Novos caminhos da figuração

A migração dos artistas portugueses para Londres e Paris no pós-guerra

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v4i1.4358

Palavras-chave:

Migração. Artistas portugueses. Nova-figuração. Escola de Londres. Escola de Paris.

Resumo

Este artigo cruza duas investigações centradas nos percursos internacionais dos artistas portugueses e as suas experiências criativas em Londres e Paris. Partindo do contexto português e dos novos desafios artísticos no período após a Segunda Guerra Mundial, o texto explora os distintos contributos dos artistas em Londres e Paris para a formulação de uma nova corrente estética, a nova-figuração, e para a abordagem da contemporaneidade, quer do ponto de vista político, quer do ponto de vista da nova cultura de massas e de consumo. Neste artigo, é dada ainda particular atenção à receção pela crítica portuguesa do trabalho destes artistas, que foi interpretado como sendo especificamente português, resultando de movimentos criativos anteriores e do ambiente político, económico e social do país. Esta “nacionalização” da nova-figuração é confrontada, neste estudo, com a abordagem crítica por parte dos artistas portugueses relativamente às novas correntes artísticas internacionais, como o “realismo moderno”, a pop art e o nouveau réalisme. Propõe-se, ainda, que estes artistas migrantes delinearam no contexto internacional, linhas de trabalho que complexificaram o panorama artístico europeu ao colocar em diálogo uma realidade específica, marcada pelo totalitarismo e repressão, e novas formas de expressão.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joana Baião, Universidade Nova de Lisboa; Instituto Politécnico de Bragança

Investigadora integrada ao Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade NOVA de Lisboa. Baião é ainda investigadora do Laboratório de Artes na Montanha – Graça Morais, Centro de Investigação de Montanha (CIMO) – Instituto Politécnico de Bragança

Leonor de Oliveira, Universidade Nova de Lisboa; Courtauld Institute of Art

Investigadora integrada ao Instituto de História da Arte, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade NOVA de Lisboa. Oliveira é também investigadora do Courtauld Institute of Art, Londres. 

Referências

ALFARO, C.; OLIVEIRA, L. (eds.). 1961: Ordem e Caos. Paula Rego, Victor Willing, Eduardo Batarda, Bartolomeu Cid dos Santos. Catálogo de exposição. Cascais: Fundação D. Luís I - Casa das Histórias Paula Rego, 2015.

AZEVEDO, F. de; RIBEIRO, R.; RIBEIRO, A. Conflito e unidade da arte contemporânea. Almada: Galeria Municipal de Arte, 1992.

AMORIM, R. Uma exposição discutida: Problemas e anseios de sete jovens pintores. Diário Ilustrado, 17 dez. 1956, pp. 8 e 12.

BAIÃO, J. Artistic emigration from Lisbon to Paris in the first half of the 1960s: six Portuguese painters from Paris revisited. Artl@s Bulletin 6 (2), 2017, pp. 12-125. Acessível em URL: ˂https://docs.lib.purdue.edu/artlas/vol6/iss2/8/˃; acedido em 2 nov. 2019.

BERTHOLO, R. Quebrar o isolamento deve ser o objectivo essencial dos pintores portugueses – pensam Lourdes Castro e René Bértholo. Entrevista. Jornal de Letras e Artes, 31 jul. 1963, p. 10.

_____. [Entrevista conduzida por Bernard Monitot]. In: René Bertholo. Catálogo de exposição. Paris: Galerie du Dragon, 1985.

CASTRO, L. Serigrafias, s.d. [196?]. Citada em: Lourdes Castro. Além da Sombra. Catálogo de exposição. Porto: Fundação de Serralves, 1992, s.p.

DIAS, F. R. A nova-figuração nas artes plásticas em Portugal, (1958-1975). Tese de Doutoramento em Ciências e Teorias da Arte. 3 volumes. Lisboa: Faculdade de Belas-Artes da Universidade de Lisboa, 2009. Acessível em URL: ˂http://repositorio.ul.pt/handle/10451/1975˃; acedido em 17 out. 2019.

DIONÍSIO, M. [Resposta ao inquérito] A arte e a vida. Diário de Lisboa, 5 abr. 1957, pp. 1 e 7.

ESCADA, J. Souza-Cardoso pintor europeu [1959]. Citado em: H. Freitas; C. Alfaro (eds.) Amadeo de Souza Cardoso: Catálogo Raisonné, vol. II: Pintura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Centro de Arte Moderna José Azeredo Perdigão, 2008, pp. 62–64.

FÉRIA, L. Jorge Vieira: Reminiscências mágicas [entrevista com o artista]. Diário de Lisboa, 9 jan. 1987, pp. 26-27.

FRANÇA, J-A. O Futuro da Pintura Portuguesa? O Comércio do Porto, 23 out. 1956, p. 6.

_____. Pintura de Lourdes Castro e René Bèrtholo. Catálogo de exposição. Lisboa: Galeria de Exposições do Diário de Notícias, 1957.

GARLAKE, M. New art: new world: British art in postwar society. New Haven; London: Yale University Press, 1998.

GONÇALVES, R. M. A II Exposição da Fundação Gulbenkian. Jornal de Letras e Artes, n. 15, 10 jan. 1962a, p. 14.

_____. A terceira geração na II Exposição Gulbenkian. Jornal de Letras e Artes, n. 23, 7 mar. 1962b, p. 15.

_____. Lourdes Castro e René Bértholo – Galeria Divulgação. Colóquio. Revista de Artes e Letras, n. 31, dez. 1964, pp. 39-40.

_____. Seis pintores portugueses de Paris. Catálogo de exposição. Lisboa: Galeria Buchholz, 1966.

_____. Recordando os anos sessenta. In: Anos 60, anos de ruptura: uma perspectiva da arte portuguesa nos anos sessenta. Catálogo de exposição. Lisboa: Sociedade Lisboa 94: Livros Horizonte, 1994, [s.p.].

HYMAN, J. The battle for realism: figurative art in Britain during the Cold War, 1945-1960. New Haven; London: Yale University Press, 2001.

JORGE VIEIRA. Catálogo de exposição. [Lisboa]: Secretaria de Estado da Cultura. Instituto Português de Museus: Museu do Chiado, 1995.

LACERDA, A. Labareda: Poemas escolhidos. Lisboa: Tinta da China, 2018.

LEVEQUE, J-J. Chemay – Bertholo. Une ère baroque. Arts, n. 934, 30 out.-5 nov. 1963, p. 12.

MATOS, L. A. Escultura em Portugal no século XX, 1910-1969. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian; Fundação para a Ciência e a Tecnologia, 2007.

OLIVEIRA, L. Fundação Calouste Gulbenkian: estratégias de apoio e internacionalização da arte portuguesa 1957–1969. Tese de Doutoramento em História da Arte – Museologia e Património Artístico. Lisboa: Faculdade de Ciências Sociais e Humanas, Universidade Nova de Lisboa, 2013. Acessível em URL: ˂https://run.unl.pt/handle/10362/10646˃; acedido em 17 out. 2019.

_____. Iconografias de resistência: O caso de quatro artistas portugueses em Londres nos anos 1950. Ler História, n. 74, 2019, pp. 187-212. Acessível em URL: ˂https://journals.openedition.org/lerhistoria/4854˃; acedido em 1 nov. 2019.

_____. Portuguese Artists in London: Shaping Identities in Post-War Europe. London; New York : Routledge, 2020.

PERNES, F. A minha pintura não é neo-dada [entrevista com Paula Rego]. Jornal de Letras e Artes, n. 223, 5 jan. 1966a, p. 1.

_____. Exposições na S.N.B.A. galeria de arte moderna: Paula Rego, Conduto, Pomar, Sá Nogueira. Colóquio: Revista de Artes e Letras, n. 38, abr. 1966b, pp. 60-62.

READ, H. New aspects of British Sculpture. In: Exhibition of works by Sutherland, Wadsworth, Adams, Armitage, Butler, Chadwick, Clarke, Meadows, Moore, Paolozzi Turnbull [exposição organizada pelo British Council para a XXVI Bienal de Veneza]. [London]: British Council, 1952.

RESTANY, P.; BERTHOLO, R. O real para além da narrativa. In: René Bertholo. Catálogo de exposição. Porto: Fundação de Serralves, 2000, pp. 51-56.

RESTANY, P. Paris, 1958-1963. In: KWY Paris 1958-1968. Catálogo de exposição. Lisboa: Centro Cultural de Belém / Assírio & Alvim, 2001, pp. 49-51.

RODRIGUES, A. [Introdução]. In: Anos 60, anos de ruptura: uma perspectiva da arte portuguesa nos anos sessenta. Catálogo de exposição. Lisboa: Sociedade Lisboa 94: Livros Horizonte, 1994, [s.p.].

SKAPINAKIS, N. Amadeo S. Cardoso: livro de J. Augusto França. Arquitectura, n. 62, 1958c, pp.56–57.

_____. Inactualidade da arte moderna. [Lisboa]: Seara Nova, 1958b.

_____. Livros. Conflito e unidade da arte contemporânea – dr. Mário Dionísio. Arquitectura, n. 63, dez. 1958a, p. 53.

_____. Amadeo de Souza-Cardoso: retrospectiva (1959). Citado em: H. Freitas; C. Alfaro (eds.) Amadeo de Souza Cardoso: Catálogo Raisonné, vol. II: Pintura. Lisboa: Fundação Calouste Gulbenkian. Centro de Arte Moderna José Azeredo Perdigão, 2008, pp. 60–61.

STEYN, J. Realism versus Realism in British Art of the 1950s. Third Text v. 22, n. 2, mar. 2008, pp. 145-156.

SYLVESTER, D. Round the London Galleries. The Listener, 27 jan. 1955, p. 162.

_____. About Modern Art: Critical Essays 1948-2000. London: Pimlico, 2002.

_____. The Brutality of Fact: Interviews with Francis Bacon. London: Thames & Hudson, 2012.

TICKNER, L.; CORBETT, D. P. Being British and Going... Somewhere. Art History, Special Issue: British Art and the Cultural Field, 1939-69 v. 35, n. 2, abr. 2012, pp. 207-215.

Downloads

Publicado

2020-01-13

Como Citar

BAIÃO, J.; OLIVEIRA, L. de. Novos caminhos da figuração: A migração dos artistas portugueses para Londres e Paris no pós-guerra. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 4, n. 1, p. 92–111, 2020. DOI: 10.24978/mod.v4i1.4358. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8662879. Acesso em: 5 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Intersecções do exílio

Artigos mais lidos pelo mesmo(s) autor(es)