Banner Portal
Repercussões na educação das concepções de ser humano
PDF

Palavras-chave

Concepção de ser humano
Fundamentos da educação
Teoria educacional

Como Citar

MARTINS, Marcos Francisco; PRADO, Marciano do; SANTOS, Ademir Barros dos. Repercussões na educação das concepções de ser humano: liberal, marxista, judaico-cristã e a de matriz africana. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023033, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8670170. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8670170. Acesso em: 21 abr. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Este artigo apresenta a síntese de uma pesquisa exploratória de tipo bibliográfica e documental, de natureza qualitativa, que abordou a relação existente entre concepção de ser humano e educação. O objetivo foi o de identificar as decorrências que as visões antropológicas liberal, marxista, judaico-cristã e de matriz africana produzem aos processos educativos, na relação dialética que mantém entre si. Os principais resultados alcançados com a investigação são exibidos em cinco quadros, que procuram compendiar como as referidas concepções antropológicas, bastante marcantes na realidade brasileira atual, incidem sobre os diversos momentos/elementos dos processos educativos: princípios, finalidades, conteúdo, método, avaliação e gestão.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8670170
PDF

Referências

A BÍBLIA de Jerusalém. São Paulo: Paulinas, 1986.

ABBAGNANO, N. Dicionário de filosofia. Trad. de Alfredo Bossi. 5. ed. São Paulo: Martins Fontes, 2007.

ALLMEN, J. V. Vocabulário bíblico. 2. ed. São Paulo: Aste, 1972.

ALTMANN, W. Lutero e libertação. São Leopoldo: Sinodal; São Paulo: Ática, 1994.

APPLE, M. W. Para além da lógica do mercado: compreendendo e opondo-se ao neoli-beralismo. Trad. de Gilka Leite Garcia e Luciane Ache. Rio de Janeiro: DP&A, 2005.

BÂ, A. H. Amkoullel, o menino fula. São Paulo: Palas Athena-Casa das Áfricas, 2003.

BÍBLIA Sagrada. São Paulo: Pastoral Paulus, 1999.

BOFF, L.; BOFF, C. Como fazer teologia da libertação. Petrópolis, RJ: Vozes 2010.

CAMBI, F. História da pedagogia. Trad. de Álvaro Lorencini. São Paulo: Ed. UNESP, 1999. (Encyclopaidéia).

CARDOSO, M. M. R.; MARTINS, M. F. A catarse na pedagogia histórico-crítica. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, n. 57, p. 146-164, jun. 2014. Disponível em: http://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640409. Acesso em: 13 nov. 2021.

CHAUI, M. Iniciação à filosofia: ensino médio. 2. ed. São Paulo: Ática, 2013.

CUNHA, O. A. Crítica do empreendedorismo. A Terra é redonda. 26/09/2020. Disponí-vel em: https://aterraeredonda.com.br/critica-do-empreendedorismo/?utm_term=2020-09-27&doing_wp_cron=1636416385.6657159328460693359375. Acesso em: 08 nov. 2021.

DUQUE, J. M. Teologia e educação nas dinâmicas sociais. In: FIGUEIRA, E.; JUN-QUEIRA, S. R. A. (org.). Teologia e educação: educar para a caridade e a solidariedade. São Paulo: Paulinas, 2012, p. 17-31.

DUSSEL, E. Teologia da libertação: um panorama de seu desenvolvimento. Petrópolis, RJ: Vozes, 1997.

ENGELS, F. A dialética da natureza – Apêndice: a humanização do macaco pelo traba-lho. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976. p. 215-228.

FREIRE, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 42. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2010.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. 10. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.

FREITAS, L. C. A reforma empresarial da educação: nova direita, velhas ideias. 1. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2018.

GEORGE, T. Teologia dos reformadores. São Paulo: Vida Nova, 1994.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Introdução ao estudo da filosofia; A filosofia da Benedetto Croce. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho, co-edição de Luiz Sérgio Henriques e Marco Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999. 1 v.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Os intelectuais; O princípio educativo; Jornalismo. Edição e tradução de Carlos Nelson Coutinho, co-edição de Luiz Sérgio Henriques e Mar-co Aurélio Nogueira. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000. 2 v.

GUTIÉRREZ, G. Teologia da libertação: perspectivas. 9. ed. São Paulo: Loyola, 2000.

KIRST, N.; KILPP, N.; RAYMANN, A.; SCHWANTES, M.; ZIMMER, R. Dicionário de hebraico-português e aramaico-português. 9. ed. São Leopoldo: Sinodal; Petrópolis: Vozes, 1988.

LOCKE, J. Alguns pensamentos acerca da educação. Tradução de Avelino da Rosa Olivei-ra e Gumercindo Guiggi. In: Cadernos de educação. Universidade Federal de Pelotas, Faculdade de Educação, ano 9, nº 14, jan./ jun. 2000.

LOCKE, J. Segundo tratado sobre o governo civil. 5. ed. São Paulo: Nova Cultural, 1991. (Os pensadores, v. 9).

MAGNOLI, D. ‘Essa coisa de sociedade não existe’. O Globo, 11 abr. 2013, Coluna Opi-nião. Disponível em: https://oglobo.globo.com/opiniao/essa-coisa-de-sociedade-nao-existe-8080595. Acesso em: 05 nov. 2021.

MALOMALO, B. Epistemologia do NTU: ubuntu, bisoidade, macumba, batuque e “x” africana. História e cultura afrodescendente. SOUZA, E. F. et al. (org.). Teresina: FU-ESPI, 2018. p. 561-574.

MANACORDA, M. A. História da educação: da Antiguidade aos nossos dias. 3. ed. São Paulo: Cortez: Autores Associados, 1992.

MANACORDA, M. A. Marx e a pedagogia moderna. Trad. de Newton Ramos de Oli-veira. São Paulo: Cortez; Campinas: Autores Associados, 1991.

MARTINS, M. F. Marx e Engels: apontamentos sobre educação. Comunicações, Piracica-ba, v. 24, n. 2, p. 247-266, maio/ago. 2017. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/319643193_Marx_e_Engels_apontamentos_sobre_educacao_e_ensino. Acesso em: 01 nov. 2021.

MARTINS, M. F. Paradigmas educacionais em disputa nas escolas: organizações sociais de tipo operacional ou instituições sociais. Quaestio, Sorocaba, SP, v. 22, n. 1, p. 95-115, jan./abr. 2019. Disponível em: http://periodicos.uniso.br/ojs/index.php/quaestio/article/view/3577/3670. Acesso em: 09 nov. 2021.

MARTINS, M. F. Pedagogia do engajamento: considerações sobre a desumanização e as possibilidades de sua superação. Práxis Educativa, Ponta Grossa-PR, v. 3, n. 1, p. 55-66, jan./jun. de 2008. Disponível em: https://revistas2.uepg.br/index.php/praxiseducativa/article/view/343/351>. Acesso em: 01 nov. 2021.

MARTINS, M. F.; GROPPO, L. A. Sociedade civil e educação: fundamentos e tramas. Campinas, SP: Autores Associados; Americana, SP: UNISAL, 2010. (Educação contempo-rânea).

MARX, K. O capital: crítica da economia política. Trad. de Reginaldo Sant’Ana. 17. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1999.

MARX, K. Para a crítica da economia política. Trad. de José Carlos Bruni e outros. 5. ed. São Paulo: Abril Cultural, 1991. (Os pensadores, v. 12).

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã (I Feuerbach). Trad. de José Carlos Bruni e Marco Aurélio Nogueira. 5. ed. São Paulo: Hucitec, 1986.

MARX, K.; ENGELS, F. A ideologia alemã. 1º capítulo seguido das teses sobre Feuer-bach. São Paulo: Moraes, 1984.

MARX, K.; ENGELS, F. Crítica da educação e do ensino. Trad. de Ana Maria Rabaça. Lisboa: Moraes, 1978.

MEDEIROS, L. M.; VIERO, J.; SPANAVELLO, C. S.; CAMILO, C. M. Filosofia da educação. 1. ed. Santa Maria, RS: UFSM, 2018. Disponível em: https://www.ufsm.br/app/uploads/sites/358/2019/06/filosofia-da-educa%C3%A7%C3%A3o-ISBN-ED-CAMPO.pdf. Acesso em: 01 nov. 2021.

MESTERS, C.; SILVA, R. R. A educação no antigo Israel e no tempo de Jesus. In: FI-GUEIRA, E.; JUNQUEIRA, S. R. A. (org.). Teologia e educação: educar para a caridade e a solidariedade. São Paulo: Paulinas, 2012.

MORAES, J. D. A educação em “A riqueza das nações” de adam Smith: uma introdução José Damiro de Moraes. HISTEDBR on-line, Campinas, n. 6, abr. 2002. Disponível em: https://www.fe.unicamp.br/sites/www.fe.unicamp.br/files/documents/2021/01/doc1_4.pdf. Acesso em: 21 jul. 2022.

MUNANGA, K. Negritude, usos e sentidos. 2. ed. São Paulo: Ática, 1988.

NASCIMENTO, E. L. (org.). Afrocentricidade: uma abordagem epistemológica inovado-ra. São Paulo: Selo Negro, 2009. p. 71-90. (Sankofa: matrizes africanas da cultura brasileira, 4).

OLIVEIRA, R. A. de. A dimensão teológico-cristã da pessoa humana. Horizonte, Belo Horizonte, v. 14, n. 42, p. 557-615, abr./jun. 2016. Disponível em: http://periodicos.pucminas.br/index.php/horizonte/article/view/11393. Acesso em: 08 out. 2021.

OYĔWÙMÍ, O. A invenção das mulheres. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2021.

PIOLLI, E. Gerencialismo e heteronomia: o trabalho, a identidade e a saúde do diretor de escola frente às políticas e programas de qualidade da Secretaria de Educação de São Paulo. Comunicação oral - XXVI Simpósio Brasileiro de Política e Administração da Edu-cação – ANPAE (Associação Nacional de Política e Administração da Educação), 2013. Disponível em: https://anpae.org.br/simposio26/1comunicacoes/EvaldoPiolli-ComunicacaoOral-int.pdf. Acesso em: 20 set. 2020.

PIXLEY, J. A história de Israel a partir dos pobres. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 1991.

PONCE, A. Educação e luta de classes. Trad. de José Severo de Camargo Pereira. 17. ed. São Paulo: Cortez, 2000.

SAVIANI, D. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação política. São Paulo: Cortez e Autores Associados, 1983.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. 3. ed. Campinas, SP: Autores Associados, 2011.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 3. ed. São Paulo: Cor-tez: Autores Associados, 1992.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasi-leira de Educação, v. 12, n. 34, p. 152-180, jan./abr. 2007.

SCHULTZ, T. W. O capital humano: investimentos em educação e pesquisa. Rio de Janei-ro: Zahar, 1971.

SCHWANTES, M. Projetos de esperança: meditações sobre Gênesis 1-11. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2009.

SILVA, D. M. Por que riem da África? São Paulo: Terceira Margem, 2009. (Percepções da Diferença. Negros e brancos na escola, 6).

SILVA, M. S. P.; CARVALHO, L. S. Faces do gerencialismo em educação no contexto da nova gestão pública. Revista Educação em Questão, Natal, v. 50, n. 36, p. 211-239, set./dez. 2014. Disponível em: https://www.researchgate.net/publication/336758775_Faces_do_gerencialismo_em_educacao_no_contexto_da_nova_gestao_publica. Acesso em: 08 nov. 2021.

SMITH, A. A riqueza das nações: investigação sobre sua natureza e suas causas. Trad. de Luiz J. Baraúna. São Paulo: Nova Cultural, 1996. (Os Economistas, v. I).

TILLICH, P. A era protestante. Instituto Ecumênico de Pós-Graduação em Ciências da Religião. São Bernardo do Campo: Ciências da Religião, 1992.

TILLICH, P. História do pensamento cristão. São Paulo: Aste, 1988.

VÁZQUEZ, A. S. Filosofia da práxis. Trad. de Luiz Fernando Cardoso. 2. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Marcos Martins; Marciano do Prado; Ademir dos Santos

Downloads

Não há dados estatísticos.