A construção ideológica educacional no período Colonial em Moçambique

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8660740

Palavras-chave:

Educação, Ideologia, Moçambique, Período colonial

Resumo

Esta temática é parte da pesquisa do mestrado acadêmico em andamento e está dividida em quatro subseções: Educação colonial em Moçambique: A instrução e a religião rumo à civilização; O Trabalho como instrumento ideológico educativo; Estado Novo e os reflexos na educação em Moçambique: civilizar o indígena; A política Educacional a partir da Concordata em Moçambique; O Papel da filosofia nas Colônias Portuguesas. A metodologia utilizada baseada na pesquisa qualitativa a partir da leitura e fontes histórico-bibliográficas, tendo como objetivo principal identificar a construção ideológica na educação em terras moçambicanas a partir do final da primeira Guerra Mundial até o Estado Novo Português. No primeiro item baseado em documentos oficiais e bibliográficas sobre a educação colonial portuguesa nas províncias ultramarinas. No segundo item, o ensino institucionalizado e a ideologia da educação pelo trabalho, mesmo que de forma precária e dominante. A terceira fase convida nos a refletir sobre o papel da filosofia que auxiliou na política educacional do Estado Novo de Salazar de formar pelo trabalho agrícola ao homem nativo nas várias profissões do saber fazer e na vida prática, por meio da educação profissional. Por fim, a educação negociada na Concordata nos dois governos (Colonial e Santa Sé) assinada no Ato Colonial, que se configurará com um desastre histórico, social, político e cultural.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Samuel Antonio de Sousa, Universidade Rovuma

Mestrado em Ensino de Ciências e Humanidades pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor de História da Universidade Rovuma (UniRovuma) em Moçambique.

Valmir Flores Pinto, Universidade Federal do Amazonas

Doutorado em Estudos em Ensino Superior pela Universidade de Aveiro (UA), Portugal, com Revalidação em Doutorado em Educação pela Universidade Federal do Amazonas (UFAM). Professor de Filosofia da Universidade Federal do Amazonas, campus Humaitá-AM (UFAM).

Referências

CARTOLANO, M. T. P. Filosofia no ensino de 2º. Grau. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1985.

CASTIANO, J. P. Referenciais da filosofia africana: em busca da intersubjetivação. Maputo: Sociedade Editorial, 1993. p. 193.

CORDEIRO, L. Questões Coloniais. Organizada por Farinha de Carvalho. Lisboa: Vega, 1982.

GRAÍNHA, M. B. As missões em Angola e Moçambique. Resumo histórico e um plano missionário. Cernache do Bonjardim: Tipografia do Instituto de Missões Coloniais, 1920.

MADEIRA, A. I. Ler, escrever e orar: uma análise histórica e comparada dos discursos sobre a educação, o ensino e a escola em Moçambique, 1850-1950. 2007. Tese (Doutorado em Ciências da Educação - Educação Comparada) – Universidade de Lisboa, 2007.

MAZAI, N.; RIBAS M. A. C. Trajetória do Ensino de filosofia no Brasil. Revista Eletrônica Disciplinarum Scientia. Série: ciências sociais e humanas, santa Maria, Série: Ciências Sociais e Humanas, Santa Maria, v. 2, n. 1, p. 1-13, 2001. Disponível em: https://periodicos.ufn.edu.br/index.php/disciplinarumCH/article/view/1582/1487. Acesso em: 23 set. 2020.

PORTUGAL. Concordata entre a Santa Sé e a República Portuguesa, de 7 set. de 1940. Boletim Oficial da Colônia de Moçambique, Lourenço Marques, 1940, I série, n. 36, p. 356-367.

PORTUGAL. Anuário do Ensino, 1930. Lourenço Marques (Maputo atual): Imprensa Nacional, 1930a.

PORTUGAL. Diploma Legislativo no. 238 de 17 de maio de 1930, publicado no Boletim Oficial no 20/1930. Lisboa: Imprensa Nacional, 1930b.

PORTUGAL. Decreto nº 5778 de 10 de maio de 1919. Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. Diário do Governo: Lei n. 2066, de 27 de junho de 1953, I série, n.135, p. 877-892. Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. Portaria nº 677. Art.º 8º ao 11ºde 25 de fevereiro de 1928. Lisboa: Imprensa Nacional.

PORTUGAL. Concordata entre a Santa Sé e a República Portuguesa, de 7 setembro de 1940. Boletim Oficial da Colônia de Moçambique, Lourenço Marques, 1940, I série, n.36, p. 356-367.

TAIMO, J.U. Ensino superior em Moçambique: História, política e gestão. Piracicaba, SP, 2010.

UNESCO, História Geral de África. Volume VII e VIII, Brasil, 2010.

ZOTTI, S. A. A educação jesuítica no projeto colonial de Portugal no Brasil. Instituto Federal Catarinense- Campus Rio do Sul – SC, 2009.

Downloads

Publicado

2021-05-03

Como Citar

SOUSA, S. A. de; PINTO, V. F. A construção ideológica educacional no período Colonial em Moçambique. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021004, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8660740. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660740. Acesso em: 20 set. 2021.