Implodindo a colonialidade

a produção científica de artistas negras na/da arte contemporânea brasileira

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/modos.v6i2.8668411

Palavras-chave:

Legitimação, Arte contemporânea, Produção científica, Brasil, Critica de arte negroreferenciada

Resumo

Se outrora a Academia chegou a ser rejeitada por atores sociais relacionados à constituição do modernismo, após o advento da arte contemporânea, a universidade tem sido um espaço importante aos processos de legitimação de artistas e demais profissionais da arte. Em pesquisa anterior, pode-se constatar que artistas visuais que têm logrado ser selecionados(as/es) em editais voltados a jovens artistas, em geral, possuem um alto grau de escolaridade. Ademais, é nas últimas décadas que, no Brasil, a população negra tem obtido maior entrada no âmbito universitário; um reflexo de políticas públicas que visaram estabelecer equidade para indivíduos pertencentes as camadas marginalizadas de uma sociedade profundamente desigual. Destarte, este artigo focaliza a produção acadêmica de artistas negras brasileiras, por meio da análise de suas teses. Isto porque a pesquisa parte do entendimento de que o universo da arte, sendo parte da sociedade, possui regras tanto inclusivas quanto excludentes, favorecendo a legitimação de alguns indivíduos em detrimento de outros. A pesquisa objetiva, então, compreender os efeitos de tais processos na legitimação de artistas negrodescendentes. Ao focalizar a produção acadêmica de três artistas, Janaina Barros, Maria Cecília Felix Calaça e Renata Felinto, objetiva-se compreender e pormenorizar as suas narrativas acerca de seus trabalhos, o campo da arte e a sociedade envolvente.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Guilherme Marcondes, Universidade Estadual do Ceará

Pós-doutorando no Programa de Pós-Graduação em Sociologia da Universidade Estadual do Ceará (PPGS/UECE). 

Referências

BARROS, J. A invisível luz que projeta a sombra do agora: gênero, artefato e epistemologias na arte contemporânea brasileira de autoria negra. Tese (Doutorado em Estética e História da Arte)–EACH, ECA, FAU, FFLCH, MAC, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2018.

BUENO, M. L. A Condição de artista contemporâneo no Brasil - entre a universidade e o mercado. In: QUEMIN, A.; VILLAS BÔAS, G. (Orgs.). Arte e Vida Social - Pesquisas Recentes no Brasil e na França. Marseille: OpenEdition Press, 2016, v. 1, p. 430-442. DOI: https://doi.org/10.4000/books.oep.575

CALAÇA, M. C. F. Movimento artístico e educacional de fundamento negro da praça da república: São Paulo 1960-1980. Tese (Doutorado em Educação)– Faculdade de Educação, Universidade Federal do Ceará, Ceará, 2013.

COSTA, G. Cresce total de negros em universidades, mas acesso é desigual. Agência Brasil, 2020. Disponível em: https://agenciabrasil.ebc.com.br/geral/noticia/2020-11/cresce-total-de-negros-em-universidades-mas-acesso-e-desigual. Acesso em: 01 set. 2021.

FELINTO, R. A construção da identidade afrodescendente por meio das artes visuais contemporâneas: estudos de produções e de poéticas. Tese (Doutorado em Artes)–Instituto de Artes, Universidade Estadual Paulista, São Paulo, 2016.

GILROY, P. O Atlântico Negro. São Paulo: Editora 34; Rio de Janeiro: Universidade Cândido Mendes, Centro de Estudos Afro-Asiáticos, [1993] 2001.

GOMES, N. L. O movimento negro no Brasil: ausências, emergências e a produção dos saberes. Revista Política e Sociedade, Florianópolis, v. 10, n. 18, p.133-154, abril 2011. DOI: https://doi.org/10.5007/2175-7984.2011v10n18p133

GONZALEZ, L. Racismo e Sexismo na Cultura Brasileira. In: SILVA, L. et alii. Movimentos sociais urbanos, minorias étnicas e outros estudos. Brasília, ANPOCS, 1983, p.223-44.

GROSFOGUEL, R. Para uma visão decolonial da crise civilizatória e dos paradigmas da esquerda ocidentalizada. In: BERNARDINO-COSTA, J.; MALDONADO-TORRES, N.; GROSFOGUEL, R. (Orgs.). Decolonialidade e pensamento afrodiasporico. Belo Horizonte: Autentica, 2018, p. 55-77.

HILL COLLINS, P. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v. 31, n. 1, p.99-127, jan./abr., 2016. Disponível em: https://www.scielo.br/j/se/a/MZ8tzzsGrvmFTKFqr6GLVMn/?format=pdf&lang=pt. Acesso em: 04 set. 2021. DOI: https://doi.org/10.1590/S0102-69922016000100006

HILL COLLINS, P. Pensamento feminista negro. São Paulo: Boitempo Editorial, 2019.

LUGONES, M. Colonialidade e gênero. In: BUARQUE DE HOLLANDA, H. (Org.). Pensamento feminista hoje: perspectivas decoloniais. Rio de Janeiro: Bazar do Tempo, 2020, p.52-83.

MARCONDES, G. Arte, crítica e curadoria: diálogos sobre autoridade e legitimidade. Dissertação (Mestrado em Sociologia e Antropologia)–Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2014.

MARCONDES, G. Arte e consagração: os jovens artistas da arte contemporânea. Tese (Doutorado em Sociologia e Antropologia)–Centro de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2018.

MARCONDES, G. Conexões de cura na arte contemporânea brasileira. Arte e Ensaios, Rio de Janeiro, v. 26, n. 40, p. 375-391, jul./dez. 2020. DOI: https://doi.org/10.37235/ae.n40.26

NASCIMENTO, A. do. O genocídio do negro brasileiro – processo de um racismo mascarado. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.

PAIVA, L. Sobre a (in)formação dos artistas nas universidades: a discussão sobre o mercado de arte e a oposição entre teoria e prática. In: FERNANDES, M. Q. (Org.). LONGITUDES: a formação do artista contemporâneo no Brasil. São Paulo: Funarte, 2014, p. 52-55.

PAULINO, R. O negro nas artes visuais no Brasil. 2016. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=GsAqLsHvVf4. Acesso em: 09 ago. 2019.

QUIJANO, A. Colonialidade do poder e classificação social. In: SANTOS, B.; MENESES, M. P. (Orgs.). Epistemologias do Sul. Coimbra: Edição Almedina, 2009, p. 68-107.

RIBEIRO, M.; DOS SANTOS, S. A.; CAVALLEIRO, E. BARBOSA, M. I.da S. Ações afirmativas: polêmicas e possibilidades sobre igualdade racial e o papel do estado. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v. 16, n. 3, p. 913-929, 2008. DOI: https://doi.org/10.1590/S0104-026X2008000300012

RAMIRO, M. A profissionalização do artista ou o que torna um artista profissional. In: FERNANDES, M. Q. (Org.). LONGITUDES: a formação do artista contemporâneo no Brasil. São Paulo: Funarte, 2014, p. 15-20.

RESENDE, J. Formação do Artista no Brasil. Ars, São Paulo, v.3, n.5, p. 22-29, 2005. DOI: https://doi.org/10.1590/S1678-53202005000100002

Downloads

Publicado

2022-05-15

Como Citar

MARCONDES, G. Implodindo a colonialidade: a produção científica de artistas negras na/da arte contemporânea brasileira. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 6, n. 2, p. 147–177, 2022. DOI: 10.20396/modos.v6i2.8668411. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8668411. Acesso em: 2 fev. 2023.

Edição

Seção

Dossiê - Novas, antigas, outras institucionalidades