Nova Objetividade Brasileira

Posicionamentos da vanguarda

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v1i3.867

Palavras-chave:

Vanguarda brasileira, política, Nova Objetividade Brasileira.

Resumo

A exposição Nova Objetividade Brasileira, mostrada no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro em 1967, representou um momento fundamental para a debate cultural nacional. Ao afirmar uma arte experimental, a exposição balizava a construção de uma vanguarda estruturada pela participação do espectador, pelo conceito do objeto e pelo posicionamento político.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Paulo Reis, Universidade Federal do Paraná

Professor do Departamento de Artes da Universidade Federal do Paraná.

Referências

ARGAN, Giulio Carlo. Arte moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.

BRITO, R. Neoconcretismo: vértice e ruptura do projeto construtivo brasileiro. São Paulo: Cosac Naif, 1999.

CARDENUTO, R. Antonio Benetazzo, permanências do sensível. São Paulo: Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, 2016.

CHIARELLI, Tadeu. Nelson Leirner: arte e não Arte. São Paulo: Takano, 2002.

CORDEIRO, A. Waldemar Cordeiro: fantasia exata. São Paulo: Itaú Cultural, 2014.GULLAR, Ferreira. Teoria do Não-objeto. In: Continente Sul/Sur. Revista do Instituto Estadual do Livro, Porto Alegre, n. 6, nov./1997.

Ferreira, G.; COTRIM, C. Escritos de artistas: anos 60/70. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006).

GRINBERG, Lucia; ARAÚJO, Maria Paula Nascimento e QUADRAT, Samantha (orgs.). 50 anos do golpe: debates discentes. Niterói; PPGHistória/UFF, 2016.

MARTINS, Carlos Estevam. Manifesto do CPC/UNE. In: HOLLANDA, H. Impressões de Viagem: CPC, Vanguarda e Desbunde. São Paulo, Brasiliense, 1981, p.121-144.

MORAIS, F. Como é a vanguarda paulista?. In: Revista GAM, Rio de Janeiro, n. 5, abr./67.

_____. A vocação construtiva da arte latino-americana (mas o caos permanece). In: PONTUAL, Roberto (Coord.). América Latina: geometria sensível. Rio de Janeiro: Edições Jornal do Brasil/GBM, 1978.

_____. Por que a vanguarda brasileira é carioca? In: Arte em Revista – anos 60, nº 2, ano 1, maio-ago./1979. Kairós, São Paulo.

NOVA Objetividade Brasileira (cat.). Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, 1967.

OITICICA, H. Aspiro ao grande labirinto. Rio de Janeiro: Rocco, 1986.

_____. Programa Ambiental. In: Hélio Oiticica (cat.). Paris: Galerie Nationale du Jeu de Paume, 1992.

____. Situação da vanguarda no Brasil. In: Arte em Revista – anos 60, ed. nº 2, ano 1, maio-ago./1979. Kairós, São Paulo.

OPINIÃO pública, A. Direção: Arnaldo Jabor. Europa Filmes - São Paulo. 1998. Son., PB, Formato: vídeo NTSC.

PAPE, L. Lygia Pape. Entrevista a Lúcia Carneiro e Ileana Pradilla. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1998.

PEDROSA, M. Política das artes. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1995.

PIGNATARI, D. Contracomunicação. São Paulo: Perspectiva, 1971.

REIS, P. Arte de vanguarda no Brasil: os anos 60. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editor, 2006.

REVISTA de Cultura Vozes. Arte Brasil hoje. Editora Revista Vozes, Petrópolis, ano 64, novembro de 1970.

REVISTA de Cultura Vozes. Vanguarda brasileira: caminhos e situações. Editora Revista Vozes, Petrópolis, ano 64, janeiro/fevereiro de 1970.

RIDENTE, M. Em busca do povo brasileiro. Rio de Janeiro: Record, 2000.

SCHENBERG, M. Propostas 65 (cat.). São Paulo: Fundação Armando Álvares Penteado, 1965.

Schwarz, R. Cultura e política. São Paulo: Paz e Terra, 2001.

ZÍLIO, C. Arte e política/1966-1976 (cat.), Rio de Janeiro: Museu de Arte Moderna/RJ, MAM/RJ,1996.

ZÍLIO, C. Brasil Diarréia. In: Arte & Ensaios nº 18. Rio de Janeiro, Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais/ Escola de Belas Artes, UFRJ, julho de 2009 (114-147).

Downloads

Publicado

2017-09-03

Como Citar

REIS, P. Nova Objetividade Brasileira: Posicionamentos da vanguarda. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 1, n. 3, p. 98–114, 2017. DOI: 10.24978/mod.v1i3.867. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662243. Acesso em: 2 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Da adversidade vivemos!

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)