História social da criança proletária

contribuições da obra de Friedrich Engels para a compreensão do tema

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v20i0.8660883

Palavras-chave:

História social da criança proletária, Infância, Friedrich Engels

Resumo

Dentro das intencionalidades possíveis, este artigo se colocou como desafio contribuir para a composição de uma proposta de história social da criança proletária, tendo em vista as interpretações e perspectivas históricas idealistas, não históricas, hibridas, parciais e descontextualizadas que existem sobre as visões, os sentidos e os modos de conceber as crianças e o conceito de infância desde os primórdios da Revolução Industrial até os nossos dias. Ao analisar a produção acadêmica nacional e internacional, constatamos um denominador em comum: mesmo existindo uma grande variedade e quantidade de pesquisas vinculadas a diversos âmbitos da criança e sua infância, os estudos sobre crianças proletárias em tempos de profundas mudanças econômicas e sociais ocorridas no século XIX na Europa é quase que insignificante. Valendo-nos dos aportes do materialismo histórico e dialético, analisamos as contribuições de A situação da classe trabalhadora na Inglaterra, de Friedrich Engels, para a compreensão do tema. Tendo como fundamento os aportes da obra clássica de Engels, o estudo conclui que é possível visualizar uma nova configuração do conceito e de um novo sentimento de infância, de natureza materialista e não idealista, baseado fundamentalmente no papel que coube às crianças proletárias em tempos de mudanças sociais. Ao ser elaborado e redimensionado pela classe trabalhadora, ele precisa ser reconhecido e incorporado pela academia.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Jorge Fernando Hermida, Universidade Federal da Paraíba

Doutorado em Educação pela Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP). Professor Titular da Universidade Federal da Paraíba (UFPB).

Referências

ABRAMOWICZ, A. A pesquisa com crianças em infâncias e a sociologia da infância. In: FARIA, A. L G. de.; FINCO, D. (Org.). Sociologia da infância no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2011.

ARIÈS, P. História social da criança e da família. 2. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2015.

ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada 1: do Império Romano ao ano mil. São Paulo: Companhia das Letras, 2009a.

ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada 2: da Europa feudal à Renascença. São Paulo: Companhia das Letras, 2009b.

ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada 3: do Renascença ao Século das Luzes. São Paulo: Companhia das Letras, 2009c.

ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada 4: da Revolução Francesa à Primeira Guerra. São Paulo: Companhia das Letras, 2009d.

ARIÈS, P.; DUBY, G. História da vida privada 5: da Primeira Guerra a nossos dias. São Paulo: Companhia das Letras, 2009e.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado Federal, 1988.

DEL PRIORE, M. (org.) História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

DOBB, M. A evolução do capitalismo. 9. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1983.

DUARTE, N. Sociedade do conhecimento ou sociedade das ilusões? Campinas: Autores Associados, 2008.

ENGELS, F. A situação da classe trabalhadora na Inglaterra. São Paulo: Boitempo, 2010.

EVANGELISTA, J. E. Crise do marxismo e irracionalismo pós-moderno. São Paulo: Cortez, 1997.

FREITAS, M. C. de. História social da infância no Brasil. 9. ed. rev. e amp. São Paulo: Cortez, 2016.

GÓES, J. R. de.; FLORENTINO, M. Crianças escravas, crianças dos escravos. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

GONÇALVES, J. da. S. Pedagogia da educação infantil. Avanços, desafios e tensões. Curitiba: Appris, 2015. 145 p.

HERMIDA, J. F. História social da criança proletária: as infâncias roubadas nos processos de reprodução do capital nos séculos XVIII e XIX. 2020. 300 f. Tese (Doutorado) – Departamento de Educação Física, Centro de Ciências da Saúde, Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2020.

HOBSBAWM, E. A era das Revoluções 1789-1848. 14. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2001.

HOBSBAWM, E. A era do capital 1848-1875. 11. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2005.

HOBSBAWM, E. A era dos extremos. O breve século XX, 1914-1991. 2. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 1995.

HOBSBAWM, E. Mundos do trabalho: novos estudos sobre a história operária. 6. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015a.

HOBSBAWM, E. Os trabalhadores: estudos sobre a história do operariado. 5. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2015b.

KLEIN, L. R. Cadê a criança do Ariès que estava aqui? A fábrica comeu... In: SEMINÁRIO NACIONAL DE ESTUDOS E PESQUISAS “HISTÓRIA, SOCIEDADE E EDUCAÇÃO NO BRASIL” 09, 2012 João Pessoa. Anais [...]. João Pessoa: UFPB, 2012. p. 3374-3393.

KUHLMANN JUNIOR, M. Histórias da educação infantil brasileira. Revista Brasileira de Educação, n. 14, maio/ago. 2000.

KUHLMANN JUNIOR, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. Porto Alegre: Mediação, 1998.

LIMA, M. P. Infância e educação: um olhar sobre as crianças nas pesquisas científicas. Revista Educação e Cultura Contemporânea, v. 11, n. 3, 2014.

MARX, K. Cadernos de Paris & Manuscritos Econômico-Filosóficos de 1844. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. São Paulo: Boitempo, 2010.

MARX, K. O capital. Livro 1: o processo de produção do capital. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. O capital. Livro 2: o processo de circulação do capital. São Paulo: Boitempo, 2014.

MARX, K. O capital. Livro 3: o processo global de produção capitalista. São Paulo: Boitempo, 2017.

MOURA, E. B. B. de. Crianças operárias na recém-industrializada São Paulo. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

NETTO, J. P. Apresentação. São Paulo: Boitempo, 2010.

NETTO, J. P. Marx em Paris. São Paulo: Expressão Popular, 2015.

OBRAS FUNDAMENTALES. Escritos de juventud de Karl Marx e Friedrich Engels. Cidade de México: Fondo de Cultura Económica, 1981. Volume 2.

RAMOS, F. P. a História trágico-marítima das crianças nas embarcações portuguesas do século XVI. In: DEL PRIORE, M. (org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

RIZZI, I. A arte de governar crianças. São Paulo: Cortez, 2009.

RIZZI, I. O século perdido: raízes históricas das políticas para a infância no Brasil. 2. ed. São Paulo: Cortez, 2008.

RIZZI, I. Vida nas ruas: crianças e adolescentes. Rio de Janeiro: Loyola, 2003.

RIZZINI, I. Pequenos trabalhadores do Brasil. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica, quadragésimo ano: novas aproximações. Campinas: Autores Associados, 2019.

THOMPSON E. P. A formação da classe operária inglesa I. A árvore da liberdade. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.

THOMPSON E. P. A formação da classe operária inglesa II. A maldição de Adão. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2012a.

THOMPSON E. P. A formação da classe operária inglesa III. A força dos trabalhadores. 2. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2012b.

VENÂNCIO, R. P. Os aprendizes da guerra. In: DEL PRIORE, M. (Org.). História das crianças no Brasil. 6. ed. São Paulo: Contexto, 2007.

Downloads

Publicado

2020-12-17

Como Citar

HERMIDA, J. F. . História social da criança proletária: contribuições da obra de Friedrich Engels para a compreensão do tema. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 20, p. e020058, 2020. DOI: 10.20396/rho.v20i0.8660883. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660883. Acesso em: 6 out. 2022.