Bases epistemológicas da educação do campo

projeto histórico e teoria pedagógica em disputa

Autores

DOI:

https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8668593

Palavras-chave:

Pedagogias contra-hegemônicas, Pedagogia do campo, Pedagogia da terra

Resumo

Discutir a Educação do Campo criticamente perpassa pelo estudo de suas bases filosóficas e epistemológicas. Nesta perspectiva, esse artigo objetiva discutir os aspectos filosóficos e epistemológicos da Educação do Campo no bojo das tendências pedagógicas contra-hegemônicas contemporâneas. Para tanto, recuperou-se o balanço da produção do conhecimento sobre a Educação do Campo, atualizando-o. Constatou-se a hegemonia dos estudos que utilizam a expressão Educação do Campo em detrimento ao uso do termo Educação Rural, sinalizando a necessidade de novos estudos sistemáticos. Afinal, a adoção do termo não indica, necessariamente, o comprometimento com o campo pedagógico crítico.  

Downloads

Não há dados estatísticos.

Biografia do Autor

Joelma de Oliveira Albuquerque, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Educação pela Universidade Estadual de Campinas. Professora na Universidade Federal de Alagoas (Campus de Arapiraca).

Celi Nelza Zülke Taffarel, Universidade Federal da Bahia

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Profesora Titular da Universidade Federal da Bahia.

Carolina Nozella Gama, Universidade Federal de Alagoas

Doutora em Educação pela Universidade Federal da Bahia. Professora da Universidade Federal de Alagoas (Maceió).

Referências

ALBUQUERQUE, J. de O. Crítica à produção do conhecimento sobre a Educação do Campo no Brasil: teses e antíteses sobre a educação dos trabalhadores no início do século XXI. 247 f. Tese (Doutorado em Educação), Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Educação, Campinas, SP. 2011.

BRASIL. Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep). Censo da Educação Básica 2019: Resumo Técnico. Brasília, 2020.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. In: MOLINA, M. C. (Org.). Educação do campo e pesquisa II: questões para reflexão. Brasília: MDA/MEC, 2010. Pp. 103-126.

CALDART, R. S. Educação do campo: notas para uma análise de percurso. Trab. Educ. Saúde, Rio de Janeiro, v. 7 n. 1, p. 35-64, mar./jun. 2009. DOI: https://doi.org/10.1590/S1981-77462009000100003

ENGUITA, M. F. Trabajo, escuela e ideologia. Madrid, Espanha: Ediciones Akal S.A., 1985.

FREITAS, L. C. de. Projeto histórico, ciência pedagógica e ‘didática’. Campinas: Educação e Sociedade, n. 27, p. 122-140, set. 1987.

HELLER, A. O cotidiano e a história. São Paulo: Paz e Terra, 2008.

KOPNIN, P. V. A dialética como lógica e teoria do conhecimento. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.

MARTINS, L. M. Psicologia Histórico-Cultural. Pedagogia Histórico Crítica e desenvolvimento humano. In: MARTINS, L. M.; ABRANTES A. A.; FACCI, M. G. D. (Org.). Periodização Histórico-Cultural do desenvolvimento psíquico: do nascimento à velhice. Campinas, SP: Autores Associados, 2016.

MARX, K. Crítica da filosofia do direito de Hegel. 3. ed. São Paulo: Boitempo, 2013.

MARX, K. e ENGELS, F. A ideologia alemã: crítica da mais recente filosofia alemã em seus representantes Feuerbach, B. Bauer e Stiner, e do socialismo alemão em seus diferentes profetas (1845-1846). São Paulo: Boitempo, 2007.

MEDEIROS, E. A. de; DIAS, Ana Maria Iório. O estado da arte sobre a pesquisa em educação do campo na região nordeste (1998 – 2015). Cad. Pes., São Luís, v. 22, n. 3, set./dez. 2015. DOI: https://doi.org/10.18764/2178-2229.v22.n3.p.115-132

MÉSZÁROS, I. Para Além do Capital: rumo a uma teoria da transição. São Paulo: Boitempo Editorial/Editora da Unicamp, 2002.

QUEIROZ, S. G. Educação escolar da juventude do campo: contribuições da pedagogia histórico-crítica para o trato com o conhecimento no currículo dos trabalhadores do campo. 191 f. Tese (doutorado) - Universidade Federal da Bahia, Faculdade de Educação, Salvador, 2019.

ROSSET, Peter. O bom, o mau e o feio: a política fundiária do Banco Mundial. In: MARTINS, M. D. O Banco Mundial e a Terra: ofensiva e resistência na América Latina. São Paulo: Viramundo, 2004.

SÁNCHEZ GAMBOA, S. A. Epistemologia da Pesquisa em Educação. (Tese). Campinas, Práxis. 1998.

SÁNCHEZ GAMBOA, S. O debate da pós-modernidade: as teorias do conhecimento em jogo. Filosofia e Educação, Campinas, SP, v. 2, n. 2, p. 74–98, 2010. DOI: 10.20396/rfe.v2i2.8635492. Disponível em: https://periodicos.sbu.unicamp.br/ojs/index.php/rfe/article/view/8635492. Acesso em: 27 fev. 2022. DOI: https://doi.org/10.20396/rfe.v2i2.8635492

SÁNCHEZ GAMBOA, S. A. Pesquisa em educação: métodos e epistemologias. Chapecó SC: Argos, 3ª ed. 2017.

SAVIANI, D. A pedagogia no Brasil: história e teoria. Campinas, SP: Autores Associados, 2008a.

SAVIANI, D. Epistemologia e teorias da educação no Brasil. Pro-Posições, v. 18, n. 1 (52) - jan./abr. 2007a.

SAVIANI, D. História das ideias pedagógicas no Brasil. Campinas: Autores Associados, 2007b.

SAVIANI, D. Teorias pedagógicas contra-hegemônicas no Brasil. Ideação, [S. l.], v. 10, n. 2, p. 11–28, 2008b.

SILVA, I. C. Crítica ontológica à fragmentação das premissas teóricas e programáticas na produção/circulação do conhecimento em Educação Física no estado da Bahia. 313 f. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal da Bahia. Faculdade de Educação, Salvador, BA, 2021.

Downloads

Publicado

2022-06-21

Como Citar

Albuquerque, J. de O., Taffarel, C. N. Z., & Gama, C. N. . (2022). Bases epistemológicas da educação do campo: projeto histórico e teoria pedagógica em disputa. Filosofia E Educação, 14(1), 222–239. https://doi.org/10.20396/rfe.v14i1.8668593