Imaginação diaspórica ou apropriação cultural?

a afro-brasilidade nas obras de Dimitri Ismailovitch e Maria Margarida Soutello

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i1.8667205

Palavras-chave:

Arte brasileira, Século 20, Imaginário diaspórico, Apropriação cultural, Imaginação do exílio, Carnavalesco

Resumo

Entre as décadas de 1940 e 1960, os artistas Dimitri Ismailovitch e Maria Margarida Soutello, ambos de origem europeia e imigrados ao Brasil, produziram juntos uma série de obras representando figuras negras e versando sobre temáticas ligadas à afro-brasilidade. O presente artigo examina essa produção e discute sua primeira recepção, com o objetivo de tentar compreender sua inserção no contexto cultural da época. Longe de entender essas obras como mera apropriação cultural, aprofunda-se a análise daquilo que será chamado aqui de ‘imaginação diaspórica’. Argumenta-se que a condição de deslocamento e dupla consciência dos artistas, característica do exílio, canalizou seu olhar sobre a negritude para um esforço de reinvenção identitária por meio da mascarada e do misticismo. O aspecto carnavalesco da cultura brasileira permitiu que essa construção imaginária prosperasse, se constituindo em realidade social.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Rafael Cardoso, Universidade do Estado do Rio de Janeiro; Lateinamerika-Institut da Freie Universität Berlin

PhD em História da Arte pelo Courtauld Institute of Art/Universidade de Londres. Membro da AICA-Deutschland e do Verband Deutscher Kunsthistoriker (CIHA). Atua como membro colaborador do Programa de Pós-Graduação em História da Arte da Universidade do Estado do Rio de Janeiro e como pesquisador associado junto ao Lateinamerika-Institut da Freie Universität Berlin (Alemanha).

Referências

ANTONISCH, M. Searching for belonging – an analytical framework. Geography Compass, v.4, n. 6, p.644-659, 2010.

A VIDA SOCIAL. ISMAILOVITCH 1940. Correio da Manhã, Rio de Janeiro, p.11, 14 set. 1940.

AXEL, B. K. The diasporic imaginary. Public Culture, Durham, 14(2), p.411-428, 2002.

AYGUN, E. Dimitri Ismailovitch, Metromod Archive, Ludwig-Maximilians-Universität, Munique, Alemanha; METROMOD, Public Interface, METROMOD Archive, 2021.

CAMPOS, M. J. Arthur Ramos: Luz e sombra na antropologia brasileira. Uma versão da democracia racial no Brasil nas décadas de 1930 e 1940. Rio de Janeiro: Edições da Biblioteca Nacional, 2004.

CARDOSO, R. Modernity in Black and White: Art and Image, Race and Identity in Brazil, 1890-1945. Cambridge: Cambridge University Press, 2021.

CAVALCANTI, E. M. A ceia brasileira de Ismailovitch: Homenagem ao Aleijadinho. Rio de Janeiro: Museu Villa-Lobos, 2014.

CLIFFORD, J. The Predicament of Culture: Twentieth-Century Ethnography, Literature, and Art. Cambridge: Harvard University Press, 1988.

CONDURU, R. Formações transatlânticas – Mestre Didi, Martiniano do Bonfim e a arte da África no Brasil desde os oitocentos. 19&20, Rio de Janeiro, v.16, n.1, jan./jun. 2021.

CRAVEN, D. Art History as Social Praxis: the Collected Writings of David Craven [organizado por Brian Winkenweder]. Leiden: Brill, 2017.

DA RÚSSIA CZARISTA AO SOLAR DE SÃO CLEMENTE. Revista da Semana, p.9-12, 20 out. 1945.

DOGRAMACI, B.; MERSMANN, B. (orgs.). Handbook of Art and Global Migration: Theories, Practices and Challenges. Berlin: De Gruyter, 2019.

DOYLE, L.; WINKIEL, L. (orgs.). Geomodernisms: Race, Modernism, Modernity. Bloomington: Indiana University Press, 2005.

DRUMMOND DE ANDRADE, C. D. de. O pintor, a cidade, o santo. Correio da Manhã, 26/04/1964, 1º caderno, p.6.

ECKMANN, S. Exile and modernism: Theoretical and methodological reflections on the exile of artists in the 1930s and 1940s. Stedelijk Studies, Amsterdam, n.9, p1-14, fall 2019.

FLUSSER, V. In: FINGER, A. (org.). The Freedom of the Migrant: Objections to Nationalism [traduzido por Kenneth Kronenberg]. Urbana: University of Illinois Press, 2003.

FREEDBERG, D. The Power of Images: Studies in the History and Theory of Response. Chicago: University of Chicago Press, 1989.

GELL, A. Art and Agency: an Anthropological Theory. Oxford: Clarendon, 1998.

GILROY, P. The Black Atlantic: Modernity and Double Consciousness. London: Verso, 1993.

GOMES DA CUNHA, O. M. Sua alma em sua palma: Identificando a ‘raça’ e inventando a nação. In: PANDOLFI, D. (org.). Repensando o Estado Novo. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1999.

HILLER, S. (org.). The Myth of Primitivism: Perspectives on Art. London: Routledge, 1991.

ITZIGSOHN, J.; BROWN, K. L. The Sociology of W.E.B. Du Bois: Racialized Modernity and the Global Color Line. New Yook: New York University Press, 2020.

LIMA, H. Alvarus e seus bonecos. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Cultura, 1954.

LIRA NETO. Uma história do samba: Volume I (as origens). São Paulo: Companhia das Letras, 2017.

MACEDO, D. de. A pintora Maria Margarida. Ocidente. Revista Portuguesa Mensal, Lisboa, v.42, n.165/170, p.252-256, 1952.

MISHRA, V. The diasporic imaginary: Theorizing the Indian diaspora. Textual Practice, 10(3), p.421-447, 1996.

MITTER, P. Decentering modernism: Art history and avant-garde art from the periphery. The Art Bulletin, New York, n.90, p.531-548, 2008.

MOREL, M. M. Eu pintei o anjo negro. Revista da Semana, Rio de Janeiro, p.46, 30 maio 1953.

OGUIBE, O. Exile and the creative imagination. Portal. Journal of Multidisciplinary International Studies, Sydney, v.2, n.1, p.1-17, 2005.

PAPASTERGIADIS, N. Modernity as Exile: the Stranger in John Berger’s Writing. Manchester: Manchester University Press, 1993.

PAZ, E. A. Sôdade do cordão. Rio de Janeiro: ELF/Fundação Universitária José Bonifácio, 2000.

QUAYSON, A.; DASWANI, G. (orgs.). A Companion to Diaspora and Transnationalism. Oxford: Wiley-Blackwell, 2013.

RAMOS, A. Introdução à antropologia brasileira. 2º volume. As culturas européias e os contatos raciais e culturais. Rio de Janeiro: Casa do Estudante do Brasil, 1947.

ROGERS, R. A. From cultural exchange to transculturation: A review and reconceptualization of cultural appropriation. Communication Theory, Oxford, v.16, n.4, p.474-503, nov. 2006.

SAID, E. W. Reflections on Exile and other Literary and Cultural Essays. London: Granta, 2001.

SCHNEIDER, A. On ‘appropriation’: A critical reappraisal of the concept and its application in global art practices. Social Anthropology, v.11, n.2, p.215-229, 2003.

SEIDEL, M. Exile and the Narrative Imagination. New Haven: Yale University Press, 1986.

SGARBI, O. A nacionalisação da arte. Vida Doméstica, Rio de Janeiro, s.p., abr. 1938.

SMITH, T. L. Brazil: People and Institutions. Baton Rouge: Louisiana State University Press, 1954.

STAM, R.; SHOHAT, E. Race in Translation: Culture Wars around the Postcolonial Atlantic. New York: New York University Press, 2012.

TEIXEIRA LEITE, J. R. Literatura e arte. Revista da Semana, Rio de Janeiro, p.6, 12 out. 1957.

TORGOVNICK, M. Gone Primitive: Savage Intellects, Modern Lives. Chicago: University of Chicago Press, 1990.

VALLE, A. Arte sacra afrobrasileira na imprensa: Alguns registros pioneiros, 1904-1932. 19&20, 13(1), 2018.

YOUNG, J. O.; BRUNK, C. G. (orgs.). The Ethics of Cultural Appropriation. Oxford: Wiley-Blackwell, 2012.

ZIFF, B.; RAO, P. V. (orgs.). Borrowed Power: Essays on Cultural Appropriation. New Brunswick: Rutgers University Press, 1997.

Downloads

Publicado

2022-01-08

Como Citar

CARDOSO, R. . Imaginação diaspórica ou apropriação cultural? : a afro-brasilidade nas obras de Dimitri Ismailovitch e Maria Margarida Soutello. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 1, p. 378–410, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i1.8667205. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8667205. Acesso em: 11 ago. 2022.

Edição

Seção

Dossiê - Arte e diáspora africana: conflitos, cânones, recomeços