A ‘breve história da arte’ e a arte indígena

a gênese de uma noção e sua problemática hoje

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v5i3.8666380

Palavras-chave:

Arte indígena, Historiografia da arte, Arte no Brasil

Resumo

O artigo examina a gênese da noção de arte indígena a partir do ensaio “l’Art” de Eduardo Prado, publicado em francês no livro Le Brésil, em 1889. Historicizando a noção e refletindo sobre as implicações que teve essa invenção para a construção de uma ideia de arte brasileira, o artigo conclui com uma discussão a respeito das demandas contemporâneas formuladas por agentes e artistas indígenas que convidam à uma mudança de perspectiva: ao invés de assentar a origem de uma noção de arte brasileira na apropriação das manifestações artísticas indígenas, indigenizar o campo da história da arte no Brasil, respeitando as demandas de vários agentes indígenas que exigem que as instituições reconheçam suas cosmovisões, experiências e proposições sobre arte e criação.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Fernanda Mendonça Pitta, Fundação Armando Alvares Penteado

Curadora da Pinacoteca de São Paulo. Professora da pós-graduação em História da Arte na Fundação Armando Alvares Penteado - FAAP-SP.

Referências

ANDERMANN, J. Espetáculos da diferença: A exposição antropológica brasileira de 1882. Topoi, n.9, vol.5, p.128-170, jul./-dez. 2004.

ANDRADE, R. M. F. As Artes Plásticas no Brasil, v.1. Rio de Janeiro: Lagaroti, 1952.

ANDRADE, M. de. Arte Indayá. Diário Nacional, São Paulo, 21 jan.1928.

ANDRADE, M. de. Escola Hadleriana. Diário Nacional, São Paulo, 22 jan.1932.

ANDRADE, M. de. Aspectos das artes plásticas no Brasil. São Paulo: Livraria Martins, 1965.

BANIWA, D. Performance Pajé-Onça hackeando a 33ª Bienal de Artes de São Paulo. São Paulo, 17 de novembro de 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=MGFU7aG8kgI. Transcrição de Clarissa Diniz. In: DINIZ, Clarissa. Street fight, vingança e guerra: artistas indígenas para além do ‘produzir ou morrer’. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 14, n. 1, pp. 68-88, jan./jul. 2020.

BANIWA, D. Quem sou eu? Transcrição de Clarissa Diniz. In: DINIZ, C. Street fight, vingança e guerra: artistas indígenas para além do “produzir ou morrer”. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 14, n. 1, pp. 68-88, jan./jul. 2020.

BARBUY, H. A exposição universal de 1889 em Paris: visão e representação na sociedade industrial. São Paulo: Edições Loyola, 1999.

BARCELOS NETO, A. Apapaatai: Rituais de máscaras no Alto Xingu. São Paulo: EDUSP, 2008.

BARCINSKI, F. W. (Org.). Sobre a arte brasileira: da pré-história aos anos 1960. São Paulo: Livraria e Editora Martins Fontes, 2015.

BARDI, P. Maria. História da Arte Brasileira. São Paulo: Melhoramentos, 1981.

BATISTA, Gabrielle Nascimento. O que dizer sobre a política africana no Brasil e as artes? Reflexões sobre a Coleção Africana do Museu Nacional de Belas Artes (1961-1964). Dissertação (Mestrado em Artes Visuais) – ENBA, Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2018.

BERLO, J C. The Early years of Native American art history: the politics of scholarship and collecting. Seattle: University of Washington Press, 1992.

BOUVIER, B. Charles Garnier (1825-1898) architecte historien de L'Habitation humaine. Livraisons d'histoire de l'architecture, n.9, pp. 43-51, 1er semestre, 2005.

BRAGA, T. A planta brazileira (copiada do natural) e applicada à ornamentação. 1905-1914. Manuscrito.

BUONO, A. Seu tesouro são penas de pássaro: arte plumária tupinambá e a imagem da América. Figura. Studies on the Classical Tradition,Campinas, v.6, n.2, pp.13-29, 2019.

EXPOSITION UNIVERSELLE DE 1889. Catalogue Général Officiel. Lille: Impr. L. Danei, 8v., 1889.

CESARINO, P. Cartografias do cosmos: conhecimento, iconografia e artes verbais entre os Marubo. Mana, Rio de Janeiro, v. 19, n. 3, pp.437-471, 2013.

COSTA, A. Introdução à arqueologia brasileira: etnografia e história. São Paulo: Companhia Editora Nacional, 1938.

COSTA, Maria H. F. A Arte e O Artista Na Sociedade Karajá. Brasília: FUNAI-Departamento geral de Planejamento comunitário-Divisão de Estudos e Pesquisas, 1978.

COSTA, M. H. F., e Museu Nacional de Belas Artes. Arte indígena brasileira. Rio de Janeiro: Museu Nacional de Belas Artes, 1983.

Costa, Maria H. F. O Mundo dos Mehináku e Suas Representações Visuais. Brasília-Distrito Federal: Editora UnB, 1988.

CRULS, G. Arte indígena. In: ANDRADE, Rodrigo M.F. (Org.). As Artes Plásticas no Brasil. Rio de Janeiro: Ed. Instituto Lagarrotini. 1952.

DAVIS, E.B.; CARR, D.; GADSDEN, N., et. al. (Orgs.). A New World Imagined: Art of the Americas. 1 ed. Boston, Nova York: MFA Publications: D.A.P./ Distributed Art Publishers, 2010.

DENIS, R. C.; TRODD, C. Art and the academy in the nineteenth century. Manchester: Manchester University Press, 2000.

DINIZ, C. Street fight, vingança e guerra: artistas indígenas para além do ‘produzir ou morrer’. Espaço Ameríndio, Porto Alegre, v. 14, n. 1, pp. 68-88, jan./jul., 2020.

DUMAS, F. G., FOUCARD, G. (Orgs.). Revue de l'Exposition universelle de 1889. Paris: Motteroz/Baschet, 1889.

EMPIRE DU BRÉSIL.Catalogue Officiel. Paris: Imp. de Chaix, 1889.

ERRINGTON, S. What became authentic primitive art? Cultural Anthropology. v.9, n.2, pp.201-226, maio 1994.

ESTRADA, G. D. A Arte Brasileira. Introdução e notas Tadeu Chiarelli. Col. Arte: Ensaios e Documentos. Campinas: Mercado das Letras, 1995.

FERREIRA, F. “As artes industriais indígenas”, Revista da Exposição Anthropológica Brazileira, Rio de Janeiro: Typographia de Pinheiro e C., 1882. pp. 107-108.

FERREIRA, F. Belas Artes, estudos e apreciações. Introdução e notas Tadeu Chiarelli. Porto Alegre: Zouk, 2012.

GALLOIS, D. T. Wajãpi: Expressão gráfica e oralidade entre os Wajãpi do Amapá. Brasília, DF: Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, 2006.

GARRIGAN, S. E. Collecting Mexico: museums, monuments, and the creation of national identity. Minneapolis: University of Minnesota Press, 2012.

GOLDSTEIN, I. S. Da “representação das sobras” à “reantropofagia”: Povos indígenas e arte contemporânea no Brasil. MODOS. Revista de História da Arte, Campinas, v. 3, n. 3, pp. 68–96, set./dez. 2019.

GOLDSTEIN, I. Arte indígena como conexão”. In: TERENA, N. (Org.). Véxoa: Nós sabemos. 1ed. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2020.

GODOY, P. B. Carlos Hadler: apóstolo de uma arte nacionalista. Tese (Doutorado em História) – IFCH, Universidade Estadual de Campinas. Campinas, 2004.

HARTT, C. F. Beginning of art, or evolution in ornament. Proceedings of the University convocation, held at Albany. Albany, NY: University of the State of New York, pp. 143-152, 1873.

HARTT, C. F. “A origem da arte ou evolução da ornamentação”, Revista da Exposição Anthropológica Brazileira, Rio de Janeiro: Typographia de Pinheiro e C., 1882. pp.42-50.

HAZAN, H. Essential others: anthropology and the return of the old savage. International Journal of Sociology and Social Policy, v.29, n.1-2, pp.60-72, 2009.

HUTCHINSON, E. The Indian craze primitivism, modernism, and transculturation in American art, 1890-1915. Durham [NC]: Duke University Press, 2009.

JIMÉNEZ, M. A ‘Primitive’ Latin America on View at the 1889 Exposition Universelle. Journal of Curatorial Studies, v.3, n. 2-3, pp.194–211, jun. 2014.

KARP, I.; LAVINE, S. Exhibiting cultures: the poetics and politics of museum display. Washington: Smithsonian Institution Press, 1991.

KERN, Daniela. Entre Darwin e Ruskin: Charles Frederick Hartt e a evolução no ornamento. In: ENCONTRO DE HISTÓRIA DA ARTE, 6., Campinas, 2010. Anais... Campinas: UNICAMP/IFCH, 2010, pp. 120-126.

KERN, Daniela. Tirando o Pó das Brazilian Antiquities: Charles Frederick Hartt relido por Anna Roosevelt. Revista de História da Arte e Arqueologia, Campinas, v. 1, pp. 39-55, 2011.

KERN, Daniela. A reopened formal sequence: The Brazilian case of Neomarajoara motives. In: INTERNATIONAL CONGRESS OF AMERICANISTS, 54., Viena, 2012. Resúmenes/Abstracts... Viena: Universidade de Viena, 2012, pp. 317-317.

KERN, Daniela. 'Por que não flores?' Charles Frederick Hartt e a busca pela beleza ruskiniana na cerâmica marajoara. In: ENCONTRO DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISADORES EM ARTES PLÁSTICAS, 22., Belém, 2013. Belém: ANPAP, 2013, pp. 330-341.

KERN, Daniela. “The Amazonian Idol’: The Naissance of a National Symbol in the Empire of Brazil (1848-1885). In: BIAGINI, Antonello F.; MOTTA, (Orgs.). Empires and Nations from the Eighteenth to the Twentieth Century. Newcastle upon Tyne, UK: Cambridge Scholars Publishing, 2014, pp. 214-221.

KERN, Daniela. Historiography of Indian Art in Brazil and the Native Voice as Missing Perspective. In: AVOLESE, C. M.; CONDURU, R. (Orgs.). New Worlds: Frontiers, Inclusion, Utopias. São Paulo: Comitê Brasileiro de História da Arte (CBHA); Comité International de l’Histoire de l’Art e Vasto, 2017, pp.101-115.

KOCH-GRUNBERG, T. Anfänge der Kunst im Urwald: Indianer-Handzeichnungen auf seinen Reisen in Brasilien gesammelt. Berlin: E. Wasmuth a.-g, 1905.

KOCH-GRUNBERG, T. Começos da arte na selva: Desenhos manuais de indígenas colecionados por Dr. Theodor Koch-Grünberg em suas viagens pelo Brasil. Manaus: Editora da Universidade Federal do Amazonas, 1990.

LAGROU, E. M. A fluidez da forma: Arte, alteridade e agência em uma sociedade amazônica (Kaxinawa, Acre). Rio de Janeiro: Topbooks, 2007.

LEITE, J. R. T. Arte no Brasil. Rio de Janeiro: Editora Abril, 1979.

LENÔTRE, G. Courier de L’Exposition, Le Monde Illustrée. n.1684, Paris, 6 de julho de 1889, pp.3-4.

LERY, J. de. Viagem à terra do Brasil. Rio de Janeiro: Biblioteca do Exército Editora 1961.

LÉVASSEUR, E. (dir). Le Brésil. 2.ed. Paris: H. Lamirault et Cie/Syndicat Franco-Brésilien, 1889.

MONOD, E. L'Exposition universelle de 1889: grand ouvrage illustré, historique, encyclopédique, descriptif. Paris: E. Dentu. 4v., 1890.

MONTEIRO, V e DUCHARTRE, P.-L. Légendes, Croyances et Talismans des Indiens de l’Amazonie. Paris: Tolmer, 1923.

MUSEU NACIONAL. Archivos do Museu Nacional. Rio de Janeiro: Typographia e Lith. Economica, 1885, vol.6.

MUSEU NACIONAL DE BELAS ARTES/ IBRAM / MINC. Plano Museológico 2016-2020. Rio de Janeiro, MNBA/Ibram/Minc, 2019.

NETO, J. A. S. Na seara das cousas indígenas: cerâmica marajoara, arte nacional e representação pictórica do índio no trânsito Belém e Rio de Janeiro (1871-1929). Dissertação (Mestrado em História Social da Amazônia) – Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Pará. Belém, 2014.

NETTO, L. Le Musée national de Rio-de-janeiro et son influence sur les sciences naturelles au Brésil. Paris: Ch. Delagrave, 1889.

PASTANA, M. Cerâmica pré-histórica de Marajó. O Careta, Rio de Janeiro: n. 1, p. 519, 1937.

PEDROSA, M. Museu das Origens, projeto para a reconstrução do MAM Rio, 1978. (Dactiloscrito).

PEÑAFIEL, A. Explication de l'édifice Mexicain à l'exposition internationale de Paris, en 1889. Barcelona: Impr., 1889.

PEÑAFIEL, A. Monumentos del arte mexicano antiguo. ornamentación, mitología, tributos y monumentos. Berlim: A. Asher & Co., 1890.

PICARD, Alfred (Dir.). Exposition universelle internationale, rapport général. Paris: Imprimerie Nationale, 1891.

PONTUAL, R. Tradição e ruptura: síntese de arte e cultura brasileiras. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 1985.

PROUS, A.; PIMENTEL, L. G. Arte pré-histórica no Brasil. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 2007.

REGO, M. C. Guido (páginas de dor). Rio de Janeiro: Typographia Leuzinger, 1895.

RIBEIRO, D.; RIBEIRO, B. G. Arte plumária dos índios kaapor. Rio de Janeiro: Laboratórios Silva-Araujo Roussel, 1957.

RIBEIRO, B. Arte indígena, linguagem visual =: Indigenous art, visual language. Belo Horizonte: Editora Itatiaia Limitada, 1989.

SCHAAN, Denise Pahl. A linguagem iconográfica da cerâmica Marajoara. Porto Alegre: Edipucrs, 1997.

SCHUSTER, S. The ‘Brazilian Native’ on Display: Indianist Artwork and Ethnographic Exhibits at the World's Fairs, 1862-1889. RIHA Journal, 2015. https://doi.org/10.11588/riha.2015.0.70090.

SQUEFF, L. C. Uma galeria para o Império: a Coleção Escola Brasileira e as origens do Museu Nacional de Belas Artes. São Paulo: Edusp, 2012.

TENORIO-TRILLO, M. Mexico at the World's Fairs, Crafting a Modern Nation. Berkeley, Los Angeles, Oxford: University of California Press, 1996.

TERENA, N. (Org.). Véxoa: Nós sabemos. 1ed. São Paulo: Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2020.

TREECE, D. Exilados, Aliados, Rebeldes, o movimento indianista, a política indigenista e o Estado-Nação Imperial. São Paulo: Edusp, 2008.

VALIANT, S. Ornamental Nationalism. Archaeology and Antiquities in Mexico, 1876–1911. Leiden: Brill, 2018.

VEL ZOLAD, R. W. O Impressionismo de Guido, um Menino Índio Bororó. Rio de Janeiro: Ed. Universitária Santa Úrsula, 1990.

VIANA, M. L. Arte Decorativa na Escola Nacional de Belas Artes - Inserção, conquista de espaço e ocupação (1930-1950). Tese (Doutorado em Artes Visuais – História e Crítica da Arte) – Escola de Belas Artes Universidade Federal do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2015.

VIDAL, L. B. Grafismo indígena: estudos de antropologia estética. São Paulo: Studio Nobel/Usp/Fapesp, 1992.

WALTON, William. Chefs-d'oeuvre de l'Exposition Universelle de Paris, 1889. Philadelphia: G. Barrie, 1889.

ZANINI, Walter (Org.). História geral da arte no Brasil. São Paulo: Instituto Walther Moreira Salles, 1983.

Downloads

Publicado

2021-10-15

Como Citar

PITTA, F. M. A ‘breve história da arte’ e a arte indígena: a gênese de uma noção e sua problemática hoje. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 5, n. 3, p. 223–257, 2021. DOI: 10.20396/modos.v5i3.8666380. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8666380. Acesso em: 4 out. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - A "virada global" como um futuro disciplinar para a História da Arte