Temporalidades, territórios e currículo

contribuições para o ensino de História dos anos iniciais do ensino fundamental

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8660278

Palavras-chave:

Currículo, Temporalidades, Território, Ensino de história, Museu Vivo do São Bento

Resumo

O presente artigo situa-se no debate do currículo de História nos anos iniciais do Ensino Fundamental, tendo como premissa uma educação democrática, plural e com significados para os alunos das classes trabalhadoras que vivem em Duque de Caxias, cidade da Baixada Fluminense, RJ. Para isso, buscou-se explorar a experiência do Museu Vivo do São Bento e suas diferentes perspectivas no processo de usos do contexto do território para elaborar significados, identidades e pertencimento. No texto se propõe uma articulação entre currículo, temporalidades e territórios para o ensino da História, considerando as singularidades de contextos locais e as engenhosidades cotidianas como conteúdo para o trabalho em sala de aula.

 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Nielson Rosa Bezerra, Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em História pela Universidade Federal Fluminense. Coordenador do Programa de Pós-graduação em Educação, Cultura e Comunicação em Periferias da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

 

Marta Ferreira da Silva , Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro

Mestrado em Educação pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora Substituta da Universidade Federal Rural do Rio de Janeiro.

 

 

Eliana da Silva Laurentino , Universidade do Estado do Rio de Janeiro

Doutorado em História pela Universidade do Estado do Rio de Janeiro. Professora da Rede Estadual de Educação do Rio de Janeiro.

Referências

ALVES, L. P. A planta da casa que vira: astúcia no dizer e no viver. In: DAVID, F. B., RUFINO, M. M., ALVARENGA, M. S. de. (Org.) Professoras pensam a Cidade – A Educação Pública em Debate no município de Duque de Caxias. Rio de Janeiro: H.P. Comunicação Editora. 2011, p. 11-23.

ALVES, N. Decifrando o pergaminho – os cotidianos das escolas nas lógicas das redes cotidianas. In: ALVES, N.; OLIVEIRA, I. Pesquisas nos/dos/com os cotidianos das escolas sobre redes de sabres. Petrópolis: DP, 2008.

ARROYO, Miguel G. Currículo, território em disputa. Petrópolis: Vozes, 2013.

AZEVEDO, P. B; PAULO, L. H. Ensino de História e Memória Social: a construção da História ensinada nas séries iniciais do Ensino Fundamental. Anais do XIII Encontro de História ANPUH-Rio: Identidades. Seropédica: UFRRJ, 2008.

BORGES, V. P. O que é história? São Paulo: Brasiliana, 1987.

BURKE, P. A escrita da História: novas perspectivas. Rio de Janeiro: São Paulo: UNESP, 1991.

CAIMI, F. E. História escolar e memória coletiva: como se ensina? Como se aprende? In: ROCHA, H. A. B.; MAGALHÃES, M.; GONTIJO, R. (Org.). A escrita da história escolar: memória e historiografia. Rio de Janeiro: FGV, 2009.

CERTEAU, M. A invenção do cotidiano 1: Artes de fazer. Petrópolis: Vozes, 1996.

GARCIA, A. Composições e enredamentos nos currículos: a produção cotidiana de sentidos com a formação de professores. Revista Teias, v. 11, n. 23, p.1-16, julho-dez 2010.

GARCIA, A. Currículo: sobre sentidos e produções cotidianas. In: FERRAÇO, C. E. (Org.). Diferentes perspectivas de currículo na atualidade. Petrópolis: DP, 2015. v. 1, p. 289-304.

GARCIA, A.; RODRIGUES, A. Dos encontros nos currículos: esculturas singulares e cotidianas de fazersaberes. Cadernos Pesquisa de Educação. N. 45 (2017), p. 121-136.

GIL, Gilberto. Tempo rei. Raça humana. Rio de Janeiro: WMB, 1984.

HAESBAERT, Rogério. Território e multiterritorialidade: um debate. Revista GEOgrafhia. Ano IX, N. 17 (2007), p. 19-45.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA ESTATÍSTICA. IBGE. Censo demográfico 2010. Características da população e dos domicílios: resultados do universo. Rio de Janeiro: IBGE, 2011.

PARAÍSO, Marlucy Alves. Currículo, Desejo e Experiência. Educação & Realidade. Vol. 34. N. 2 (2009), p. 277-293.

POMIAN, K. "Tempo Temporalidade". Enciclopédia Einaudi. Vol. 29. Lisboa: Imprensa Nacional- Casa da Moeda, 1993, p. 10-91.

REIS, J. C. História e teoria. Historicismo, modernidade, temporalidade e verdade. 2. Ed. Rio de Janeiro: FGV, 2005.

SANTO AGOSTINHO. Confissões. 6. ed. Tradução de Maria Luiza Jardim Amarante. São Paulo: Paulus, 1995.

SILVA, M. G.; SOUZA, M. S. Os professores e a construção do eco-museu no município de Duque de Caxias (RJ): um relato de experiência. In: PEREZ, C. L.; TAVARES, M. T. G.; ARAUJO, M. S. (Org.). Memória e patrimônios; experiências em formação de professores. Rio de Janeiro: Ed. da UERJ, 2009.

SILVA, T. T. Documentos de identidade: uma introdução às teorias do currículo. São Paulo: Autêntica, 2015.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

BEZERRA, N. R.; SILVA , M. F. da .; LAURENTINO , E. da S. . Temporalidades, territórios e currículo: contribuições para o ensino de História dos anos iniciais do ensino fundamental . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021047, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8660278. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660278. Acesso em: 8 ago. 2022.