Formação profissional e inserção no mercado de trabalho

uma análise do ensino médio integrado do IFRO campus Ji-Paraná

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8661494

Palavras-chave:

Educação profissional, Educação integrada, Trabalho

Resumo

Este artigo tem por objetivo analisar os resultados obtidos de alunos egressos de 2015 e 2016 com a formação técnica integrada ao ensino médio oferecida no Instituto Federal de Rondônia, Campus Ji-Paraná. Entre as principais questões destacamos as seguintes: Qual o perfil dos alunos egressos do ano de 2015 e 2016 dos três cursos ofertados, suas atividades laborais ou de estudo e os resultados obtidos com a formação profissionalizante? O método utilizado foi o materialismo histórico-dialético a partir da aplicação de suas categorias de análise. A pesquisa bibliográfica, documental e de campo foram os procedimentos para coleta de dados realizados por meio de análise documental e de questionário próprio aplicado aos alunos egressos. Os resultados obtidos mostram que grande parte dos estudantes do IFRO são oriundos de famílias com renda inferior a três salários mínimos e que tem buscado na instituição melhores oportunidades de ascensão social e econômica. Foi constatado na educação integrada uma capacidade de possibilitar experiências e melhores oportunidades para o prosseguimento dos estudos, quanto a falta de inserção profissional foi apontada pelas circunstâncias que os egressos encontram o mercado de trabalho com poucos empregos e baixos salários, especialmente na área técnica. Foi verificado a necessidade de maiores parcerias do IFRO com empresas da região, bem como na necessidade de criação de políticas de valorização para quem deseja seguir a carreira técnica.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Juliano Viliam Cenci, Instituto Federal de Rondônia

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Rondônia. Professor do Instituto Federal de Rondônia.

Marilsa Miranda de Souza, Universidade Federal de Rondônia

Doutorado em Educação Escolar pela Universidade Estadual Paulista. Professora da Universidade Federal de Rondônia.

Referências

ALVES, G. Toyotismo, novas qualificações e empregabilidade: mundialização do capital e a educação dos trabalhadores no século XXI. RET, Rede de Estudos do Trabalho. 2005. Disponível em: https://bit.ly/2XIE18c. Acesso em: 08 ago. 2020.

ANTUNES, R. Adeus ao Trabalho? ensaio sobre as metamorfoses e a centralidade do mundo do trabalho. 11. ed. São Paulo: Campinas: Cortez, 2006.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviços na era digital. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2018. Disponível em: https://bit.ly/2XTAUuH. Acesso em: 17 de set. 2021.

ANTUNES, R.; PINTO, G. A. A fábrica da educação: da especialização taylorista à flexibilização toyotista. São Paulo: Cortez, 2017.

ARAPIRACA, J. O. A USAID e a educação brasileira: um estudo a partir de uma abordagem crítica da teoria do capital humano. 1979. 273 f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Instituto de Estudos Avançados em Educação, Fundação Getúlio Vargas, Rio de Janeiro, 1979.

BRASIL. Expansão da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica - Em unidades. Portal da Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica. Expansão da Rede Federal. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3AxBxrU. Acesso em: 24 jan. 2018.

BRASIL. Lei nº 11.892, de 29 de dezembro de 2008. Institui a Rede Federal de Educação Profissional, Científica e Tecnológica, cria os Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia, e dá outras providências. Seção III. Dos Objetivos dos Institutos Federais.

BRASIL. Resolução Nº6, de 20 de setembro de 2012. Define Diretrizes Curriculares Nacionais para a Educação Profissional Técnica de Nível Médio. 2012. Disponível em: https://bit.ly/3nYoht3. Acesso em: 02 fev. 2019.

CIAVATTA, M.; RAMOS, M. N. Ensino médio e educação profissional no Brasil: dualidade e fragmentação. Revista Retratos da Escola, Brasília, v. 5, n. 8, p. 27-41, jan./jun. 2011. Disponível em: http//www.esforce.org.br. Acesso em: 19 jul. 2018.

COSTA, F. L. Formação integrada no Instituto Federal de Ariquemes: egressos, inserção no mercado de trabalho ou opção pelo ensino superior. 112 f. Dissertação (Mestrado Acadêmico em Educação) – Fundação Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2015.

CURY, C. R. J. Educação e contradição: elementos metodológicos para uma teoria crítica do fenômeno educativo. 7. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

GENTILI, P. Que há de novo nas novas formas de exclusão educativa? Neoliberalismo, trabalho e educação. Educação & Realidade, v. 20, n. 1, p. 191-202, 1995. Disponível em: https://bit.ly/3CKlmbB. Acesso em: 16 abr. 2019.

GOHN, M. da G. Teoria dos movimentos sociais paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 1997.

GOUVEIA, F. A expansão dos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia no território brasileiro: entre o local e o nacional. Espaço e Economia: Revista brasileira de geografia econômica, n. 9, p.1-17, set. 2016. Disponível em: https://bit.ly/3u83OmH. Acesso em: 17 set. 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Brasil, Rondônia, Panorama de Ji- Paraná. 2018b. Acesso em: https://bit.ly/3Ax9itr. Acesso em: 17 set. 2021.

IBGE. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Novos Indicadores sobre a Força de Trabalho no Brasil. jan./mar. 2018a. Disponível em: https://bit.ly/2XLfksp. Acesso em: 17 set. 2021.

KUENZER, A. Ensino médio: construindo uma proposta para os que vivem do trabalho. 6. ed. São Paulo: Cortez, 2009.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos. Tradução de Jesus Ranieri. São Paulo: Boitempo, 2004.

MARX, K. O capital: crítica da economia política. São Paulo: Abril Cultural, 1983. (Livro Primeiro, v. 1).

MÉZSÁROS, I. O poder da ideologia. São Paulo: Ensaio, 1996.

OIT. Organiação Internacional do Trabalho. Futuro do trabalho no Brasil: perspectivas e diálogos tripartites. Brasil, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3o341GK. Acesso em: 31 ago. 2020.

POCHMANN, M. Desempenho econômico conjuntural e a situação recente do trabalho no brasil. Revista NECAT. Ano 7, n. 13, jan./jun. 2018. Disponível em: https://bit.ly/2ZsnxCb. Acesso em: 31 ago. 2020.

RAMOS, M. N. Ensino médio integrado: lutas históricas e resistências em tempos de regressão. In: ARAÚJO, A. C.; SILVA, C. N. (org.). Ensino médio integrado no Brasil: fundamentos, práticas e desafios. Brasília: Ed. da IFB, 2017. p. 20-43.

RAMOS, M. R. A educação profissional no Instituto Federal de Ji-Paraná e os limites objetivos para a inclusão socioprofissional de seus egressos. 2013. 128 f. Dissertação de (Mestrado Acadêmico em Educação) – Universidade Federal de Rondônia, Porto Velho, 2013.

SEVERINO, A. J. Metodologia do trabalho científico. 23. ed. São Paulo: Cortez, 2007.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

CENCI, J. V.; SOUZA, M. M. de . Formação profissional e inserção no mercado de trabalho: uma análise do ensino médio integrado do IFRO campus Ji-Paraná. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021045, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8661494. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8661494. Acesso em: 1 out. 2022.

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)