O que importa na leitura de bons livros

Inácio de Loyola e Padre Antônio Vieira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8660433

Palavras-chave:

História da educação, Inácio de Loyola, Padre Antônio Vieira, Companhia de Jesus, Educação jesuítica

Resumo

Neste artigo, analisa-se a Autobiografia de Loyola e o Sermão a Santo Inácio, do Padre Antônio Vieira, investigando aspectos importantes narrados por Loyola e aproveitados por Vieira, relacionados às mudanças nos modos de leitura para homens leigos: a leitura solitária, íntima, interior, individual. Esses novos modos de leitura tiveram início, segundo parece a Foucault, no século XIV, com a Devotio Moderna, propagados pelos Irmãos de Vida Comum, transformações que seriam consideradas por Ariès e Chartier como de maior avanço da modernidade. O caminho de análise do discurso leva em conta que tanto Inácio de Loyola quanto o Padre Vieira expressam em seus escritos o que lhes era visível enquanto membros de uma ordem religiosa católica, dos séculos XVI e XVII, respectivamente. O estudo da narrativa e do Sermão a Santo Inácio revela que os jesuítas, embora inscritos na modernidade, seguiam firmes na defesa de uma mentalidade religiosa de disciplinar o que os fiéis deviam ou não ler. No século XVI, de Loyola, os perigos da leitura solitária envolviam a interpretação, compreensão e escrita de textos por pessoas leigas e protestantes, longe dos olhos vigilantes da Igreja Católica. No século XVII, de Vieira, o ataque à autoridade e tradição da Igreja devia-se à mentalidade racional/científica que se estabelecia na Europa nesse mesmo período.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Romualdo Hernandes, Universidade Federal de Alfenas

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professor Associado 3 do Programa Profissional de Pós-Graduação em História Ibérica e do Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de Alfenas.

João Ricardo dos Santos Campanholo, Educação Básica em Minas Gerais

Mestrado em História Ibérica pela Universidade Federal de Alfenas. Professor da Educação Básica em Minas Gerais.

Antônio Santos de Oliveira Júnior, Educação Básica em Minas Gerais

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Alfenas. Professor da Educação Básica em Minas Gerais.

 

Referências

ANDRES, M. La teologia española em el siglo XVI. Biblioteca de Autores Cristianos, de EDICA, S. A Madrid, 1976.

ARIÈS, P. Por uma história da vida privada. In: CHARTIER, R. (Org.). Historia da vida privada 3: da Renascença ao século das luzes. Tradução de Hidelgard Feist. São Paulo: Companhia de Jesus, 1991. p. 7-19.

AZEVEDO, J. L. História de Antônio Vieira. São Paulo: Alameda, 2008.

BARTHES, R. Sade, Fourier, Loiola. Tradução de Maria de Santa Cruz. Lisboa: Edições 70, 1979.

BOSI, A. Introdução Antônio Vieira: vida e obra. Um esboço. In: VIEIRA, A. Antônio Vieira essencial. São Paulo: Penguin Classics: Companhia da Letras, 2011. p. 9-127.

BOTO, C. A dimensão iluminista da reforma pombalina dos estudos: das primeiras letras à universidade. Revista Brasileira de Educação, v. 15, n. 44, p. 282-299, maio/ago. 2010. Disponível em: https://bityli.com/NfjHip. Acesso em: 12 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/S1413-24782010000200006

BOTO, C. O desencantamento da criança: entre a Renascença e o Século das Luzes. In: FREITAS, M. C.; KUHLMANN JR., M. (Org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002. p. 11-60.

CAMBI, F. História da pedagogia. Tradução de Álvaro Lorencini. São Paulo: Fundação Editora da UNESP (FEU), 1999.

CARVALHO, R. História do ensino em Portugal: desde a fundação da nacionalidade, até o fim do regime de Salazar-Caetano. 3. ed. Lisboa: Fundação Calouse-Gulbenkian, 2001.

CHARTIER, R. A ordem dos livros: leitores, autores e bibliotecas na Europa entre os séculos XIV e XVIII. Tradução de Mary Del Priori. Brasília: Ed. da UnB.

CHARTIER, R. As práticas da escrita. In: CHARTIER, R. (Org.). Historia da vida privada 3: da Renascença ao século das luzes. Tradução de Hidelgard Feist. São Paulo: Companhia das Letras, 1991. p. 112-161.

CHARTIER, R. Leituras e leitores “populares” da Renascença ao período clássico. In: CARVALHO, G.; CHARTIER, R. (Org.). História da leitura no mundo ocidental. Tradução de Guacira Marcondes Machado. São Paulo: Ática, 2002. p 117-133.

CONSTITUIÇÕES da Companhia de Jesus e normas e regras. São Paulo: Loyola, 1997.

DEMOUSTIER, A. L’originalité des exercices spirituels. In: GIARD, L.; VAUCELLES, L. (org.). Les Jesuítes à L’âge baroque (1540-1640). Grenoble: Edition Jeróme Millon er les auteurs, 1996. p. 23-35.

DESCARTES, R. Discurso do método. As paixões da alma. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir. nascimento da prisão. Tradução de Lígia M. Pondé Vassallo. Petrópolis: Vozes, 1977.

GRANGER, G-G. Intodução. In: DESCARTES, R. Discurso do método. As paixões da alma. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

HERNANDES, P. R. A Companhia de Jesus no século XVI e o Brasil. Revista HISTEDBR on line, Campinas, n. 40, p. 222-244, dez. 2010. Disponível em: https://bityli.com/wPcEyw. Acesso em: 08 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.20396/rho.v10i40.8639816

JULIA, D. Leituras e contrarreforma. In: CARVALHO, G.; CHARTIER, R. (org.). História da leitura no mundo ocidental 2. Tradução de Guacira Marcondes Machado. São Paulo: Ática, 2002. p 79-116.

LAUWERS, M. Verbete Devotio Moderna. In: LACOSTE, J. Y. (Org.). Dicionário crítico de teologia. Trad. Paulo Meneses. São Paulo: Paulinas: Loyola, 2004.

LEBRUN, G. “Prefácio” In: DESCARTES, R. Discurso do método. As paixões da alma. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

LOYOLA, I. Autobiografia de Inácio de Loyola. Tradução e notas de Pe. Armando Cardoso, S. J. 3. ed. São Paulo: Loyola, 1987.

LOYOLA, I. Cartas de Santo Inácio de Loyola. Volume I. Tradução e notas Pe. Armando Cardoso. São Paulo: Loyola, 1988.

LOYOLA, I. Écrits. Paris: Desclee de Brouwer, 1991.

LOYOLA, I. Exercícios espirituais. Orientação da tradução e anotações de Pe. Géza Kövecses S. J. 3. ed. Porto Alegre: Arc. Metr. De Porto Alegre, 1966.

MONUMENTA I. Sanct Ignatii de Loyola: epistolae e instruciones. Madri: Gabriele Lopes Del Horno, 1909.

PESSANHA, J. A. M., G. “Vida e obra de Descartes”. In: DESCARTES, R. Discurso do método. As paixões da alma. Tradução de J. Guinsburg e Bento Prado Júnior. 4. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1987.

SANTOS, Y. A. B.; TORGA, V. L. M. Autobiografia e (res)significação. Bakhtiniana, São Paulo, v. 15, n. 2, p. 119-144, abr./jun. 2020. Disponível em: https://bityli.com/UbnTZI. Acesso em: 17 abr. 2020. DOI: https://doi.org/10.1590/2176-457342467

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 2. ed. Campinas: Autores Associados, 2008. DOI: https://doi.org/10.5380/jpe.v2i4.15030

VERGER, J. Homens e saber na Idade Média. Tradução de Carlota Boto. Bauru: EDUSC, 1999.

VIEIRA, A. Sermões I. 2. ed. São Paulo: Loyola, 2009.

VIEIRA, A. Sermões. Tomo 1. São Paulo: Hedra, 2014a.

VIEIRA, A. Sermões. Tomo 2. São Paulo: Hedra, 2014b.

XAVIER; A. B.; HESPANHA, A. M. A arquitetura dos poderes. In: MATTOSO, J. (org.). História de Portugal. O antigo regime (1620-1807). Lisboa: Estampa, 1998.

Downloads

Publicado

2022-08-12

Como Citar

HERNANDES, P. R.; CAMPANHOLO, J. R. dos S.; OLIVEIRA JÚNIOR, A. S. de. O que importa na leitura de bons livros: Inácio de Loyola e Padre Antônio Vieira . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022022, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8660433. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660433. Acesso em: 30 set. 2022.