Juventude, violência e trajetória escolar

a voz dos jovens em final de medida socioeducativa no Distrito Federal

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rho.v21i00.8665548

Palavras-chave:

Juventude, Violência, Socioeducação, Trajetória escolar

Resumo

Este artigo discute a percepção dos jovens do Sistema Socioeducativo do Distrito Federal, que se encontram no final da medida socioeducativa de internação, sobre juventude, violência e trajetória escolar, problematizando o contexto de vida desses jovens e revelando suas condições juvenis. A pesquisa foi realizada em uma unidade socioeducativa de internação do Distrito Federal, com uma abordagem qualitativa e desenvolvida por meio de dois procedimentos que se complementam. O primeiro consistiu na aplicação de um questionário individual e o outro na realização de dois grupos focais, entre novembro de 2018 e maio de 2019. Participaram do estudo 10 jovens do sexo masculino, com idades entre 17 e 19 anos. Ao dialogar com as referências do campo de estudos sobre juventude e violência, Cara e Gauto (2007), Dayrell e Carrano (2014), José Santos (2014) e Silva (2011), evidenciou-se o risco de analisar os jovens de forma negativa, enfatizando as características que lhes faltariam para corresponder a um determinado modelo de “ser jovem”. A pesquisa revelou os modos pelos quais os jovens em final de medida socioeducativa de internação pensam e constroem as suas experiências com as diferentes faces da violência e apontou que a trajetória escolar dos jovens representa descontinuidade, fragmentação e forte relação entre evasão e envolvimento com o crime.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Lívia Silva Souza, Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal

Mestrado em Educação pela Universidade Federal de Uberlândia. Professora da Secretaria de Estado de Educação do Distrito Federal.

Andréia Mello Lacé, Universidade de Brasília

Doutorado em Educação pela Universidade de Brasília. Professora Adjunta da Faculdade de Educação da Universidade de Brasília.

Referências

ABRAMO, H. W. Considerações sobre a tematização social da juventude no Brasil. Juventude e Contemporaneidade Revista Brasileira de Educação, ANPED/PUC-SP, n. 5 e 6, p. 35-36, 1997. Disponível em: https://bit.ly/3GUE9E2. Acesso em: 18 out. 2020.

BASSALO, L. M. B.; WELLER, W. Jovem e mulher: um estudo sobre os posicionamentos de internautas feministas In: SOUZA, C. (org.). Juventudes e tecnologias: sociabilidades e aprendizagens. Brasília: Liber Livro, 2015. p. 235-254.

BOMFIM, L. Grupos focais conceitos, procedimentos e reflexões baseados em experiência com o uso da técnica em pesquisas de saúde. Physis: Revista de Saúde Coletiva, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, p. 777-796, 2009. Disponível em: https://bit.ly/3GOpx8Z. Acesso em: 8 out. 2020.

BRANCALHÃO, W. R. D. A educação para o adolescente em conflito com a lei: mecanismo de inserção ou exclusão social. 2003. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual Paulista Marília, Marília, 2003.

BRASIL. [Constituição (1988)]. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília, DF: Presidência da República, [1988]. Disponível em: https://bit.ly/2YwzXbV. Acesso em: 19 out. 2020.

BRASIL. Lei 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o Estatuto da Criança e do Adolescente e dá outras providências. Brasília, DF: Presidência da República, [1990]. Disponível em: https://bit.ly/3mogdPO. Acesso em: 24 jul. 2020.

CARA, D.; GAUTO, M. Juventude: percepções e exposição à violência. In: ABRAMOVAY, M. A.; ESTEVES, L. C. G. (org.). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília: Unesco, 2007. p. 171-196.

DAYRELL, J. O jovem como sujeito social. Revista Brasileira de Educação, Rio de Janeiro, v. 24, p. 40-52, set./dez. 2003. Disponível em: https://bit.ly/3CPD6m4. Acesso em: 5 out.2020.

DAYRELL, J.; CARRANO, P. Juventude e ensino médio: quem é este aluno que chega à escola. In: DAYRELL, J.; CARRANO, P.; MAIA, C. L. (org.). Juventude e ensino médio: sujeitos e currículos em diálogo. Belo Horizonte: Ed. UFMG, 2014. p. 101-133.

DISTRITO FEDERAL. Lei 663, de 28 de janeiro de 1994. Dispõe sobre a criança do Centro de Atendimento Juvenil Especializado na Fundação do Serviço Social do Distrito Federal e dá outras providências. Brasília, DF: [1994]. Disponível em: https://bit.ly/3abSInx. Acesso em: 13 maio 2021.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado da Criança do Distrito Federal. Anuário do Atendimento Socioeducativo Inicial no Núcleo de Atendimento Integrado: NAI/UAI-DF, 2017. Brasília: Secretaria de Estado da Criança do Distrito Federal, 2018.

DISTRITO FEDERAL. Secretaria de Estado da Criança do Distrito Federal. Diretrizes Pedagógicas de Escolarização na Socioeducação: SEDF, 2014. Brasília: Secretaria de Estado de Educação Distrito Federal, 2014.

ESTEVES, L. C.; ABRAMOVAY, M. Juventude, juventudes: pelos outros e por elas mesmas. In: ABRAMOVAY, M.; ANDRADE ESTEVES, L. C. G. (org.). Juventudes: outros olhares sobre a diversidade. Brasília: Unesco, 2007. p. 19-54.

EVANGELISTA, M. G. de C. Ato infracional e laço social: o lugar da família, da escola e da sociedade. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Brasília, Brasília, 2018.

FREIRE, P. Educação como prática de liberdade. São Paulo: Paz e Terra, 1989.

GALEANO E. O livro dos abraços. Porto Alegre: L&PM, 2002.

GUERRA, A. Educar para a cidadania: nas fronteiras da socioeducação. Currículo sem Fronteiras, v. 17, n. 2, p. 260-274, maio/ago. 2017. Disponível em: https://bit.ly/3bJ6xu8. Acesso em: 29 set. 2020.

MARQUES, M. DF tem o maior índice de mães-solo entre famílias com filhos no Brasil. G1, Brasília, 14 maio 2017. Disponível em: https://glo.bo/3oDZ7jz. Acesso em: 1 dez. 2019.

MIRANDA, T. T. Medida sócio-educativa de liberdade assistida: do ideal educativo à sua realidade repressiva e punitiva. 2005. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2005.

OLIVEIRA, T. F. K. Efeitos da medida socioeducativa de internação: um estudo de caso. Revista SocioEducação, Rio de Janeiro, ano 2, edição 2, 2018.

PIMENTA, M. de M. Juventude e violência. In: LIMA, R.; RATTON, J. L.; AZEVEDO, R. G. (org.). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014.

PORTO, M. S. G. Sociologia da Violência – do conceito às representações Sociais. Brasília: Francis, 2010.

SANTOS, F. S. L. Adolescentes do Degase e a ausência de seus vínculos paternos: o que o estado tem a ver com isso? Revista SocioEducação, Rio de Janeiro, ano 2, edição 2, p. 72-79, 2018. Disponível em: https://bit.ly/3wdAwE8. Acesso em: 10 out. 2020.

SANTOS, J. V. T. Modernidade tardia e violência. In: LIMA, R.; RATTON, J. L. AZEVEDO, R. G. (org.). Crime, polícia e justiça no Brasil. São Paulo: Contexto, 2014. p. 15-22.

SILVA, L. A. M. Polícia e violência urbana em uma cidade brasileira. Etnográfica [online], v. 15, n. 1, p. 67-82, 2011. Disponível em: https://bit.ly/3lfOZLO. Acesso em: 22 nov. 2019.

SPOSITO, M. P. (coord.) Estado da arte sobre juventude na pós-graduação brasileira: educação, ciências sociais e serviço social (1999-2006). Belo Horizonte: Argvmentvm, 2009. v. 1.

WELLER, W. A atualidade do conceito de gerações de Karl Mannheim. Sociedade e Estado, Brasília, v. 25, n. 2, p. 205-224, 2010. Disponível em: https://bit.ly/3mIQsef. Acesso em: 29 set. 2020.

WELLER, W. Karl Mannheim: um pioneiro da Sociologia da juventude. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE SOCIOLOGIA, 13., 2007, Recife. Anais [...]. Recife: UFPE, 2007. p. 1-15. GT26: Sociologia da infância e juventude. Disponível em: https://bit.ly/2YtpDS0. Acesso em: 10 nov. 2019.

ZALUAR, A. M. Condomínio do diabo. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994.

Downloads

Publicado

2021-11-23

Como Citar

SOUZA, L. S. .; LACÉ, A. M. . Juventude, violência e trajetória escolar: a voz dos jovens em final de medida socioeducativa no Distrito Federal . Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 21, n. 00, p. e021048, 2021. DOI: 10.20396/rho.v21i00.8665548. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8665548. Acesso em: 10 ago. 2022.