e diversificadas entidades e organizações da sociedade civil com vistas a disputar o direcionamento de políticas sociais, entre as quais, as do campo educacional, constituindo uma complexa rede de influência, da qual o Conselho Nacional de Secretários de Educação – CONSED - é parte integrante e fundamental. A análise foi direcionada a partir de levantamento bibliográfico, com destaque aos seguintes documentos: Projeto de Reconstrução Nacional (1991), Relatório de Gestão (1996) e Estatuto do Conselho Nacional de Secretários Estaduais de Educação (2010), além da Emenda Constitucional nº 14 de 1996. Conclui-se que a atuação do CONSED se definiu como de grande relevância no movimento de atualização das estratégias de dominação das classes e frações de classe no poder, visto que sua influência junto a diferentes instâncias públicas e privadas e sua capilaridade em relação aos sistemas e redes de ensino do país, lhe conferiu (e segue conferindo) uma posição privilegiada na implementação dos projetos das classes dirigentes ou frações empresariais burguesas.

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8659629
PDF

Referências

ABRUCIO, L, F.; SAMUELS, D. A Nova Política dos Governadores. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, 1997. Disponível em: scielo.br/j/In/i/1997.n40-41/. Acesso em: 19 maio 2020.

AGUIAR, M. Â. da S. O Conselho Nacional de Secretários de Educação na Reforma Educacional do Governo FHC. Educ. Soc., Campinas, v. 23, n. 80, p. 72-89, set. 2002. Disponível em: https://www.cedes.unicamp.br/. Acesso em: 17 mar. 2020.

BOITO JUNIOR, A. Sindicalismo e Estado no Brasil. Campinas, Edição do IFCH – Unicamp, 2006.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Emenda Constitucional n. 14, de 1996. Exposição de Motivos nº 273, de 13 de outubro de 1995.

BRASIL. Brasil: um Projeto de Reconstrução Nacional. Brasília, 1991.

BRETTAS, T. Capitalismo dependente, neoliberalismo e financeirização das políticas sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Consequência, 2020.

CARMO, E. Federalismo e Políticas Públicas Educacionais. Espaço Público, v. 3, p. 117-136, abr. 2019. Disponível em: https://periodicos.ufpe.br/revistas/politicaspublicas/article/view/240107. Acesso em: 13 maio 2020.

CASIMIRO, F. H. C. A nova Direita: aparelhos de ação política e ideológica no Brasil contemporâneo. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular. 2018.

CONSED. Conselho Nacional de Secretários de Educação. Estatuto do Conselho Nacional dos Secretários de Educação. Reforma estatutária consolidada e aprovada na II Reunião Ordinária do Fórum de Secretários do CONSED/2010, realizada em 23 de junho de 2010, na cidade de Rio Branco, AC.

CONSED. Conselho Nacional de Secretários de Educação. Institucional: sobre o Consed. Disponível em: http://www.consed.org.br/consed/consed/missao-e-objetivos. Acesso em: 17 mar. 2020.

CONSED. Conselho Nacional de Secretários de Educação. CONSED 10 anos: relatório de gestão: 1995-1996. Brasília, DF, 1996.

FERNANDES, F. Sociedade de classes e subdesenvolvimento. 5. ed. rev. São Paulo: Global, 2008.

FONTES, V. O Brasil e o capital-imperialismo: teoria e história. 2. ed. Rio de Janeiro: Ed. da EPSJV: UFRJ, 2010. 388 p.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere – Volume 3: Maquiavel, notas sobre o Estado e a política. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

GRAMSCI, A. Cadernos do Cárcere –Volume 3. Edição e tradução, Carlos Nelson Coutinho; co edição, Luiz Sérgio Henrique e Marco Aurélio Nogueira. 3. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2011.

LENIN, V. I. Imperialismo, estágio superior do capitalismo: ensaio popular. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

LORENZONI, I. Estados e Municípios trabalham para elaborar metas; prazo vai até julho do próximo ano. Ministério da Educação. Portal MEC. Brasília. 2014. Disponível em: http://portal.mec.gov.br/ultimas-noticias/222-537011943/20786-estados-e-municipios-trabalham-para-elaborar-metas-prazo-vai-ate-julho-do-proximo-ano. Acesso em: 11 abr. 2020.

MARANHÃO, É. de A. O papel do Conselho Nacional de Secretários de Educação (CONSED) no cenário educacional do País. Centro de Informações e Biblioteca em Educação, CIBEC. Brasília, DF, 2000.

MELLO, G. N.; NEUBAUER SILVA, R. Política educacional no governo Collor: antecedentes e contradições. (Texto para Discussão/IESP, 3). São Paulo: FUNDAP/IESP, 1992.

MINELLA, A. C. Análise de redes sociais, classes sociais e marxismo. Revista Brasileira de Ciências Sociais, v. 28, n. 83, p. 185-242, 2013. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbcsoc/i/2013.v28n83/. Acesso em: 29 maio 2020.

MONTAÑO, C.; DURIGUETTO, M. L. Estado, classe e movimento social. 3. ed. São Paulo: Cortez, 2011. (Biblioteca básica de serviço social, v. 5).

MOVIMENTO PELA BASE. Quem Somos. Disponível em: http://http://movimentopelabase.org.br/quem-somos/. Acesso em: 10 abr. 2020.

NEVES, L. M. W. Educação e política no Brasil de hoje. 4. ed. São Paulo: Cortez, 2005.

POULANTZAS, N. O Estado, o poder, e socialismo. 1. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015.

ROMANELLI, O. História da educação no Brasil, 1930-1973. 9. ed. Petrópolis: Vozes. 1987.

SAES, D. Estado e democracia: ensaios teóricos. UNICAMP: IFCH, 1994. (Coleção Trajetória, 1).

SAES, D. República do Capital: capitalismo e processo político no Brasil. São Paulo, Boitempo, 2001.

SANO, H. Articulação horizontal no federalismo brasileiro: os conselhos de secretários estaduais. 308 f. 2008. Tese (Doutorado em Administração Pública e Governo) – Fundação Getúlio Vargas, 2008.

SAVIANI, D. O legado educacional do regime militar. Cad. Cedes, Campinas, v. 28, n. 76, p. 291-312, set./dez. 2008. Disponível em: https://www.cedes.unicamp.br/publicacoes/edicao/254. Acesso em: 23 abr. 2020.

SHIROMA, E. O.; EVANGELISTA, O. Estado, capital e educação: reflexões sobre hegemonia e redes de governança. Revista Educação e Fronteiras On-Line, Dourados, v. 4, n. 11, p. 21-38, maio/ago. 2014. Disponível em: https://ojs.ufgd.edu.br/index.php/educacao/article/view/4359. Acesso em: 10 abr. 2020.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2021 Danilo Bandeira dos Santos Cruz

Downloads

Não há dados estatísticos.