Banner Portal
Formação de professores na Conferência Interestadual do Ensino Primário (Brasil, 1921)
PDF

Palavras-chave

Formação de professor
Modernidade pedagógica
Conferência Interestadual do Ensino Primário

Como Citar

HOELLER, S. A. de O.; DAROS, M. das D. Formação de professores na Conferência Interestadual do Ensino Primário (Brasil, 1921): projetos em disputa e modernidade pedagógica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023016, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8660960. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8660960. Acesso em: 3 dez. 2023.

Resumo

Trata-se de uma análise sobre a formação de professores, na perspectiva da modernidade pedagógica, requerida no Brasil no início dos anos de 1920, a partir de discussões presentes na Conferência Interestadual do Ensino Primário CIEP-RJ, ocorrida na capital do país – Rio de Janeiro – no ano de 1921. Esta abordagem se estruturou, de modo mais específico, a partir da tese de número 3: “Organização e uniformização do ensino normal no país. Formação, deveres e garantias de um professorado primário nacional” (BRASIL, 1922). Apresenta-se o objetivo central de investigar aspectos e elementos que se entrecruzam e que podem ser tomados como representativos de projetos em disputa para a formação do professorado, na perspectiva da modernidade pedagógica, requerida no Brasil no início dos anos de 1920. Trata-se de pesquisa de cunho documental, na perspectiva da história da educação e, em consideração ao método histórico, o percurso teórico metodológico e as análises realizadas contemplaram os conceitos de moderno/modernidade. Apresenta-se a questão problema: Como compreender a CIEP-RJ como mobilizadora de projetos em defesa e disputa de concepções, no intento de estabelecer sob que sentidos e significados a modernidade pedagógica para a formação de professores deveria estar assentada no Brasil no início dos anos de 1920? Atingir a modernidade pedagógica em relação à formação do professor consistia em articular alguns aspectos que, por hipótese, garantiriam o pretendido: tanto de aspectos materiais, como criação de escolas; e burocráticos, aspectos orçamentários e subvenção; quanto aos pedagógicos, marcados pela psicologia, entendida pela sua cientificidade imprescindível na formação do professorado.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8660960
PDF

Referências

BRASIL. Annaes da Conferência Interestadual de Ensino Primário. Rio de Janeiro: Emp. Industrial Editora “O Norte”, 1922.

CARVALHO, M. M. C. A escola e a república. São Paulo: Brasiliense, 1989a.

CARVALHO, M. M. C. O novo, o velho, o perigoso: relendo a cultura brasileira. Cadernos de Pesquisa, n. 17, p. 29-35, 1989b. Disponível em: https://bit.ly/41tYMQN. Acesso em: 05 jul. 2020.

CARVALHO, M. M. C. Sampaio Dória. Recife: Massangana, 2010.

CARVALHO, M. M. Reformas da Instrução Pública. In: LOPES, E. M. T. et al. (Org.). 500 Anos de educação no Brasil. 5. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 225-252.

DÓRIA, A. S. Psycologia. São Paulo: Companhia Melhoramentos, 1932. (Série II – Livros Didáticos; v. VIII, Biblioteca Pedagógica Brasileira).

DURANT, W. A filosofia de Herbert Spencer. Rio de Janeiro: TECNOPRINT, 18--.

HABERMAS, J. O discurso filosófico da modernidade: doze lições. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

HOELLER, S. A. O.; DAROS, M. D. Método de ensino para escola primária: discursos na Primeira Conferência Estadual do Ensino Primário (Santa Catarina, 1927). In: CONGRESSO LUSO-BRASILEIRO DE HISTÓRIA DA EDUCAÇÃO (COLUBHE): Rituais, Espaços & Patrimônios Escolares, 9., 2012, Lisboa. Anais [...]. Lisboa: Instituto de Educação da Universidade de Lisboa, 2012. p. 1-10. Disponível em: https://bit.ly/442yoiT. Acesso em: 23 abr. 2023.

INÁCIO, N. S. et al. Escola, política e cultura. Belo Horizonte: Argvmentvm, 2006.

KANT, E. Filosofía de la historia. 2. ed. México: Fondo de Cultura Económica, 2004.

LE GOFF, J. Antigo/Moderno. In: Enciclopédia Einaudi, Lisboa, IN-CM, (reed.), v. 1. Memória-História, 1997. p. 370-392. Disponível em: https://bit.ly/41RD1L0. Acesso em: 23 abr. 2023.

LE GOFF, J. História e memória (1924). Trad. Bernardo Leitão et al. Campinas: Editora da UNICAMP, 1990.

LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. 2 ed. Rio de Janeiro: E. P. U, 2015.

MAGNANI, M. R. M. Testes ABC e a fundação de uma tradição: alfabetização sob medida. In.: MONARCHA, C. (Org.). Lourenço Filho: outros aspectos, mesma obra. Campinas: Mercado de Letras, 1997. p. 59-90.

MONARCHA, C. Brasil arcaico, Escola Nova: ciência, técnica e utopia nos anos de 1920-1930. São Paulo: Editora da Unesp, 2009.

MONARCHA, C.; LOURENÇO FILHO, R. (Org.). Por Lourenço Filho: uma bibliografia. Brasília: Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais, 2001. (Col. Lourenço Filho).

MORTATTI, M. R. L. Os sentidos da alfabetização (São Paulo – 1876/1994). São Paulo: UNESP; Brasília: MEC/INEP/COMPED, 2000.

NUNES, C. (Des) encantos da modernidade pedagógica. In. LOPES, E. M. T.; FARIA FILHO, L. M.; VEIGA, C. G. (Org.). 500 anos de educação no Brasil. 3. ed. Belo Horizonte: Autêntica, 2003. p. 371-398

RESENDE, F. M. O domínio das coisas: o método intuitivo em Minas Gerais nas primeiras décadas republicanas. 117 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002. Disponível em: https://bit.ly/3mUnPOr. Acesso em: 23 abr. 2023.

SANTA CATHARINA. Synopse do quatriennio da administração do Estado (1910-1914), apresentada ao Congresso Representativo. Florianópolis: Gab. Typ. D’O Dia, 1914.

SÃO PAULO. Lei n. 1.750, de 8 de dezembro de 1920. Reforma a Instrucção Publica do Estado. Secretaria de Estado dos Negócios do Interior. São Paulo, 1920. Disponível em: https://bit.ly/3KEV3ch. Acesso em: 25 maio 2013.

SCHELBAUER, A. R. O método intuitivo e lições de coisas no Brasil do século XIX. In. STEPHANOU, M.; BASTOS, M. H. C. (Org.). Histórias e memórias da educação no Brasil. Petrópolis: Vozes, 2005. p. 132-149. v. II. Século XX.

SILVA, G. M. D. Sociologia da sociologia da educação: caminhos e desafios de uma policy science no Brasil (1929-1879). Bragança Paulista: EDUSF, 2002.

SILVA, V. L. G.; CUNHA, J. L. (Org.). Práticas de formação, memória e pesquisa (auto)biográfica. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010.

SOUZA, R. F. Tecnologias de ordenação escolar no século XX: currículo e método intuitivo nas escolas primárias norte-americanas (1860-1880). Revista Brasileira de História da Educação, v. 5, n. 1, jan./jun. p. 09-42, 2005. Disponível em: https://bit.ly/41LZOrG. Acesso em: 23 abr. 2023.

SOUZA, R. F. Templos de civilização: a implantação da escola graduada no Estado de São Paulo (1890-1910). São Paulo: UNESP, 1998.

TEIVE, G. M. Uma vez normalista, sempre normalista: a presença do método de ensino intuitivo ou lições de coisas na construção de um habitus pedagógico (Escola Normal Catarinense 1911-1935). 290 f. Tese (Doutorado em Educação) – Programa de Pós-graduação em Educação, Universidade Federal do Paraná. Curitiba, 2005. Disponível em: https://bit.ly/41yuPQ5. Acesso em: 23 abr. 2023.

VALDEMARIN, V. T. Estudando as lições de coisas: análise dos fundamentos filosóficos do Método de Ensino Intuitivo. Campinas: Autores Associados, 2004.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.