Cena e visualidade
PDF

Palavras-chave

Exposições de arte
Visualidade
Cena
Performance
Arte contemporânea

Como Citar

CASTILLO, Sonia Salcedo del. Cena e visualidade : sobre o lugar da exposição de arte nos dias atuais. MODOS: Revista de História da Arte, Campinas, SP, v. 7, n. 1, p. 85–101, 2023. DOI: 10.20396/modos.v7i1.8671608. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/mod/article/view/8671608. Acesso em: 13 abr. 2024.

Resumo

Este ensaio desdobra pesquisas iniciadas há mais de duas décadas e, posteriormente, publicadas (Castillo: 2008, 2014, 2021), que resultaram na ideia de arte como lugar e exposição, como meio. Sua abordagem responde tanto ao processo de espetacularização social e/ou às políticas culturais que promovem uma aceleração entre o ver e o exibir, estimulando mises en scène expográficas; quanto (e sobretudo) a experimentações artísticas relacionadas a poéticas espaçotemporais que, ao investirem no espaço concreto da vida, tomam o meio expositivo como estrutura ceno-visual. Enquanto concepções e práticas expositivas tradicionais estão fundamentadas no par espaçotemporal em fluxo percepção/leitura, poéticas processuais e/ou improvisacionais se estruturam no par em fluxo percepção/sensação, sugerindo instabilidade ao lugar expositivo. Se poéticas do espaço romperam modelos expográficos convencionais, as performáticas tornaram-nos estruturas nômades. Percebemos uma estrutura ceno-visual potencializada no campo corpográfico, dado a sua transversalidade movente – tanto arquitetônica quanto política – implicada em relações conviviais não apenas intrínsecas às questões da arte que nos estimulam à reflexão.

https://doi.org/10.20396/modos.v7i1.8671608
PDF

Referências

BARTHES, R. Câmara clara: nota sobre fotografia. Trad.Júlio Castañon Guimarães - Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 1984.

BENJAMIN, W. Rua de mão única - infância berlinense: 1900. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

CASTILLO, S. S. del. Arte de expor – curadoria como expoesis. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2014.

CASTILLO, S. S. Cenário da arquitetura da arte – montagens e espaços de exposições. Coleção Todas as Artes. São Paulo: Martins Fontes, 2008.

CASTILLO, S. S. (org). Da visualidade à cena – dimensões expositivas da arte. Rio de Janeiro: Nau Editora, 2021.

CRIMP, D. Pictures. October, 8, spring, 1979.

DIDI-HUBERMAN, G. O que vemos, o que nos olha. São Paulo: Editora 34, 1998.

FABIÃO, E.; OSÓRIO, L. C. Instituto Pipa, ano 13. Entrevista em 16/03/2018. Disponível em: https://www.premiopipa.com/2018/03/conversa-com-eleonora-fabiao-por-luiz-camillo-osorio/

FOSTER, H. The return of the real. Londres: Cambridge, October/MIT, 1996.

FRIED, M. “Arte e objetividade”, Arte & Ensaios nº 9. Rio de Janeiro: Programa de Pós-graduação em Artes Visuais EBA/UFRJ, 2002.

GÓMEZ-PEÑA, G. “En defensa del arte del performance”, Horizontes antropológicos, ano 11, nº 24, pp.199-226. Porto Alegre: Programa de Pós-Graduação em Antropologia Social da UFRGS, jul./dez. 2005.

GROZA, M. Metamorfoses do visível e do invisível: visualidade e emulsão na cena do club noir e da Societas Raffaello Sanzio. Doutorado em Artes Cênicas sob orientação da profa. dra. Zalinda Elisa Carneiro Cartaxo. Rio de Janeiro: UFRJ (2014-2018).

HEATHFIELD, A. “Alive”, Live: art and performance. London: Tate Publishing, 2004, pp. 6-13. (Em português: http://performatus.net/alive_aovivo/, p:14.)

HEATHFIELD, A. “History and precariousness: in search of a performative historiography”. In: JONES, A.; HEATHFIELD, A. (eds.). Perform, repeat, record: live art in history. London and New York: Thames and Hudson, 2012.

HUCHET, S. “A instalação em situação”, Arte & Ensaio, nº 12. Rio de Janeiro: Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais / Escola de Belas Artes, UFRJ, p.3, 2005.

Creative Commons License

Este trabalho está licenciado sob uma licença Creative Commons Attribution-NonCommercial-ShareAlike 4.0 International License.

Copyright (c) 2023 Sonia Salcedo del Castillo

Downloads

Não há dados estatísticos.