Banner Portal
As diferenças de classes
PDF

Palavras-chave

Avaliação
Classificação
Agenda neoliberal
Aparelho hegemônico

Como Citar

LALLI, Maria Eduarda De Lara; NODA, Marisa; RUCKSTADTER, Flávio Massami Martins. As diferenças de classes: uma reflexão sobre as avaliações externas. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023010, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8670493. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8670493. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

O objetivo deste estudo foi refletir sobre as avaliações em larga escala na escola pública brasileira como uma das problemáticas que permeiam a realidade desigual a partir da divisão de classes, em que o Estado Avaliador procura por meio dessas avaliações externas sustentar lógicas neoliberais. Dessa forma, a partir de 1990, as políticas públicas aprofundaram em um núcleo comum: a concepção e a finalidade em eixos mercantis, conforme apontam Gomes e Melo (2018), que buscam se alinhar às lógicas mercadológicas, apropriando-se da avaliação externa para a sua manutenção. Nesse sentido, ressalta-se neste trabalho a avaliação externa como aparelho hegemônico do Estado burguês. A pesquisa foi realizada com o estudo bibliográfico concentrado em autores que discutem a avaliação e agendas neoliberais no Brasil, entre eles respectivamente, Afonso (2000), Laurentino e Diógenes (2013); Rabelo, Segundo e Jimenez (2009); Santos, Pereira e Mello (2019). Como resultado, possibilitou uma reflexão crítica acerca do debate das Avaliações Externas no Brasil, que reduzem a apropriação dos conteúdos historicamente acumulados para a emancipação da classe trabalhadora.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8670493
PDF

Referências

AFONSO, A. J. Avaliação educacional: regulação e emancipação. São Paulo: Cortez, 2000.

BRASIL. Lei nº 9.394/1996, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Brasília, DF, 20 de dez. 1996. Disponível em: https://bityli.com/MIJiICkxf. Acesso em: 13 jul. 2021.

BRASIL. Ministério da Educação. Base Nacional Comum Curricular. Versão final. Brasília: MEC, 2017. Disponível em: https://bityli.com/9gYBO. Acesso em: 26 set. 2021.

BRASIL, Ministério da Educação Gabinete do Ministro. Portaria Nº 592, de 17 de Junho de 2015. Disponível em: https://bityli.com/Gby7Z. Acesso em: 15 set. 2021.

CASTRO, M. H. G. de. A Consolidação da Política de Avaliação da Educação Básica no Brasil. Meta: Avaliação, Rio de Janeiro, v. 1, n. 3, p. 271-296, set./dez. 2009. Disponível em: https://bityli.com/fvXj1. Acesso em: 07 fev. 2020

GALUCH, M. T. B.; SFORNI, M. S. de F. Interfaces entre políticas educacionais, prática pedagógica e formação humana. DOI: http://dx.doi.org/10.5212/PraxEduc.v.6i1.0005. Práxis Educativa, Ponta Grossa, 6, jul. 2011. Disponível em: https://bityli.com/VWyXTfHpF. Acesso em: 07 fev. 2020.

GOMES, S. S.; MELO, S. D. G. de. Políticas de Avaliação e Gestão Educacional: articulações, interfaces e tensões. Educação & Realidade, Porto Alegre, v. 43, n. 4, p. 1199-1216, out./dez. 2018. Disponível em: https://bityli.com/6f84t. Acesso em: 19 set. 2021.

LAURENTINO, V. M. S.; DIÓGENES, E. M. N. Avaliação externa enquanto aparelho hegemônico. Tópicos educacionais, Recife, v. 19, n. 2, jul./dez. 2013. Disponível em: https://bityli.com/7KaJN. Acesso em: 14 nov. 2021.

PINTO, J. M. R. O financiamento da educação na Constituição Federal de 1988: 30 anos de mobilização social. Educ. Soc., Campinas, v. 39, n. 145, p. 846-869, out./dez. 2018. Disponível em: https://bityli.com/74Mu6. Acesso em: 12 nov. 2021.

PUIZOL, J. K. P. As políticas educacionais no cenário de acumulação do capitalismo cognitivo: os processos de subjetivação e os anéis da serpente. Lugar Comum, Rio de Janeiro, n. 54, jul. 2019.

RABELO, J.; SEGUNDO, M. D. M.; JIMENEZ, S. Educação para Todos e reprodução do capital. Revista Trabalho Necessário, 2009. Disponível em: https://bityli.com/yG2su. Acesso em: 21 jul. 2022.

SANTOS, C.; PEREIRA, R.; MELLO, M. Educação gerencial nas políticas públicas de educação em tempo integral do governo Lula/Dilma ao governo Temer. Estudos IAT, Salvador, v. 4, n. 2, 2019. Disponível em: https://bityli.com/z9LPY. Acesso em: 05 nov. 2021.

SAVIANI, D. Pedagogia histórico-crítica: primeiras aproximações. 11. ed. Rev. Campinas, SP: Autores Associados, 2013.

SILVA, I. L. F.; ALVES NETO, H. F.; VICENTE, D. V. A proposta da Base Nacional Comum Curricular e o debate entre 1988 e 2015. Revista Unisinos, v. 5, n. 3, 2015. Disponível em: https://bityli.com/zzYhPkExg. Acesso em: 22 jun. 2019.

VIEIRA, S. L. Política(s) e Gestão da Educação Básica: revisitando conceitos simples. RBPAE, v. 23, n. 1, p. 53-69, jan./abr. 2007. Disponível em: https://bityli.com/Gzsn8. Acesso em: 17 jul, 2021.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Revista HISTEDBR On-line

Downloads

Não há dados estatísticos.