Educação integral e trabalho

concepções em disputa nos Manifestos de 1932 e 1959

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8659779

Palavras-chave:

Educação integral, Trabalho, Manifestos

Resumo

Este artigo tem, como objetivo, analisar as apropriações dos conceitos de Educação Integral e de Trabalho no Manifesto dos Pioneiros da Educação Nova (1932) e no Manifesto Mais Uma Vez Convocados (1959), ambos produzidos por intelectuais de diferentes orientações político-filosóficas e publicados em conjunturas importantes no cenário educacional brasileiro. Os dois documentos, apesar da distância no tempo de quase três décadas, tornaram-se marcos na história da educação brasileira pelo seu caráter democrático, ao congregar diferentes grupos em defesa da escola pública, laica e gratuita. Neste estudo, buscamos compreender qual concepção de educação integral prevalece nos referidos documentos, e o sentido atribuído ao trabalho enquanto categoria pedagógica, na medida em que também é tematizado pelos seus signatários. Em termos teóricos e metodológicos, nos orientamos pelo materialismo histórico e dialético, evidenciando contradições, limites e, sobretudo, os projetos societários em disputa nesse material que se tornou um de nossos objetos de pesquisa. Por meio das análises realizadas, constatamos que nos documentos supracitados existem relações diretas entre Educação Integral e Trabalho e que a concepção de Educação Integral, bem como o sentido pedagógico atribuído ao Trabalho estão ancorados pela hegemonia do projeto nacional-desenvolvimentista de capitalismo dependente, cujas oscilações se devem às disputas internas no interior da própria classe dirigente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Cosme Leonardo Almeida Maciel, Município de Casimiro de Abreu

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO). Professor de História, na Educação Básica do Município de Casimiro de Abreu-RJ (PMCA).

Lígia Martha Coimbra da Costa Coelho, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Professora associada da Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro (UNIRIO).

Referências

ALMEIDA, J. de; PINTO, K. N. (Org.). Educação integral no Brasil de hoje. Pernambuco: Editora Universitária (UFPE), 2013.

BRASIL. Lei nº 4.024, de 20 de dezembro de 1961. Fixa as diretrizes e bases da educação nacional. Lei de Diretrizes e Bases da Educação-LDB. Brasília, DF, 1961. Disponível em: http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l5540.htm. Acesso em: 14 dez. 2020.

BRASIL. LEI nº 5.692, de 11 de agosto de 1971. Fixa diretrizes e bases para o ensino de 1º e 2º graus, e dá outras providências. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília, DF, 1971. Disponível em: https://www2.camara.leg.br/legin/fed/lei/19701979/lei-5692-11-agosto-1971-357752-publicacaooriginal-1-pl.html. Acesso em: 05 dez. 2020.

BUFFA, E. Ideologias em conflito: escola pública e escola privada. São Paulo: Cortez & Moraes, 1979.

CIAVATTA, M. Trabalho como princípio educativo. Dicionário de Educação Profissional em Saúde. Rio de Janeiro: Fundação FioCruz, 2008.

FRIGOTTO, G.; CIAVATTA, M. Trabalho como princípio educativo. In: SALETE, R.; et al. (Org.). Dicionário da educação do campo. Rio de Janeiro, São Paulo: Escola Politécnica Joaquim Venâncio: Expressão Popular, 2012.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere: volume 2: os intelectuais, princípio educativo, jornalismo. 6. ed. Rio de Janeiro: Civilização brasileira, 2011.

KUENZER, A. Desafios teórico-metodológicos da relação trabalho-educação e o papel social da escola. In: FRIGOTTO, G. (Org.). Educação e crise do trabalho: perspectivas de final de século. 8. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 1998.

MANIFESTO DOS EDUCADORES: mais uma vez convocados (2003 [1959]). In: MAGALDI, A. M.; GONDRA, J. G. (Org.). A reorganização do campo educacional no Brasil. Manifestos, manifestações e manifestantes. Rio de Janeiro: 7 Letras. p. 157-177.

MANIFESTO DOS PIONEIROS da educação nova (2003 [1932]). In: MAGALDI, A. M.; GONDRA, J. G. (org.). A reorganização do campo educacional no Brasil. Manifestos, manifestações e manifestantes. Rio de Janeiro: 7 Letras. p. 125-147.

MONTALVÃO, S. de S. As representações do intelectual no manifesto mais uma vez convocados (1959). AZEVEDO, A. N.; CARVALHO, M. P. (Org.). Revista Intellèctus, ano XIV, n. 2, p. 189-206, 2015.

RAMOS, M. N. História e política da educação profissional. Curitiba: Instituto Federal do Paraná, 2014. (Coleção formação pedagógica, v. 5).

ROMANELLI, O. de O. História da educação no Brasil (1930/1970). 37. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2012.

SANFELICE, J. L. O manifesto dos educadores (1959) à luz da história. Educ. Soc., Campinas, v. 28, n. 99, p. 542-557, maio/ago. 2007.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

VIDAL, D. G. 80 anos do manifesto dos pioneiros da educação nova: questões para debate. Educ. Pesquisa, São Paulo, v. 39, n. 3, p. 577-588, jul./set. 2013.

XAVIER, L. N. Manifestos, cartas, educação e democracia. In: MAGALDI, A. M.; GONDRA, J. G. (org.). A reorganização do campo educacional no Brasil: manifestações, manifestos e manifestantes. Rio de Janeiro: 7Letras, 2003.

XAVIER, L. N. Para além do campo educacional: um estudo sobre o manifesto dos pioneiros da educação nova (1932). Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

XAVIER, M. E. S. P. Capitalismo e escola no Brasil: a constituição do liberalismo em ideologia educacional e as reformas do ensino (1931 – 1961). Campinas, SP: Papirus, 1990.

Downloads

Publicado

2021-08-02

Como Citar

MACIEL, C. L. A.; COELHO, L. M. C. da C. Educação integral e trabalho: concepções em disputa nos Manifestos de 1932 e 1959. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021040, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8659779. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8659779. Acesso em: 19 out. 2021.