Banner Portal
A dimensão dialética do cinema e sua contribuição para a formação humana
ERRATA
PDF

Palavras-chave

Indústria cultural
Cinema
Educação
Ideologia
Cinema novo

Como Citar

CARNEIRO, Bruna Beatriz Lemes; PREVITALI, Fabiane Santana; FAGIANI, Cílson César; MORAIS, Sérgio Paulo. A dimensão dialética do cinema e sua contribuição para a formação humana. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023018, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8670877. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8670877. Acesso em: 28 maio. 2024.

Resumo

O presente artigo pretende problematizar a relação entre o cinema na sociedade capitalista e tem por objetivo evidenciar sua dimensão dialética e o seu papel educativo na formação da subjetividade dos indivíduos enquanto manifestação cultural. Embora esteja fortemente vinculado à reprodução da ideologia dominante, servindo à manutenção do sistema vigente, importa destacar o seu caráter contraditório, resultante do ato laborativo humano. Nesse sentido, o cinema traz em si uma dimensão emancipatória, voltada para a formação de uma consciência crítica em relação a realidade. Em um primeiro momento estabelecemos um diálogo com os autores da “Teoria Crítica”, Theodor Adorno e Max Horkheimer, que enfatizam a dimensão alienante da cultura na sociedade de massas. Em sequência apresentamos uma discussão sobre aspectos do “Cinema Novo” no Brasil, que inaugurou o comprometimento do cinema com a transformação social e política, buscando mostrar uma realidade que precisava ser modificada com a utilização destacada dos elementos do pensamento marxista. Tendo como referencial teórico-metodológico o materialismo histórico-dialético, buscamos apreender o seu movimento dialético do cinema e as suas particularidades histórico-sociais, constituídas no bojo das relações de classe entre capital e trabalho.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8670877
ERRATA
PDF

Referências

ADORNO, T. W.; HORKHEIMER, M. Dialética do esclarecimento: fragmentos filosóficos. Tradução, Guido Antônio de Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 2006.

ANTUNES, R. O privilégio da servidão: o novo proletariado de serviço na era digital. São Paulo: Boitempo, 2018. Disponível em: https://nestpoa.files.wordpress.com/2019/09/ra-ps.pdf. Acesso em: 10 ago. 2022.

BERNARDET, J. C. O que é cinema. São Paulo: Brasiliense, 1980.

BRAVERMAN, H. Trabalho e capital monopolista. A degradação do trabalho no século XX, Rio de Janeiro. 1987 v. 3.

CARNEIRO, B. B. L. Cinema e educação: a dimensão dialética do cinema e seu papel na formação dos indivíduos, Uberlândia, 2021. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/31736/4/CinemaEduca%c3%a7%c3%a3oDimens%c3%a3o.pdf. Acesso em: 19 jul. 2022.

COELHO, T. O que é indústria cultural. 35. ed. São Paulo: Brasiliense, 1993. (Coleção Primeiros Passos). Disponível em: https://www.professores.uff.br/jacquelineribeiro/wp-content/uploads/sites/77/2019/10/09.-COELHO-O-que-%C3%A9-ind%C3%BAstria-cultural.pdf. Acesso em: 07 ago. 2022.

COSTA, A. Compreender o cinema. Tradução: Nilson Moulin Louzada; Revisão Técnica: Sheila Shvarzman. 3. ed. São Paulo: Globo, 2003.

DUARTE, R. Cinema & educação. Belo Horizonte, MG. Autêntica, 2002.

DUARTE, R.; ALEGRIA, J. Formação Estética Audiovisual: um outro olhar para o cinema a partir da educação. Revista Educação e Realidade, ed. 33, v. 1, p. 59-80, jan./jun. 2008. Disponível em: https://seer.ufrgs.br/index.php/educacaoerealidade/article/view/6687. Acesso em: 10 set. 2022.

FRANÇA, L. B. A cinemateca educacional de Henry Ford e o projeto de sociabilidade fordista. Aurora: Revista de Arte, Mídia e Política, São Paulos, v. 9, n. 26, p. 58-74, jun./set. 2016. Disponível em: https://revistas.pucsp.br/index.php/aurora/article/view/27495/22201. Acesso em: 20 set. 2022.

GRAMSCI, A. Cadernos do cárcere. Temas de Cultura. Ação Católica. Americanismo e Fordismo. Tradução: Carlos Nelson Coutinho e Luiz Sérgio Henriques. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2001.

HARVEY, D. Condição pós-moderna. Tradução: Adail Ubirajara Sobral e Maria Stela Gonçalves. 17. ed. São Paulo, SP: Loyola, 2008.

MARX, K. Manuscritos econômico-filosóficos; tradução: Jesus Ranieri. – [4 reimp]. – São Paulo, Boitempo, 2010.

MÉSZÁROS, I. A educação para além do capital. Tradução: Isa Tavares. 2. ed. São Paulo, Boitempo, 2008.

MÉSZÁROS, I. A teoria da alienação em Marx. Tradução Nélio Schneider. 1. ed. São Paulo: Boitempo, 2016.

MÉSZÁROS, I. O poder da ideologia. Tradução Magda Lopes e Paulo Cezar Castanheira. 1. ed. 5 reimp. São Paulo: Boitempo, 2014. p. 566-566.

OLIVEIRA, J. ‘Indústria Americana’ bate ‘Democracia em Vertigem’ e leva Oscar de Melhor Documentário. Longa de Petra Costa perde para o longa produzido pela Netflix e pelo casal Obama. El País, São Paulo, 09, feb. 2020. Disponível em: https://brasil.elpais.com/cultura/2020-02-10/american-factory-bate-democracia-em-vertigem-e-leva-oscar-de-melhor-documentario.html. Acesso em: 20 nov. 2022.

OS VINGADORES. Direção: Joss Whedon. Produtores: Jon Favreau, Kevin Feige, Louis D’Esposito, Victória Alonso. Estados Unidos. Produtora: Marvel Studios, Walt Disney Pictures, Walt Disney Studios Motion Pictures, 2012. 142 min.

PREVITALI, F. S.; FAGIANI C. C.; GIL, A. D.; LUCENA, C. A. Educação e cinema: formação política e prática pedagógica junto aos movimentos sociais populares do campo. Revista HISTEDBR Online, Campinas, n. 50 (especial), p. 161-178, maio 2013. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8640300. Acesso em: 05 set. 2022.

RODRIGUES, N. Adeus meninos: um discurso contra o esquecimento. In: TEIXEIRA, I. A. C.; LOPES, J. S. (org.). A escola vai ao cinema. Belo Horizonte: Autêntica. 2003. p. 27- 48.

SAVIANI, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v. 12, n. 34, jan./abr. 2007. Disponível em: https://www.scielo.br/j/rbedu/a/wBnPGNkvstzMTLYkmXdrkWP/?format=pdf&lang=pt Acesso em: 20 out. 2022.

SILVA NETO, M. R. O universo cinematográfico da Marvel como fonte de soft power dos Estados Unidos da América, 2018. Disponível em: https://repositorio.ufu.br/bitstream/123456789/24079/1/UniversCinematogr%c3%a1ficoMarvel.pdf. Acesso em: 05 nov. 2022.

TURNER, G. Cinema como prática social. Tradução: Mauro Silva, São Paulo -SP, Summus, 1997.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Bruna Carneiro; Fabiane Previtali; Cílson Fagiani; Sérgio Morais

Downloads

Não há dados estatísticos.