Expor o sagrado
PDF

Palavras-chave

Manto tupinambá
Arte indígena contemporânea
Pesquisa curatorial
Movimento indígena
História das exposições

Como Citar

CAFFÉ, Juliana; GONTIJO, Juliana. Expor o sagrado: o caso do manto tupinambá na exposição Kwá Yepé Turusú Yuriri Assojaba Tupinambá. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 7, n. 2, p. 23–47, 2023. DOI: 10.20396/modos.v7i2.8670562. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8670562. Acesso em: 15 jun. 2024.

Resumo

O presente artigo apresenta a pesquisa e trabalho curatorial desenvolvido para a exposição Kwá yepé turusú yuriri assojaba tupinambá: essa é a grande volta do manto tupinambá, realizada entre setembro e novembro de 2021 na Galeria Fayga Ostrower (Brasília, Distrito Federal) e na Casa da Lenha (Porto Seguro, Bahia). Nela, partimos da história dos mantos tupinambás para refletir sobre a retomada de sua produção por esse povo, o processo de dominação colonial e sua resistência. Além de questões sobre como expor objetos sagrados em exposições de arte contemporânea, o artigo traz reflexões sobre os desdobramentos da mostra em um ano marcado pelo acirramento da perseguição política aos povos originários do Brasil.

https://doi.org/10.20396/modos.v7i2.8670562
PDF

Referências

ALARCON, D. F. O retorno da terra: as retomadas na aldeia Tupinambá da Serra do Padeiro, sul da Bahia. 2013. Dissertação (Mestrado em Ciências Sociais) – Instituto de Ciências Sociais, Universidade de Brasília, Brasília, 2013.

ANTENORE, A. "Somos tupinambás, queremos o manto de volta", Folha de S. Paulo, Ilustrada, 1º jun. 2000. Disponível em: https://www1.folha.uol.com.br/fsp/ilustrad/fq0106200006.htm. Acesso em: 10 fev. 2023.

ARANTES, A. O patrimônio imaterial e a sustentabilidade de sua salvaguarda. Resgate: Revista Interdisciplinar de Cultura, Campinas, SP, v. 12, n. 1, p. 11–18, 2006. DOI: 10.20396/resgate.v12i13.8645608. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/resgate/article/view/8645608. Acesso em: 22 fev. 2023.

BRASIL + 500, Mostra do Redescobrimento, 2000. Artes Indígenas: Mostra do Redescobrimento. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2000.

CAFFÉ, J., GONTIJO, J., TUGNY, A., TUPINAMBÁ, G. (Orgs.). Kwá yepé turusú yuriri assobaja tupinambá: essa é a grande volta do manto tupinambá. Brasília: Conversas em Gondwana, 2021.

CRIMP, D. Sobre as ruínas dos museus. São Paulo, Martins Fontes, 2005.

GALLOIS, D. T. Materializando saberes imateriais: experiências indígenas na Amazônia Oriental, Revista de Estudos e Pesquisas, FUNAI, Brasília, v.4, n.2, p. 95-116, dez. 2007.

ESBELL, J. A Arte Indígena Contemporânea como armadilha para armadilhas. Galeria Jaider Esbell, Texto publicado em 9 de julho de 2020. Disponível em: http://www.jaideresbell.com.br/site/2020/07/09/a-arte-indigena-contemporanea-como-armadilha-para-armadilhas/. Acesso em: 25 jul. 2022.

HAILER, M. Genocídio indígena: Entenda o que é o Marco Temporal. Revista Fórum, Direitos, 23 jun. 2021. Disponível em: https://revistaforum.com.br/direitos/2021/6/23/genocidio-indigena-entenda-que-marco-temporal-99307.html. Acesso em: 20 de fev. 2023.

KESTER. G. H. Colaboração, arte e subculturas. In: HARA, H. (Ed.). Caderno Sesc_Videobrasil 2: Arte Mobilidade Sustentabilidade. São Paulo: Edições Sesc-SP e Associação Cultural Videobrasil, 2006, p. 10-35.

KOMPATSIARIS, P. The Politics of Contemporary Art Biennials: Spectacles of Critique, Theory and Art. Londres: Routledge, 2017.

MUSSA, A. Meu destino é ser onça. Rio de Janeiro: Record, 2009.

NAVARRO, E. de A. Dicionário de tupi antigo: a língua indígena clássica do Brasil. São Paulo: Global Editora, 2013.

NDIKUNG, B. S. B. Des-outrização como método: Leh zo, a me ken de za. In: 21ª Bienal de Arte Contemporânea SESC_VIDEOBRASIL: Comunidades imaginadas. São Paulo: Videobrasil; Edições Sesc, 2019, p. 63-67 (Catálogo de exposição).

POÉTICAS AMERÍNDIAS. Kwá yapé turusú yuriri assojaba tupinambá. Lançamento do catálogo da exposição. Youtube, 14 out. 2021. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=h4lR_SWUm2s&ab_channel=PO%C3%89TICASAMER%C3%8DNDIAS. Acesso em: 10 fev. 2023.

SILVA, D. F. da. Sobre diferença sem separabilidade. In: VOLZ, J.; REBOUÇAS, J. (Orgs.). 32ª Bienal de São Paulo: Incerteza Viva: Catálogo. São Paulo: Fundação Bienal de São Paulo, 2016, p. 57-65.

TINIUS, J.; VON OSWALD, M. (eds.). Across Anthropology: Troubling Colonial Legacies, Museums, and the Curatorial. Leuven: Leuven University Press, 2020. Disponível em: https://www.jstor.org/stable/j.ctv125jqxp.1#metadata_info_tab_contents. Acesso em 26 jul. 2022.

TUGNY, A. A volta histórica dos mantos tupinambás. In: CAFFÉ, J., GONTIJO, J., TUGNY, A., TUPINAMBÁ, G. (Orgs.). Kwá yepé turusú yuriri assobaja tupinambá: essa é a grande volta do manto tupinambá. Brasília: Conversas em Gondwana, 2021, p. 30-43.

UN-DOCUMENTED: Unlearning Imperial Plunder. Direção: Ariella Aïsha Azoulay. Vídeo (34 min.). Disponível em: https://vimeo.com/490778435. Acesso em: 25 jul. 2022.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Juliana Caffé, Juliana Gontijo

Downloads

Não há dados estatísticos.