Cartografia imaginária e geopolítica das artes

as Bienais de São Paulo da década de 1950, Paris e as periferias do mundo artístico

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i2.8664153

Palavras-chave:

Bienal de São Paulo, Centro e periferia, Abstração informal, Modernismo, Paris

Resumo

Baseado nos catálogos das Bienais de São Paulo da década de 1950, identifico uma dominação artística francesa sobre o mundo “ocidental”, articulada na forma pela qual se narrava e pela qual se entendia a história da arte do século XX. Nesses discursos, a cidade de Paris figurava como um símbolo, internacionalmente compartilhado e capaz de indexar toda a história da arte moderna. A quinta Bienal (1959) é um evento crítico, no qual a França se recusou a participar com obras do século XX. Uma ausência institucional, que não correspondeu ao elevado número de citações que a cidade luz obteve nos textos de vários outros países, como, por exemplo, os EUA. Foi nessa meia-ausência de Paris, que uma produção jovem, aficionada pelas manchas e pelos gestos evidentes, dominou o evento tornando difícil, a diversos observadores, distinguir onde começava e onde terminava a delegação de cada nação e levando esse evento a ser apelidado de “Bienal Tachista”. Essa homogeneidade possibilitou às regiões periféricas se apresentarem, pela primeira vez, confiantes de que suas produções não denunciavam mais um déficit em relação às grandes potências.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Marcos Pedro Magalhães Rosa, Universidade Estadual de Campinas

Doutorando em História na Universidade Estadual de Campinas.

Referências

AMARAL, A. Arte pra quê? A preocupação social na arte brasileira. 1930-1970. São Paulo: Studio Nobel, 2003 [1984].

ANDERSON, B. Comunidades Imaginadas. São Paulo: Companhia das Letras, 1994.

AVELAR, A. A Raiz Emocional: Arte brasileira na crítica de Lourival Gomes Machado. São Paulo: Alameda: 2014.

BELTING, H. O Fim da História da Arte. São Paulo: Cosac & Naify, 2006.

BOURDIEU, P. A dominação masculina. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999.

CARTA de Arturo Profili - MAM-SP para Porter A. McCray – MoMa-NYC. 25/10/1958, arquivo Wanda Svevo, Fundação Bienal de São Paulo.

CARTA de Arturo Profili - MAM-SP para Jean Cassou – Musée d’art Moderne de Paris. 30/04/1959, arquivo Wanda Svevo, Fundação Bienal de São Paulo.

CARTA do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) para Paulo Carneiro. 28/12/1958, arquivo Wanda Svevo, Fundação Bienal de São Paulo.

CARTA do Museu de Arte Moderna de São Paulo (MAM-SP) para Maria Martins. de 18/07/1959, arquivo Wanda Svevo, Fundação Bienal de São Paulo.

CARTA da embaixada brasileira em Paris para Francisco Matarazzo Sobrinho (MAM-SP), de 03/03/1959, arquivo Wanda Svevo, Fundação Bienal de São Paulo.

CATÁLOGO I Bienal de São Paulo. São Paulo: FBSP, 1951.

CATÁLOGO II Bienal de São Paulo. São Paulo: FBSP, 1953.

CATÁLOGO III Bienal de São Paulo. São Paulo: FBSP, 1955.

CATÁLOGO IV Bienal de São Paulo. São Paulo: FBSP, 1957.

CATÁLOGO V Bienal de São Paulo. São Paulo: FBSP, 1959.

CERCHIARO, M. Escultoras e Bienais: a construção do reconhecimento artístico no pós-guerra. Tese (Doutorado em Estética e História da Arte) – Programa de Pós-Graduação Interunidades da Universidade de São Paulo. São Paulo, 2020.

CLARK, T. J. A Pintura da Vida Moderna. São Paulo: Companhia das Letras, 2004.

COCKROFT, E. Abstract Expressionism, Weapon of the Cold War. In: FRASCINA, F. Pollock and after: the critical debate. London and New York: Routledge, 1985[1974].

COSTA, H. Museus Imaginários no Pós-Guerra: o Programa de Exposições Didáticas da Seção de Arte da Biblioteca Municipal de São Paulo (1945-1960). In: COLÓQUIO LABEX- BRASIL FRANÇA – Uma História da arte alternativa: outros objetos, outras histórias – da história colonial ao pós-modernismo. Anais... São Paulo: Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo (MAC/USP), 2006, p.81-109.

COUTO, M. F. M. Por uma Vanguarda Nacional. Campinas: Editora UNICAMP, 2004.

DOSSIN, C. The Rise and Fall of American Art 1940 – 1980. Burlington: Ashgate Publishing. 2015.

DOSSIN, C. Beyond the Clichés of “Decadence” and the Myths of “Triumph”: Rewriting France in the Stories of Postwar Western Art. In: DOSSIN, C. (Ed.) France and the Visual Arts since 1945. New York: Bloomsbury Visual Arts, 2019.

FARIAS, A. Bienal 50 anos, 1951 – 2001. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo. 2002.

GUILBAUT, S. How New York Stole the Idea of Modern Art: Abstract Expressionism, Freedom, and the Cold War. Chicago: The University of Chicago Press, 1983.

JEAN, J. La Première Biennale de Paris : genèse, enjeux, bilan et réalité. Mémoire d’étude. 1ére année de 2ème cycle. Paris: École du Louvre, 2017.

MACHADO, L. G. A presença do novo. Estado de São Paulo, 05/10/1957.

MACHADO, L. G. Bienal: A significação do novo. O Estado de São Paulo, 17/10/1959.

MAGALHÃES, A. A Bienal de São Paulo, o debate artístico dos anos 1950 e a constituição do primeiro museu de arte moderna do Brasil, Museologia & Interdisciplinaridade, Brasília, v.4, n.7, p.112-129, out./nov. 2015.

PEDROSA, M. O Brasil está condenado ao moderno. Tribuna da Imprensa, 26-27/12/1953.

ROCCO, R. Danilo de Prete em Ação: a construção de um artista no sistema expositivo da Bienal de São Paulo. Tese (doutorado em Estética e História da Arte) – Programa de Pós-Graduação Interunidades, Universidade de São Paulo. São Paulo, 2018.

SILVA, M. L. Maria Leontina, Tarsila do Amaral, Prunella Clough e Germaine Richier: mulheres artistas e prêmios de aquisição na Primeira Bienal de São Paulo. Dissertação (mestrado em Estética e História da Arte) – Programa de Pós-Graduação Interunidades, Universidade de São Paulo. São Paulo. 2018.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

ROSA, M. P. M. Cartografia imaginária e geopolítica das artes: as Bienais de São Paulo da década de 1950, Paris e as periferias do mundo artístico. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 2, p. 253–270, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i2.8664153. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8664153. Acesso em: 18 jan. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Uma ocorrência recorrente: bienais e exposições periódicas