Dar forma a um escultor disforme

O Aleijadinho, de Henrique Bernardelli, e a figuração do primeiro gênio da história da arte brasileira

Autores

  • Fábio D'Almeida Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

DOI:

https://doi.org/10.24978/mod.v3i2.4164

Palavras-chave:

Aleijadinho, Henrique Bernardelli, artistas do passado, pintura brasileira do século XIX.

Resumo

Trata-se neste trabalho de analisar a pintura Aleijadinho, o escultor Antônio Francisco Lisboa, de Henrique Bernardelli, primeira imagem conhecida a representar a vida de um mestre colonial do passado latino americano. Interessa, de início, situar a obra no contexto nacional ao lado de outras cujo objeto é também a representação de artistas do presente e do passado. Procede-se a uma discussão introdutória sobre o processo de construção biográfica do Aleijadinho, para se compreender, em seguida, a maneira segundo a qual o quadro de Bernardelli, com a ajuda da primeira biografia do escultor, publicada em meados do século XIX, amplia a ideia de um “gênio” colonial predestinado, mas invertendo-a em algumas partes fundamentais. Em seguida, desenvolve-se uma análise aproximada do quadro, devedora de abordagens de iconografia analítica, a fim de pôr também em relevo algumas das questões de fundo social e cultural que, figuradas na imagem, concernem à leitura que Bernardelli faz do passado colonial brasileiro. Por fim, propõe-se uma discussão sobre a maneira pela qual Bernardelli, representando um escultor pobre e deficiente, subverte de modo significativo as fórmulas usuais praticadas nas representações europeias dedicadas às vidas de mestres do passado, nas quais ele busca, todavia, inspiração.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fábio D'Almeida, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da Universidade de São Paulo

Pós-doutorando na FAU-USP / École du Louvre. Bolsista FAPESP.

Referências

BONNET, Alain; JAGOT, Hélène (orgs.). L’artiste en représentation : images des artistes dans l’art du XIXe siècle. Lyon: Fage, 2013.

BRETAS, Rodrigo J. Ferreira; VEIGA, José P. Xavier (org.). Aleijadinho. In: Revista do Arquivo Público Mineiro, 1896 [1858], n. 1, Ouro Preto, Imprensa Official de Minas Gerais.

DUQUE ESTRADA, Luiz Gonzaga. A arte brasileira. São Paulo: Mercado das letras, 1995.

CORSI, Stefano; SISI, C. Michelangelo nell’ottocento. Florença: Charta, 1994.

D’ALMEIDA, Fábio. O jovem Pedro Américo entre arte, ciência do belo e um outro nacional. Tese (Doutorado em Artes Visuais) – ECA/USP, São Paulo, 2016.

DÉMORIS, René. L’Artiste en représentation. Paris: Desjonquères, 1993.

GEORGEL, Pierre. La peinture dans la peinture. Paris: 1982.

GIANNETTI, Ricardo. Henrique Bernardelli em Ouro Preto: contribuição ao trabalho de Celita Vaccani. 19&20, Rio de Janeiro, v. IV, n. 4, out. 2009.

GRAMMONT, G. Aleijadinho e o aeroplano: o paraíso barroco e a construção do herói colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.

HASKELL, F. Les maîtres anciens dans la peinture française du XIXe siècle. In: ______. De l’art et du goût. Paris: Gallimard, 1989.

JOUVE, Claudine Lebrun. Nicolas-Antoine Taunay, 1755-1830. Paris: Arthena, 2003.

KLEFFMANN, Andrea. Atelierdarstellungen im 18. und 19. Jahrhundert. Essen: Verl. Die Blaue Eule, 2000.

KRIS, Ernst; KURZ, Otto. Lenda, mito e magia na imagem do artista. Lisboa: Editorial Presença Lisboa, 1988.

LAUGÉE, Thierry. Figures du génie dans l’art français. Paris: Presses Universitaires de Paris-Sorbonne, 2016.

LEVEY, Michael. The painter depicted. London: Thames & Hudson, 1981.

MÉROT, Alain. ‘Légende dorée’ d’un peintre: Eustache Lesueur au XIXe siècle. B.S.H.A.F., n. 84, 1982, p. 107–118.

S./A. Henrique Bernardelli. Henrique Bernardelli. Minas Gerais: Orgão oficial dos poderes do Estado, Ouro Preto, 2 abr. 1898.

S./A. Henrique Bernardelli. Henrique Bernardelli. Minas Gerais: Orgão oficial dos poderes do Estado, Ouro Preto, 3 abr. 1898.

McQUEEN, Alison. The rise of the cult of Rembrandt: reinventing an old master in nineteenth-century France. Amsterdam: University Press, 2003.

OLIVEIRA, Myriam Andrade R. O Aleijadinho e sua oficina: catálogo das esculturas devocionais. São Paulo: Editora Capivara, 2002.

PITTA, Fernanda. O jabuti e a paleta: o ateliê e o artista em Almeida Júnior. Concinnitas, v. 1, n. 30, dez. 2017.

PITTA, F.; CAVALCANTI, Ana. Trabalho de artista: imagem e autoimagem (1826-1929) [Catálogo de exposição]. São Paulo: Pinacoteca de São Paulo, 2018.

SAINT-HILAIRE, Auguste de. Voyage dans le district des diamants et sur le littoral du Brésil. Tome Premier. Paris: Librairie Gide, 1833. p. 203-204.

VACCANI, Celita. Trabalho referente aos comentários sobre o ‘Aleijadinho’ escritos por Henrique Bernardelli. 19&20, Rio de Janeiro, v. II, n. 1, jan. 2007.

VALLE, Arthur; DAZZI, Camila (orgs.). Oitocentos: o ateliê do artista. Tomo IV. Rio de Janeiro: CEFET/RJ, 2017.

________. Retratos de Atelier entre Europa y América. In: VALLE, Arthur; DAZZI, Camila (orgs.). Oitocentos: o ateliê do artista. Tomo IV. Rio de Janeiro: CEFET/RJ, 2017

VERDI, Richard. Poussin’s life in nineteenth-century pictures. The Burlington Magazine, vol. 111, n. 801, 1969, p. 741–750.

VERBRAEKEN, Paul. Après & d’après Van Dyck: la récupération romantique au XIXe siècle. Antwerpen: Hessenhuis, 1999.

Downloads

Publicado

2019-05-21

Como Citar

D’ALMEIDA, F. Dar forma a um escultor disforme: O Aleijadinho, de Henrique Bernardelli, e a figuração do primeiro gênio da história da arte brasileira. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 3, n. 2, p. 162–183, 2019. DOI: 10.24978/mod.v3i2.4164. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8663033. Acesso em: 9 dez. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - O artista em representação