Banner Portal
Uso da pesquisa em sala de aula como uma estratégia docente na educação básica
Créditos da imagem: Pixabay
PDF

Palavras-chave

Legislação educacional
Docência
Pesquisa em sala de aula

Como Citar

PAULETTI, Fabiana; RICHTER, Luciana. Uso da pesquisa em sala de aula como uma estratégia docente na educação básica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 22, n. 00, p. e022043, 2022. DOI: 10.20396/rho.v22i00.8660493. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660493. Acesso em: 21 abr. 2024.

Resumo

A educação concebida como um direito de todos, conforme legislação, exige que a prática educacional possibilite aos estudantes além do acesso a educação, condições para que suas aprendizagens possam ser desenvolvidas. Dentre os diversos desafios impostos aos professores na educação básica, um deles é a falta de interesse dos estudantes por sua aprendizagem e diante deste desafio se faz necessário utilizar diferentes estratégias de ensino. Desse modo, o objetivo geral desse trabalho é discutir o uso Pesquisa em Sala de Aula como estratégia docente no sentido de envolver os estudantes com suas aprendizagens. Essa investigação é de cunho qualitativo e embasa-se na pesquisa bibliográgica e análise documental. A partir disso, concluímos que utilizar a Pesquisa em Sala de Aula como uma estratégia de ensino pode despertar o interesse dos estudantes e corroborar para suas aprendizagens durante a educação básica.

https://doi.org/10.20396/rho.v22i00.8660493
PDF

Referências

BACHELARD, G. A formação do espírito científico: contribuições para uma psicanálise do conhecimento. Rio de Janeiro: Contraponto, 1996.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Texto constitucional promulgado em 5 de outubro de 1988, com as alterações determinadas pelas Emendas Constitucionais de Revisão nos 1 a 6/94, pelas Emendas Constitucionais nos 1/92 a 91/2016 e pelo Decreto Legislativo no 186/2008. – Brasília: Senado Federal, Coordenação de Edições Técnicas, 2016. Disponível em: https://bityli.com/IRKGWkpE. Acesso em: 02 maio 2020.

BRASIL. Base Nacional Comum Curricular. Educação é a Base. Brasília: MEC, 2018. Disponível em: https://bityli.com/9gYBO. Acesso em: 01 maio 2020.

BRASIL. Diretrizes Curriculares Nacionais da Educação Básica. Brasília: MEC; SEB; DICEI, 2013. Disponível em: https://bityli.com/4buG3. Acesso em: 02 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 8.069, de 13 julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Lex: coletânea de legislação: Brasília, 1990. Disponível em: https://bityli.com/Z5eA9. Acesso em: 02 maio 2020.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Lex: coletânea de legislação: Brasília, 1996. Disponível em: https://bityli.com/91Wfj. Acesso em: 02 maio 2020.

BRASIL. Parâmetros Curriculares Nacionais: terceiro e quarto ciclos do Ensino Fundmanetal. Introdução aos Parâmetros Curriculares Nacionais. Brasília: MEC, 1998.

CARVALHO, A. M. P. A pesquisa no ensino, sobre o ensino e sobre a reflexão dos professores sobre seus ensinos. Educação e Pesquisa, São Paulo, v. 28, n. 2, p. 57-67, 2002. Disponível em: https://bityli.com/YcLSWSvWY. Acesso em: 10 maio 2020.

CARVALHO, A. M. P. et al. (org.). Calor e temperatura: um ensino por investigação. São Paulo: Livraria da Física, 2014.

CARVALHO, A. M. P. Pesquisas em sala de aula: um importante fator na formação do professor. Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 16, 1992. Disponível em: https://bityli.com/LNngbUiu. Acesso em: 01 mar. 2020.

CARVALHO, A. M. P.; GIL PÉREZ, D. As pesquisas no ensino influenciando a formação de professores. Revista Brasileira de Ensino de Física, São Paulo, v. 14, 1992. Disponível em: https://bityli.com/OqiqTFck. Acesso em: 01 mar. 2020.

DEMO, P. Educar pela pesquisa. 10. ed. Campinas: Autores Associados, 2015.

DEWEY, J. Democracia e educação: capítulos essenciais. Tradução Roberto Cavallari Filho. São Paulo: Ática, 2007.

DINIZ-PEREIRA, J. E. Formação de professores, trabalho docente e suas repercussões na escola e na sala de aula. Educação e Linguagem, São Paulo, v. 10, n. 15, p. 82-98, 2007. Disponível em: https://bityli.com/UsAoZrae. Acesso em: 03 mar. 2020.

FREIRE, M. Observação, registro e reflexão. Instrumentos Metodológicos I. 2. ed. São Paulo: Espaço pedagógico, 1996.

FREIRE, P.; FAUNDEZ, A. Por uma pedagogia da pergunta. 4. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.

GALLE, L. A. V. Estudo sobre reconstrução significativa de conteúdos no ensino fundamental por meio de unidade de aprendizagem sobre alimentos. 2016. 211f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Faculdade de Física, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2016. Disponível em: https://bityli.com/LoUqvHEx. Acesso em: 22 jul. 2018.

GALLE, L. A. V.; PAULETTI, F.; RAMOS, M. G. Pesquisa em sala de aula: os interesses dos estudantes manifestados por meio de perguntas sobre a queima da vela. Acta Scientiae, Canoas, v. 18, n. 2, p. 498-516, 2016. Disponível em: https://bityli.com/ZfxeEqtGR. Acesso em: 10 dez. 2016.

GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

GRAY, D. E. Pesquisa no mundo real. 2. ed. Porto Alegre: Penso, 2012.

JONES, E. E por falar em John Dewey... Revista Perspectiva, Florianópolis, v. 7, n. 13, p. 116-144, 1989. Disponível em: https://bityli.com/nyzpTtKV. Acesso em: 12 dez. 2016.

KRASILCHIK, M. Reformas e realidade: o caso do ensino de Ciências. São Paulo em Perspectiva, São Paulo, v. 14, n. 1, p. 85-93, 2000. Disponível em: https://bityli.com/DmNf2e. Acesso em: 07 maio 2020.

MORAES, R.; GALIAZZI, M. do C.; RAMOS, M. G. Pesquisa em sala de aula: fundamentos e pressupostos. In: MORAES, R.; LIMA, V. M. R. Pesquisa em sala de aula: tendências para a educação em novos tempos. 3. ed. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2012.

PAULETTI, F. A pesquisa como princípio educativo no ensino de Ciências: concepções e práticas em contextos brasileiros. 2018. 128 f. Tese (Doutorado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2018. Disponível em: https://bityli.com/wFOpqYAgg. Acesso em: 20 jul. 2018.

PAULETTI, F. O ensino de Química e a escola pública: a isomeria geométrica mediada pelo uso de programas computacionais. Dissertação (Mestrado em Educação) –Universidade de Caxias do Sul, Caxias do Sul, 2013. Disponível em: https://bityli.com/kFHcJcax. Acesso em: 18 maio 2020.

PIMENTA, S. G. Formação de professores – saberes da docência e identidade do professor. Nuances, São Paulo, v. III, p. 5-14, 1997. Disponível em: https://bityli.com/UILAyqDOCb. Acesso em: 10 jun. 2020.

PORLÁN, R.; MORAES, R. Projeto de investigação e renovação escolar: opções de uma hipóteses de progressão educativa. Educação, Porto Alegre, v. XXV, n. 47, p. 23-44, 2002.

POZO, J. I. Teorias cognitivas da aprendizagem. Tradução Juan Acuña Llorens. 3. ed. Porto Alegre: Artes Médicas, 1998.

POZO, J. I.; CRESPO, M. Á. G. A aprendizagem e o ensino de ciências: do conhecimento cotidiano ao conhecimento científico. Tradução Naila Freitas. 5. ed. Porto Alegre: Artmed, 2009.

RODRÍGUEZ-ARTECHE, I.; MARTÍNEZ-AZNAR, M. M. Introducing inquiry-based methodologies during initial Secondary Education teacher training using an open-ended problem about Chemical change. Journal of Chemical Education, v. 93, n. 9, p. 1528-1535, 2016. Disponível em: https://bityli.com/SHVKculFy. Acesso em: 19 maio 2020.

SANTAU, A. O.; RITTER, J. K. What to teach and how to teach it: elementary teachers’ views on teaching inquiry-based, interdisciplinary Science and Social studies in urban settings. The New Educator, v. 9, n. 4, p. 255-286, 2013. Disponível em: https://bityli.com/EBsZaFbiM. Acesso em: 10 maio 2020.

STECANELA, N.; WILLIAMSON, G. A educação básica e a pesquisa em sala de aula. Revista Acta Scientiarum, Maringá, v. 35, n. 2, 2013. Disponível em: https://bityli.com/vnXJuyvh. Acesso em: 18 maio 2020.

WELLS, G. Indagación dialógica: hacia una teoría y una práctica socioculturales de la educación. Barcelona: Paidós, 2001.

ZÔMPERO, A. F.; LABURÚ, C. E. Atividades investigativas no ensino de Ciências: aspectos históricos e diferentes abordagens. Ensaio: Pesquisa em Educação em Ciências, Belo Horizonte, v. 13, n. 3, p. 67-80, 2011. Disponível em: https://bityli.com/ZxCkfmVSi. Acesso em: 18 abr. 2018.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2022 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.