Mil Litros de Preto

nossos olhares negros sobre a performance de Lucimélia Romão

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i1.8666534

Palavras-chave:

Raça, Performance, Corpo Negro, Decolonialidade

Resumo

Este artigo tem como objetivo apresentar uma análise da performance Mil Litros de Preto de Lucimélia Romão a fim de problematizar a relação entre performance, raça e logo apresentar as possibilidades de uma estética dentro de uma perspectiva decolonial. Será debatido ainda o conceito de corpo e a relação com a memória e a diáspora africana. Considerando, portanto, a história do teatro fundamentada numa lógica hegemônica, será problematizado as dimensões de raça e colonialidade no campo artístico.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Alexandra Alencar, Universidade Federal de Santa Catarina

Alexandra Eliza Vieira Alencar é mulher, negra, mãe, florianopolitana, rainha e professora do Departamento de Antropologia da UFSC. Possui também pós-doutorado em Ciências Humanas, é doutora e mestre em Antropologia Social, além de bacharel em Jornalismo pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). É pesquisadora do Núcleo de Identidades e Relações Interétnicas (NUER), do Núcleo de Identidades de Gênero e Subjetividades (NIGS) e do Instituto de Estudos de Gênero (IEG). E também atua  junto ao Comitê de Antropólogos e Antropólogas Negros/as da Associação Brasileira de Antropologia (ABA).

Jesse da Cruz, Universidade Federal do Paraná; Universidade Regional de Blumenau

Doutorando em Educação pela Universidade Federal do Paraná (PPGE-UFPR) e Mestre em Educação pela Universidade Regional de Blumenau (PPGE-FURB). Licenciado em Arte, pela Universidade Uirapuru – Sorocaba/SP. É professor substituto no SEPT (Setor de Educação Profissional e Tecnológica) UFPR e no Departamento de Artes da FURB. Membro da linha de pesquisa LICORES (Linguagem, Corpo e Estética na Educação) e pesquisador do grupo de pesquisa RIZOMA (RIZOMA/UFPR)

Julianna Rosa de Souza, Censupeg

Criadora da Rede Quilombo. Doutora em Teatro, especificamente Teatro Negro e Dramaturgia de Autoria Negra, com tese defendida no Programa de Pós-Graduação em Teatro - PPGT / UDESC. Integrante do NEN - Núcleo de Estudos Negros de Santa Catarina, pesquisadora no OJU OBIRIN - Observatório de Mulheres Negras e no LEECCC - Laboratório de Entografia e Estudos em Comunicação, Cultura e Cognição.

Referências

ALMEIDA, S. Racismo estrutural. 2ª reimpressão. São Paulo: Sueli Carneiro; Pólen, 2019.

GADELHA, J. J. O sensível negro: rotas de fuga para performances, Estudos da Presença, Porto Alegre, v. 9, n. 4, p. 1-24, 2019.

GILROY, P. O Atlântico Negro: modernidade e dupla consciência. São Paulo; Rio de Janeiro: 34; Universidade Cândido Mendes, 2001.

GONZALEZ, L. Por um feminismo afro-latino-americano, Revista Isis Internacional, Santiago, v. 9, p. 133-141, 1988.

GROSFOGUEL, R. A estrutura do conhecimento nas universidades ocidentalizadas: racismo/sexismo epistêmico e os quatro genocídios/epistemicídios do longo século XVI. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p. 25-49, jan./abr. 2016.

MUNANGA, K. Rediscutindo a mestiçagem. Rio de Janeiro: Vozes, 1999.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder, eurocentrismo e América Latina. In: QUIJANO, A. A colonialidade do saber: eurocentrismo e ciências sociais, perspectivas latino-americanas. Buenos Aires: CLACSO, 2005, p. 117-142.

ROMÃO, L. Entrevista informal [concedida à autoria coletiva deste artigo por WhatsApp]. Florianópolis, 2021. 1 mensagem eletrônica.

SCHECHNER, R. O que é performance? In: Performance studies: an introduction. 2. ed. Nova Iorque; Londres: Routledge, 2006, p.28-51.

SCHUCMAN, L. V. Racismo e antirracismo: a categoria raça em questão. Psicologia Social, Belo Horizonte, v. 10, n.19, p. 41-55, jan. 2010.

SODRÉ, M. A. C. Pensar nagô. Rio de Janeiro: Vozes, 2018.

TAVARES, J. Dança da guerra: elementos para uma teoria da capoeiragem e da comunicação corporal afro-brasileira. Belo Horizonte: Nandyala, 2013.

Downloads

Publicado

2022-01-10

Como Citar

ALENCAR, A. .; DA CRUZ, J.; ROSA DE SOUZA, J. . Mil Litros de Preto: nossos olhares negros sobre a performance de Lucimélia Romão. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 1, p. 515–538, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i1.8666534. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8666534. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte e diáspora africana: conflitos, cânones, recomeços