Banner Portal
Os 15+2 e a memória educativa da redemocratização em Angola
PDF

Palavras-chave

15+2 (quinze mais duas)
Sindicato
Professores
Estudantes
Memória educativa

Como Citar

MIGUEL, Oliveira Adão; MAGALHÃES, Lívia Diana Rocha. Os 15+2 e a memória educativa da redemocratização em Angola. Revista HISTEDBR On-line, Campinas, SP, v. 23, n. 00, p. e023055, 2023. DOI: 10.20396/rho.v23i00.8674141. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/histedbr/article/view/8674141. Acesso em: 21 abr. 2024.

Dados de financiamento

Resumo

Neste texto, pretende-se situar as lutas sociais produzidas no contexto angolano dos anos de 1990 a 2015 por ativistas, em sua maioria estudantes e professores, que desencadearam manifestações em prol de direitos democráticos em contraposição ao regime “Eduardista”, que durava mais de 32 anos. Lutas que remontam às reivindicações do sindicato dos professores, à detenção dos grevistas e à ação do movimento dos “Revú”, quando parte de seus integrantes decidiu se manifestar a favor da libertação de sindicalistas, em um gesto de solidariedade. Do movimento dos “Revú” decorre, em 2015, o movimento que passou a ser chamado de “15+2” (quinze mais duas), quando jovens do grupo foram detidos(as) e julgados(as) injustamente, fato bastante midiatizado. Considera-se que desse processo ocorre a construção de “uma memória educativa” que passa a permear a história das lutas por redemocratização em Angola.

https://doi.org/10.20396/rho.v23i00.8674141
PDF

Referências

ANGOLA. [Constituição (2010)]. Constituição da República de Angola. Luanda: Assembleia Constituinte, 2010.

ANGOLA. Decreto n. 14, de 11 de maio de 1991. Dispõe sobre a Lei das Associações. Diário da República: I Série, Luanda, n. 20, 1991a.

ANGOLA. Decreto n. 15, de 11 de maio de 1991. Dispõe sobre a Lei dos Partidos Políticos Independentes. Diário da República: I Série, Luanda, n. 20, 1991b.

ANGOLA. Decreto n. 20, de 11 de maio de 1991. Dispõe sobre a Lei do Direito de reunião e das manifestações. Diário da República: I Série, Luanda, n. 20, 1991c.

ANGOLA. Decreto n. 21, de 28 de agosto de 1992. Dispõe sobre a Lei Sindical. Diário da República: I Série, Luanda, n. 34, 1992.

ANGOLA. Decreto n. 22, de 15 de junho de 1991. Dispõe sobre a Lei de Imprensa. Diário da República: I Série, Luanda, n. 25, 1991d.

ANGOLA. Decreto n. 23, de 15 de junho de 1991. Dispõe sobre a Lei do Direito à Greve. Diário da República: I Série, Luanda, n. 25, 1991e.

ANTÓNIO, N. D. Transição pela transação: uma análise da democratização em Angola. 2013. Tese (Doutorado em Sociologia e Ciência Política) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2013.

ATIVISTA de Angola 15+2. Jornal DW. 25 de junho de 2023. Disponível em: https://www.dw.com/cda/pt-002/ativistas-de-angola-152/t-37979505. Acesso em: 13 jul. 2023.

BOTELHO, J. O que é terrorismo de Estado? Politize! Alagoas. 08 setembro 2021. Disponível em: https://www.politize.com.br/o-que-e-terrorismo-de-estado/. Acesso em: 15 mar. 2023.

CORDEIRO, A. D. Os filhos do musseque que se juntaram ao filho do regime em Angola. Jornal O Público, Lisboa, 24 outubro 2015. Disponível em: https://www.publico.pt/2015/10/24/mundo/noticia/osfilhos-do-musseque-juntaramse-ao-filho-do-regime-em-angola-1712176. Acesso em: 03 jun. 2021.

DA CRUZ, D. Da ditadura a democracia: ferramentas para destruir a ditadura e evitar novo ditador. Lisboa: Tinta da China, 2015.

DALA, N. A. O pensamento político dos jovens revús: discurso e ação. Santarém: Edição de Autor, 2016.

ENTREVISTA a Laurinda Gouveia, Jovem acusada de tramar rebelião contra o governo angolano. Global Voices. Parte I, 22 novembro 2015. Disponível em: https://pt.globalvoices.org/2015/11/22/entrevista-a-laurinda-gouveia-jovem-acusada-de-tramar-rebeliao-contra-o-governo-angolano-parte-i/. Acesso em: 15 jul. 2023.

FERNANDES, J. P.; CAPUMBA, P. A. História. 12. ed. Classe, 2º Ciclo do Ensino Secundário- Reforma Educativa. Luanda: Texto Editores. 2009.

GOHN, M. G. Teorias dos movimentos sociais. Paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola, 2004.

GOUVEIA, J. B. Os direitos fundamentais atípicos. Lisboa: Aequitas, 2017.

HALBWACHS, M. A memória coletiva. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 2006.

HALBWACHS, M. Quadros sociais da memória. São Paulo: Editora Revista dos Tribunais, 1968.

HATA, J. G. Entrevista I. [Entrevista cedida à] Oliveira Adão Miguel. Cacuaco, 14 de abril de 2022. Entrevista presencial.

JELIN, E. Los trabajos de la memoria. Madrid: Siglo XXI de España, 2002.

JOSÉ, M.“Revús” completam 10 anos e dizem que a "luta continua", em Angola. Voz da América, Angola, Abril 2021. Disponível em: https://www.voaportugues.com/a/revús-completam-10-anos-e-dizem-que-a-luta-continua-em-angola/5801872.html. Acesso em: 16 jul. 2023.

LUIELE, M. M. O ano das manifestações. Maka Angola. Angola. 06 junho 2012. Disponível em https://www.makaangola.org/2012/01/o-ano-das-manifestacoes/. Acesso em: 29 mar. 2022.

MACEDO, F. Sociedade Civil e Poder Político. In: VIDAL, N.; ANDRADE, J. P. (org.). Sociedade Civil e Política em Angola enquadramento Regional e internacional. Luanda: Lisboa: Edições Firmamento: Media XXI, 2006.

MAGALHÃES, L. D. R.; TIRIBA, L. Experiência de classe e memória coletiva: possíveis aproximações entre E. P. Thompson e Halbwachs. In: MAGALHÃES, L. D. R.; TIRIBA, L. (org.). Experiência: o termo ausente? Sobre história, memória, trabalho e educação. Uberlândia: Navegando, 2018.

MASUKU, T. Angola “querem manter-nos vulneráveis” defensores dos direitos humanos sob pressão. Relatório da Missão de Apuramento de Factos. Observatório para a Protecção dos Defensores dos Direitos Humanos, 2015.

MAYEMBE, N. Reforma educativa em Angola: a monodocência no Ensino Primário em Cabinda. 2016. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2016.

MENDONÇA JÚNIOR, F. C. Do palco para as ruas: o rap como impulsionador das manifestações cívicas em angola. Revista convergência crítica, Rio de Janeiro, n. 14, 2018. Disponível em: https://periodicos.uff.br/convergenciacritica/article/view/42348. Acesso em: 20. jun. 2023.

MESSIANT, C. A Fundação Eduardo dos Santos (FESA). A propósito da “investida” da sociedade civil pelo poder angolano, Lusotopie, v. 2, n. 17, 2018. Disponível em: https://journals.openedition.org/lusotopie/3403. Acesso em: 20 jun. 2023.

MUKUTA, C. Frustrado é o Eduardo dos Santos. Voz da América, Angola, 07 junho 2013. Disponível em: https://www.voaportugues.com/a/frustrado-eo-o-eduardo-dos-santos--jovem-activista/1677443.html. Acesso em: 15 mar. 2023.

MUKUTA, C. Recomeça o julgamento do caso Cassule e Kamulingue. Voz da América, Angola, 04 de fevereiro de 2015. Disponível em: https://www.voaportugues.com/a/recomea-o-julgamento-do-caso-cassule-kamulingue/2628762.html. Acesso em: 20 jun. 2023.

O'DONNELL, G.; SCHMITTER, P. Transições do regime autoritário: primeiras conclusões. São Paulo: Revista dos Tribunais, 1988.

PAXE, I. O SINPROF nas políticas públicas da educação. KULONGA, v. 7, p. 13-24, 2011.

SANTOS, C. Quem são os ativistas presos desde 20 de junho e as acusadas que não estão detidas. Esquerda. Lisboa. 21 outubro 2015. Disponível em: https://www.esquerda.net/dossier/quem-sao-os-ativistas-presos-desde-20-de-junho-e-acusadas-que-nao-estao-detidas/39200. Acesso em: 10 mar. 2023.

SHARP, G. Da ditadura à democracia: uma estrutura conceitual para a libertação. Tradução: José A. S. Filardo. São Paulo: Palas Athena, 2017.

SIMPROF. Sindicato dos Professores de Angola. Estatuto do Sindicato Nacional do Professores. Despacho nº 48/2018. Diário Oficial da República de Angola. 20 de fevereiro de 2018.

THOMPSON, E. P. A miséria da teoria ou um planetário de erros. Rio de Janeiro: Zahar, 1981.

VIEIRA, L. Angola: a dimensão ideológica da educação (1975-1992). Luanda: Nzila, 2007.

WRIGHT, G. A destruição de um país: a política dos estados unidos para Angola desde 1945. Lisboa: Caminho, 2002. (Colecção Estudos Africanos).

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial 4.0 International License.

Copyright (c) 2024 Oliveira Miguel; Lívia Magalhães

Downloads

Não há dados estatísticos.