Nova objetividade e nova subjetividade
PDF

Palavras-chave

Nova Objetividade
Subjetividade
Coletivo
Hélio Oiticica.

Como Citar

BRAGA, P. Nova objetividade e nova subjetividade: Hélio Oiticica rumo ao coletivo. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 1, n. 3, p. 123–135, 2017. DOI: 10.24978/mod.v1i3.869. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662241. Acesso em: 2 mar. 2024.

Resumo

A obra Tropicália apresentada por Hélio Oiticica na exposição Nova Objetividade Brasileira, bem como o texto escrito pelo artista para o catálogo da mostra anunciam a ênfase no coletivo e na potência da arte como fomentadora de subjetivações que não separam os âmbitos da  ética, política e estética. Assim, é possível alinhar as estruturas ambientais de Oiticica a estruturas conceituais de pensadores como Jacques Rancière, Gilles Deleuze e Toni Negri, identificando os labirintos do artista carioca como estruturas emancipadoras, nomádicas e construtoras da multidão.

https://doi.org/10.24978/mod.v1i3.869
PDF

Referências

ARQUIVO HÉLIO OITICICA (AHO). Rio de Janeiro, Projeto Hélio Oiticica, 2006.

BARTHES, Roland. S/Z. trad. do francês por Richard Miller. London: Blackwell Publishing Ltd, 2002.

BRAGA, Paula. Hélio Oiticica: Singularidade, Multiplicidade. São Paulo: Perspectiva, 2013.

COELHO, Frederico. Livro ou livro-me: os escritos babilônicos de Hélio Oiticica (1971-1978). Rio de Janeiro: EdUERJ, 2010.

DEBORD, Guy. A Sociedade do Espetáculo, Rio de Janeiro: Contraponto, 1997.

DELEUZE, Gilles e GUATTARI, Felix. Mil Platôs: Capitalismo e Esquizofrenia - vol. 5, S. Paulo: Ed 34, 1997.

MARCUSE, Herbert. Eros e Civilização. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1975.

MERLEAU-PONTY, Maurice. Fenomenologia da Percepção. São Paulo: Martin Fontes, 2006.

NEGRI, Antonio e HARDT, Michael. Multidão: guerra e democracia na era do império. Rio de Janeiro: Record, 2005.

OITICICA, Hélio. Aspiro ao Grande Labirinto, Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

LAGNADO, Lisette (ed.) Programa Hélio Oiticica. São Paulo: Itaú Cultural; Rio de Janeiro: Projeto HO, 2002. Disponível em http://www.itaucultural.org.br/programaho/. Acessado em 08/05/2017.

RANCIÈRE, Jacques. O espectador emancipado, Lisboa: Orfeu Negro, 2010.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2018 MODOS

Downloads

Não há dados estatísticos.