Acervos como navios, frágeis não são apenas os migrantes

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i2.4089

Palavras-chave:

Leila Danziger, arquivo, memória, identidade, migração.

Resumo

A exposição Navio de emigrantes (2018), de Leila Danziger, parte da obra homônima de Lasar Segall para refletir sobre migrações, sejam as judaicas da primeira metade do século XX, seja a recente diáspora de africanos e asiáticos em direção à Europa. A partir de aproximações entre memória e identidade, levantaremos algumas discussões possíveis sugeridas pela exposição.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Pedro Ernesto Freitas Lima, Universidade de Brasília

Doutorando em Artes Visuais, na linha de Teoria e História da Arte, na Universidade de Brasília (UnB).

Referências

CANDAU, Joël. Antropologia da memória. Lisboa: Instituto Piaget, 2013.

COSTA, Luiz Cláudio da. O artista an-arquivista: os dispositivos de coleção na arte contemporânea. In: Porto Arte, 2011, n. 30, p. 77-89.

FONSECA, Raphael; DANZIGER, Leila; SELIGMANN-SILVA, Márcio. Navio de emigrantes [catálogo de exposição]. Brasília – São Paulo: Caixa Cultural / ADUPLA, 2018.

LISPECTOR, Clarice. Uma esperança. In: LISPECTOR, Clarice; MOSER, Benjamin (org.). Todos os contos: Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco, 2016. p. 411-413.

PHILLIPS, Caryl. Uma margem distante. Tradução de Maria José Silveira. Rio de Janeiro: Record, 2006.

RANCIÈRE, Jacques. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

Downloads

Publicado

2019-05-27

Como Citar

FREITAS LIMA, P. E. Acervos como navios, frágeis não são apenas os migrantes. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 2, p. 297–304, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i2.4089. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663012. Acesso em: 10 dez. 2022.

Edição

Seção

Ex-posições / Resenhas